Últimas

Domingo, 28 de Janeiro de 2007, 00h:02 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:15

Artigo

Espelho, espelho meu, existe alguém?

    A economista Adriana Vandoni, articulista de A Gazeta, escreve neste domingo (28) sobre a queda-de-braço entre o deputado estadual Zeca D'Ávila e o presidente da MT Fomento, Éder de Moraes. Confira

     Ah!, a vaidade ... se é benéfica quando razoável e racional, quando desmesurada faz a pessoa cometer loucuras, extrapolar a sensatez e cair na comédia. A ânsia de alguns por estar na mídia impressiona pela forma desenfreada que os levam a perder a noção da realidade e a subestimar a capacidade de percepção alheia.

    Existem vários níveis e tipos, desde aquela que criou um batalhão de mulheres esqueléticas e repuxadas, doentes e eternas descontentes, até a que faz o indivíduo colocar uma melancia na cabeça e ir ao shopping. Mas de todas as espécies de vaidade a pior é aquela vaidade que no lugar de cremes quer holofotes, manchetes e de quebra, e pior, votos. Sim, agora vocês entenderam, estou falando da vaidade e da histeria por mídia do político, ou do pretenso político.

   Venho acompanhando o embate entre o presidente da MT Fomento com o deputado estadual Zeca D"Ávila por causa de uma alteração na lei que trata da constituição e funcionamento da MT Fomento.

   Luzes, luzes e luzes! Zeca parece ter sido escolhido a dedo para ser o trampolim de um palco. Nada mais que isso. A alteração feita pelo deputado, e questionada pelo presidente da MT Fomento, não proíbe o acesso ao crédito a pessoas físicas, como insistentemente o atual presidente da MT Fomento vem dizendo. O propósito da emenda do deputado Zeca D"Ávila apenas amarra a Agência à sua razão de ser, isto é, um instrumento de transformação social. Assegura que empréstimos sejam concedidos "exclusivamente às micro e pequenas empresas, bem como aos mini e pequenos produtores rurais e suas cooperativas e outras formas de produção associativa".

   Eis o ponto de controvérsia. Em hipótese alguma a emenda cerceia a MT Fomento de conceder crédito à pessoa física, ela apenas vincula a pessoa física a alguma associação, entidade de classe, cooperativa, enfim, estimula a organização da sociedade e tenta corrigir distorções tais como as já cometidas durante esses tão poucos anos de existência. Empréstimos foram concedidos a grandes empresas que tranquilamente teriam acesso a bancos comerciais. Transparência seria nomear as recebedoras de empréstimos, assim como uma satisfação à sociedade. Portanto, essa leitura de que a emenda prejudica a população, pode até ser considerada um simples equívoco quando feita por um leigo, mas, em se tratando do presidente da MT Fomento, um conhecedor do mercado financeiro, que fez sua carreira em instituições financeiras, interrompida nem sei por qual motivo e agora candidato a político, só posso entender como uma incontida e "pato-vaidosa" ânsia por notícia.

   Ele quase acertou! A polêmica chama a atenção e dá notícia, mas não sem a observância do princípio da razoabilidade. A vaidade não pode sobrepor ao bom senso, é preciso que haja discernimento.

   Aos desejosos de entrar na vida pública, um lembrete: se queres mesmo ser um candidato a político não esqueça que a vaidade exacerbada e incontida é um veneno letal ao político, porque se por um lado ela se alimenta do poder de forma incomensurável, de outro impede a objetividade e induz à irracionalidade, e mostra aos espectadores o despropósito e contra-senso dos seus atos. O sociólogo alemão Max Weber dizia que a vaidade leva à auto-embriaguez de quem se diz exclusivamente a serviço de uma causa e é o caminho mais curto que se tem para chegar à demagogia.

   Ah, e tem outra, quando um ocupante de cargo público desejar distribuir release para contar, por exemplo, que "adotou como eixo de sua gestão o trabalho formiguinha e que isso demonstra responsabilidade, coragem e transparência blablablá", peça aos jornais que troquem as palavras. Não pega bem. Além de virar piada, fica na cara que a matéria vem da assessoria da instituição pública para promoção pessoal.

   Aos novos parlamentares fica a esperança de que esta nova legislatura consiga fornecer à sociedade de Mato Grosso respostas a situações dúbias que ficaram pra trás, como por exemplo, a CPI da Oficina Única. A transparência é um direito do cidadão.

  Adriana Vandoni é economista, especialista em Administração Pública pela Fundação Getúlio Vargas/RJ. E-mail: avandoni@gmail.com Blog: www.argumentoeprosa.blogspot.com Cuiabá - MT

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

Contra regular as redes a magistrados

thiago amam 400 curtinha   O presidente da Associação Mato-Grossense de Magistrados, juiz Tiago Abreu (foto), vê com preocupação a proposta de resolução do CNJ que estabelece parâmetros quanto à utilização das redes sociais por magistrados. Enfatiza que a Amam...

Sem prefeitos, Sema cancela evento

mauren 400   Sob Mauren Lazzaretti (foto), a secretaria estadual de Meio Ambiente tinha programado um ato nesta quarta, às 16h, em sua sede, para entrega do chamado Kit Descentralização a 30 prefeitos. O governador Mauro participaria do evento. Mas os gestores não apareceram. Cinco mandaram representantes. Ao ser...

"Fogo amigo" no TCE e petição no STJ

E segue a guerra nos bastidores entre conselheiros substitutos e os titulares afastados. Os reservas que há dois anos compõem o Pleno torcem para Albano, Joaquim, Sérgio, Teis e Novelli não retornar à ativa tão cedo. E, segundo informações, dois deles têm agido de forma açodada no STJ, a quem cabe decidir pelo retorno ou não, em julgamento de um recurso na pauta para o próximo dia 18. Tentam tumultuar o processo,...

Prefeito vai dar emprego a mototaxista

emanuel pinheiro 400 curtinha   O prefeito de Cuiabá Emanuel Pinheiro (foto) afirma que, como pai de família, se sensibilizou muito com a situação do mototaxista que foi atropelado por "amarelinhos" no bairro Altos da Serra. Ele garante que determinou que o secretário Antenor procure a família da...

Novo adiamento frustra conselheiros

Raul_Araujo_400   A Corte Especial do STJ adiou, mais uma vez, o julgamento do agravo regimental dos 5 conselheiros do TCE-MT, que tentam voltar ao cargo. Eles estão afastados há mais de dois anos e estavam esperançosos de que hoje (4) receberiam o aval para retornar à Corte de Contas. O recurso, relatado por ...

Relator frustra expectativa de Fávaro

carlos favaro 400 curtinha   Terceiro colocado ao Senado nas urnas de 2018, atrás dos eleitos Selma e Jayme, Carlos Fávaro (foto) depositava todas as esperanças numa eventual manifestação favorável do relator Og Fernandes, no recurso de Selma no TSE, a sua posse como senador para não haver...

MAIS LIDAS

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

Como você avalia a decisão do Supremo de suspender prisão imediata após julgamento em segunda instância?

Concordo

Discordo

Tanto faz

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.