Últimas

Terça-Feira, 08 de Maio de 2007, 09h:14 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:15

Artigo

Estudar Direito, direito

    A vergonha que os cursos de Direito de Mato Grosso passaram na avaliação integrada promovida pela Ordem dos Advogados somente reforça as impressões de que é imperioso um mínimo de qualificação para exercer a advocacia, depois da expedição dos diplomas. Por qualquer prisma que observemos, frente ao pífio índice de aprovação de 13% e diante da maciça reprovação no último concurso para magistrados com média 0% de aprovação, devemos nos solidarizar com os alunos pela exigência de cursos decentes, aumento de carga horária, mais atividades complementares e práticas e, de outro giro, apoiar a OAB pela continuidade das avaliações e aprofundamento da gestão de ementas dos cursos que, comprovadamente, não habilitam o bacharel para a advocacia.

    Rememore-se que, ao contrário de outros concursos, o Exame não estipula números máximos de concorrentes e sim uma média mínima para a aprovação. Ou seja, o candidato briga com dois vetores - competência própria e nível da prova - jamais com concorrentes. Portanto, sofisma afirmar que se trata de concorrência ou reserva de mercado. Aliás, o     TJMT não aprovou nenhum candidato em concurso público e, nem por isso, requereu-se a extinção do teste público. E esse pífio desempenho dá-se pelo Brasil. Evidente que não é coincidência.

    Nos últimos cinco anos, o número de registro profissional quase dobrou no Estado de Mato Grosso. Portanto, em tese, a prova não deve ser tão complicada e voltada à tão denunciada reserva de mercado, porque em números absolutos quem passa é o aluno da instituição privada em larga escala, porquanto as instituições públicas não multiplicam vagas há décadas. Dos 5.000 números de carteiras novas, 90% são dos alunos egressos do sistema privado. O Exame evidentemente não quer gerar protecionismos, mas expõe uma dura e lastimável realidade que machuca e descredencia não o bacharel, mas a instituição formadora - eis aí a forma mais cruel de aperceber o estelionato educacional, tão propalado pela OAB.

    Resistir ao vestibular que também exclui quem não estuda; bater-se contra a prova da faculdade que também exclui quem não estuda; rebelar-se contra a avaliação institucional ou qualquer outra é um reclamo legítimo de quem não se vê preparado. Recordo que os acadêmicos de Direito da UFMT, nessa visão pueril, decidiram boicotar o MEC, impondo à Faculdade uma nota "D" na primeira avaliação de cursos. Quando se aperceberam do boicote burro que faziam a si mesmos, os acadêmicos não só obtiveram "A", como se colocaram em 1º lugar nacional em rendimento discente, na dianteira da USP, UnB, e qualquer outra universidade pública brasileira. Isso, em que pese o enorme fardo do sucateamento.

    O Brasil precisa de uma cultura de avaliação. Fugas laterais e confrontos com os modelos examinadores só vão expor ainda mais a incompetência da formação universitária brasileira e os ressentimentos dos que estão mais ou menos cientes do nível de ensino a que estão expostos. A resposta ao dilema é estudar bem mais e exigir muito mais das faculdades. Os países mais desenvolvidos em matéria educacional têm um quotidiano de avaliação sistemática, ou seja, avaliam mais e de forma escalonada, por ciclos de aprendizado, o que a OAB nunca pôde fazer, infelizmente. E ainda há projetos para investimentos pesados em instituições privadas, a fim de multiplicar ainda mais o número de vagas... Quem sabe os resultados confiram parâmetros para que os políticos saibam onde não devem investir dinheiro público?

    Lamentavelmente, a Ordem não pode coibir o estelionato educacional, mas por sorte pode desmascará-lo como o fez e fará. Ninguém pode impedir que um estudante desavisado seja enganado, mas é legítimo conscientizá-lo do nível de ensino que recebeu, assim como a sociedade deve ser informada. Na reprovação de quase 87% dos acadêmicos mato-grossenses, está a conclusão da política de ensino equivocada que achata carga horária, rebaixa salários, sufoca a pesquisa e cria um ensino virtual e não real. Essa denúncia é válida para provar que a "reserva de mercado" é pura mistificação: do contrário, não haveria Estados que emplacam 40% de aprovação contra 1/3 dessa média em Mato Grosso, com o mesmo sistema de avaliação. Para que não haja enormes prejuízos para o estudante que investe anos no progresso individual e para a própria sociedade que se beneficia com o aumento da escolaridade de seus cidadãos, é preciso estudar Direito, direito.

Eduardo Mahon é advogado em Mato Grosso e Brasília

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

Ibope mostra acirramento Abílio x EP

abilio junior 400 curtinha   O primeiro resultado da pesquisa Ibope deste segundo turno, revelado hoje pela TVCA, apontando Abílio (foto) com 48% e Emanuel com 40% das intenções de voto, empatados tecnicamente dentro da margem de erro de 4 pontos percentuais para mais ou para menos, é uma mostra do quanto está...

Ricardo atuando pela reeleição de EP

ricardo adriane 400 curtinha   O ex-vereador Ricardo Adriane (foto), um dos dirigentes do Republicanos da Capital e do quadro de assessores do presidente da Assembleia, deputado Eduardo Botelho, está fazendo campanha pela reeleição do prefeito cuiabano Emanuel Pinheiro. Numa reunião ampliada, Ricardo deixou claro que...

Única petista eleita define apoio a EP

edna sampaio 400 curtinha   Única vereadora eleita pelo PT na Capital, a professora Edna Sampaio (foto) resolveu declarar apoio à reeleição do prefeito Emanuel Pinheiro (MDB). E mandou mensagens aos servidores públicos, que passarão a ter a petista como espécie de porta-voz na Câmara Municipal....

Batista agora aparece pra pedir voto

joao batista 400 curtinha   Único deputado do Pros com assento na Assembleia e presidente estadual do partido, João Batista (foto) resolveu aparecer nestas eleições em Cuiabá, mas no segundo turno. No primeiro, foi escondido pela candidata do Pros, Gisela Simona, que ficou em terceiro lugar. Nos bastidores,...

Derrotado a vereador se junta a Abílio

elias santos 400   O irmão do deputado estadual Wilson Santos, Elias Santos (foto), que concorreu a vereador por Cuiabá e só conseguiu 1.143 votos, agora faz campanha para Abílio neste segundo turno, no confronto entre o candidato do Podemos e o prefeito Emanuel. Elias estava no PSDB e correu para o DEM do governador...

Surra de votos no prefeito e no irmão

meraldo sa 400 curtinha   Na pequena Acorizal, com menos de seis mil habitantes, o ex-prefeito de dois mandatos, ex-presidente da AMM e ex-deputado estadual Meraldo Figueiredo Sá (foto) garantiu mesmo, nas urnas, o seu retorno ao cargo. Concorrendo pelo PSD e agora sem ajuda do antigo padrinho político José Riva, Meraldo...