Últimas

Segunda-Feira, 08 de Janeiro de 2007, 06h:34 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:15

Artigo

Escola, motivação e desafios

 Há uma série de desafios no campo educacional, principalmente para o poder público. Por um lado, faltam estrutura, qualificação, recursos e novas diretrizes curriculares. O professor reclama da desvalorização profissional, sentida no bolso e, consequentemente, na mente, já que se vê impossibilitado financeiramente de investir mais na carreira.

    Ao estudante, falta, entre outras coisas, motivação. Em Mato Grosso, há cerca de 120 mil matriculados no ensino médio. Pelo menos 63% dos jovens de 15 a 17 anos (faixa etária usada como parâmetro) estariam fora da sala-de-aula. Numa análise simplória, ou eles optaram pelo trabalho e alegam indisponibilidade de tempo para estudar ou estão desmotivados.

    O Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep) concluiu um estudo com base na Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios do IBGE. Descobriu que em 2005, nada menos que 1,7 milhão de jovens entre 15 e 17 anos (16% do total) não frequentaram sala-de-aula. Conforme o estudo, três em cada quatro desses jovens (75%) não completaram o ensino fundamental, mas a maioria (68%) pelo menos chegou à 5ª série. O fato de ter filho também acaba dificultando a jovem estudar, assim como a necessidade de trabalhar. Mais uma outra preocupação chamou atenção do Inep: a falta de vontade de estudar, que acaba empurrando, em média, 40% dos jovens para fora do sistema de ensino.

    Hoje, de cada 100 alunos que ingressam no ensino fundamental, 59 terminam a 8ª série. E, dos que entram no médio, 74% conseguem chegar ao terceiro ano. Os demais ficam no meio do caminho por evasão ou repetência. Mato Grosso não foge dessa média nacional.

    Até a estrutura das escolas deveria ser repensada para atrair o estudante jovem. Essas instituições não são atraentes e, por incrível que pareça, isso interfere. A metodologia de ensino tradicional também desmotiva.

    O governo Lula já anunciou que pretende consolidar na prática um projeto audacioso e interessante na área da educação: transformar o ensino médio em obrigatório. Hoje, a obrigatoriedade só se limita ao ensino fundamental.

    Pelo decreto que está sendo preparado, alunos que terminam a 8ª série do ensino fundamental passariam a ter garantia de oferta de vagas e de condições de permanência na escola. Na prática, se o Ministério da Educação não conseguir atender a demanda, será responsabilizado judicialmente.

    Isso é um avanço, mesmo que vindo tardiamente. Infelizmente, muita coisa só funciona sob pressão. Ao assumir para si um comprometimento deste, o governo terá que arcar com as consequências. Mas, nesse processo, a sanção é secundária. O mais importante seria conscientizar e estimular o aluno a continuar estudando e, no caso dos desistentes, reconduzi-los à sala de aula.

    A intenção do governo federal é implementar algumas medidas, como a criação de uma bolsa para alunos do período noturno, além da expansão do Bolsa-Escola a jovens com idade entre 16 e 19 anos. Também pretende exigir dos Estados a garantia de estrutura, como escolas e professores, para não enfrentar tantos problemas quando tornar o ensino médio obrigatório.

    As escolas precisam tanto ser mais atrativas quanto encontrar uma forma de avaliar o aprendizado e oferecer mecanismos de recuperação ao longo do ano. Caso contrário, perderá cada vez mais alunos, contribuindo para a elevação do índice de analfabetismo, desemprego e violência.

    Romilson Dourado é jornalista, editor de Política de A Gazeta e escreve neste espaço às segundas-feiras (romilson_dourado@hotmail.com)

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

Câmara de Barra devolve R$ 100 mil

joao rodrigues 400 presidente c�mara barra do gar�as   A Câmara Municipal de Barra do Garças devolveu à prefeitura R$ 100 mil para serem investidos em medidas de combate ao novo coronavírus. O presidente do Legislativo, vereador João Rodrigues de Souza, o doutor...

Auditor assume Secretaria de Controle

demilson nogueira 400   O auditor Newton Gomes Evangelista, servidor de carreira, é o novo secretário de Controle Interno da Assembleia. Ele já respondeu também pela Auditoria-Geral da Casa. Newton assumiu a Controladoria Interna no lugar do ex-prefeito de Ponte Branca, Demilson Nogueira (foto), que deixou o posto...

Cuiabá é a unica com tudo fechado

emanuel pinheiro curtinha   A pressão sobre o prefeito Emanuel Pinheiro (foto) fica agora mais forte para flexibilizar logo o decreto restrito por causa do coronavírus. Ele é o único dos gestores das maiores cidades mato-grossenses que ainda mantém decisão de fechar praticamente tudo na Capital, com...

Deputado põe aliado no lugar do irmão

ronaldo taveira 400 curtinha   Coube ao próprio deputado Wilson Santos indicar um nome para o lugar do irmão Elias Santos, que na última sexta (3) deixou a secretaria de Gestão de Pessoas da Assembleia para concorrer a vereador em Cuiabá. E o ex-prefeito emplacou no cargo que rende R$ 19,9 mil mensais o velho...

Sem alarde, vereador muda de partido

viniciys clovito curtinha   De última hora e sem alarde, o vereador pela Capital Vinicyus Hugueney (foto) resolveu deixar o PP e se filiou ao Solidariedade. Com isso, o PP não se torna o único com a maior bancada. Está com três vereadores, assim como o PV e o PSDB. No SD, Vinicyus vai concorrer internamente com...

Irmão de Thelma na lista dos traidores

ronaldo pimentel 400 curtinha   Na carta aberta assinada por Ricardo Saad, que preside o PSDB cuiabano, ele reclama de dívidas milionárias herdadas de antecessores, inclusive dos R$ 4 milhões de pendências somente do pleito de 2016, e menciona, entre outras coisas, que "(...) há correligionários, que estavam...

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

Você concorda com a decisão de prefeitos, que começam a decretar estado de emergência, fechando comércio, serviços públicos e o transporte coletivo?

sim

não

sei lá!

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.