Últimas

Terça-Feira, 08 de Maio de 2007, 09h:14 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:15

Artigo

Estudar Direito, direito

    A vergonha que os cursos de Direito de Mato Grosso passaram na avaliação integrada promovida pela Ordem dos Advogados somente reforça as impressões de que é imperioso um mínimo de qualificação para exercer a advocacia, depois da expedição dos diplomas. Por qualquer prisma que observemos, frente ao pífio índice de aprovação de 13% e diante da maciça reprovação no último concurso para magistrados com média 0% de aprovação, devemos nos solidarizar com os alunos pela exigência de cursos decentes, aumento de carga horária, mais atividades complementares e práticas e, de outro giro, apoiar a OAB pela continuidade das avaliações e aprofundamento da gestão de ementas dos cursos que, comprovadamente, não habilitam o bacharel para a advocacia.

    Rememore-se que, ao contrário de outros concursos, o Exame não estipula números máximos de concorrentes e sim uma média mínima para a aprovação. Ou seja, o candidato briga com dois vetores - competência própria e nível da prova - jamais com concorrentes. Portanto, sofisma afirmar que se trata de concorrência ou reserva de mercado. Aliás, o     TJMT não aprovou nenhum candidato em concurso público e, nem por isso, requereu-se a extinção do teste público. E esse pífio desempenho dá-se pelo Brasil. Evidente que não é coincidência.

    Nos últimos cinco anos, o número de registro profissional quase dobrou no Estado de Mato Grosso. Portanto, em tese, a prova não deve ser tão complicada e voltada à tão denunciada reserva de mercado, porque em números absolutos quem passa é o aluno da instituição privada em larga escala, porquanto as instituições públicas não multiplicam vagas há décadas. Dos 5.000 números de carteiras novas, 90% são dos alunos egressos do sistema privado. O Exame evidentemente não quer gerar protecionismos, mas expõe uma dura e lastimável realidade que machuca e descredencia não o bacharel, mas a instituição formadora - eis aí a forma mais cruel de aperceber o estelionato educacional, tão propalado pela OAB.

    Resistir ao vestibular que também exclui quem não estuda; bater-se contra a prova da faculdade que também exclui quem não estuda; rebelar-se contra a avaliação institucional ou qualquer outra é um reclamo legítimo de quem não se vê preparado. Recordo que os acadêmicos de Direito da UFMT, nessa visão pueril, decidiram boicotar o MEC, impondo à Faculdade uma nota "D" na primeira avaliação de cursos. Quando se aperceberam do boicote burro que faziam a si mesmos, os acadêmicos não só obtiveram "A", como se colocaram em 1º lugar nacional em rendimento discente, na dianteira da USP, UnB, e qualquer outra universidade pública brasileira. Isso, em que pese o enorme fardo do sucateamento.

    O Brasil precisa de uma cultura de avaliação. Fugas laterais e confrontos com os modelos examinadores só vão expor ainda mais a incompetência da formação universitária brasileira e os ressentimentos dos que estão mais ou menos cientes do nível de ensino a que estão expostos. A resposta ao dilema é estudar bem mais e exigir muito mais das faculdades. Os países mais desenvolvidos em matéria educacional têm um quotidiano de avaliação sistemática, ou seja, avaliam mais e de forma escalonada, por ciclos de aprendizado, o que a OAB nunca pôde fazer, infelizmente. E ainda há projetos para investimentos pesados em instituições privadas, a fim de multiplicar ainda mais o número de vagas... Quem sabe os resultados confiram parâmetros para que os políticos saibam onde não devem investir dinheiro público?

    Lamentavelmente, a Ordem não pode coibir o estelionato educacional, mas por sorte pode desmascará-lo como o fez e fará. Ninguém pode impedir que um estudante desavisado seja enganado, mas é legítimo conscientizá-lo do nível de ensino que recebeu, assim como a sociedade deve ser informada. Na reprovação de quase 87% dos acadêmicos mato-grossenses, está a conclusão da política de ensino equivocada que achata carga horária, rebaixa salários, sufoca a pesquisa e cria um ensino virtual e não real. Essa denúncia é válida para provar que a "reserva de mercado" é pura mistificação: do contrário, não haveria Estados que emplacam 40% de aprovação contra 1/3 dessa média em Mato Grosso, com o mesmo sistema de avaliação. Para que não haja enormes prejuízos para o estudante que investe anos no progresso individual e para a própria sociedade que se beneficia com o aumento da escolaridade de seus cidadãos, é preciso estudar Direito, direito.

Eduardo Mahon é advogado em Mato Grosso e Brasília

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

4 fora da reeleição em Rondonópolis

jailton 400 vereador curtinha   Em Rondonópolis, quatro dos 21 vereadores não devem ir à reeleição, sendo eles Thiago Muniz (DEM), Rodrigo da Zaeli (PSDB), Hélio Pichioni (PSD) e Jailton do Pesque e Pague (foto), do PSDB. Thiago e Rodrigo têm esperanças de concorrer a...

Prefeito apoia vice à briga em Cáceres

eliene liberato 400 curtinha   Francis Maris vai mesmo declarar apoio oficial à pré-candidatura da empresária Eliene Liberato à sucessão em Cáceres. Em público, o prefeito faz mistério para não contrariar outros pretensos candidatos do grupo e que têm esperanças de receber...

Preparando um dos aliados a federal

mauro carvalho 400 curtinha   Embora não comente publicamente, o governador Mauro Mendes está "costurando" acordos políticos com líderes mais próximos, visando não só o pleito de 2020, mas também às eleições gerais de 2022. Em época de busca de projetos e de...

Salvando 1º ano de mandato no cargo

selma arruda 400 curtinha   Embora "sangrando" e com a imagem arranhada, a juíza aposentada e senadora cassada pelo TRE-MT Selma Arruda, que trocou o PSL pelo Podemos, consegue concluir este primeiro de oito anos de mandato. E vai se licenciar nos próximos dias para ceder espaço aquele que financiou a sua campanha,...

Barbudo é menos empreguista de MT

nelson barbudo 400 curtinha   Dos oito deputados federais de MT, o estreante Nelson Barbudo (foto) é o menos "empreguista". Nestes 10 primeiros meses de mandato, ele nomeou no gabinete em Brasília e no escritório político em Cuiabá apenas 15 assessores. Cada gabinete pode ter até 25 secretários...

Rossato quer "minar" reeleição de Ari

dilceu rossato 400 curtinha   Em Sorriso, a capital nacional do agronegócio, a tendência é da disputa à sucessão no próximo ano ficar polarizada entre o prefeito Ari Lafin, do PSDB, e seu antecessor, Dilceu Rossato (foto), hoje filiado ao PSL. Embora se movimente nos bastidores, o deputado Xuxu Dal Molin...

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

Como você avalia a decisão do Supremo de suspender prisão imediata após julgamento em segunda instância?

Concordo

Discordo

Tanto faz

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.