Últimas

Quinta-Feira, 13 de Dezembro de 2007, 07h:40 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:19

Artigo

Eu só queria entender

     Existem algumas coisas que realmente não "colam", mas a gente vai engolindo. Às vezes me lembro do cantor e compositor mineiro Zé Geraldo, quando ele canta: "isso tudo acontecendo e eu aqui na praça dando milho aos pombos". Então, já é hora de fechar a goela (aliás, a única coisa boa que nos é empurrada goela abaixo é a endoscopia - não que seja agradável...).
     É triste ver o senador Arthur Virgílio falando que o governo é inconseqüente ao manter a CPMF (espere, continuem lendo - eu também quero que ela acabe, eu juro). Ele falou que a dita cuja prejudica os pobres. Ou eu estou maluco, ou quem implantou essa monstruosidade foi a turma dele.
     É tão triste ver a turma do Lula que tanto atacou a CPMF, agora querer continuar com essa atrocidade. Você já reparou o quanto pagamos de impostos? Você recebe o seu salário e paga imposto de renda, paga a previdência e outras "cositas mas". Depois, tudo (ou nada) que sobra, serve para você comprar alimentos, pagar luz, água, etc, e, em tudo isso, paga mais impostos. Antes disso, todo o dinheiro que você saca, paga a tal CPMF. Caso sua conta entre no vermelho (cheque especial), você, por pegar dinheiro emprestado do banco, paga a tal CPMF. E o pior, se você resolve aplicar o seu suado dinheiro (tecnicamente, emprestando dinheiro ao banco), você paga a tal CPMF de novo. E quando resgata o dinheiro, paga mais uma vez! Decididamente fazemos milagre. Usamos muito pouco do dinheiro que recebemos para nós mesmos. Podia dizer que somos heróis por isso. Mas já não sei mais se somos mesmo heróis ou se somos um povo sem atitude ao aceitar tamanha improcedência (pra não falar outra coisa).
     Na edição de terça-feira, a Gazeta publicou uma matéria sobre a oficialização do pedágio na BR-320 (Transamazônica) em favor da etnia indígena tenharim (na região da estrada que passa por suas terras). O pior é que eles já cobram o pedágio extra-oficialmente. Guardam a área armados com lanças e flechas! A alegação é que precisam de dinheiro para comprar comida. Essa é outra situação daquelas que são difíceis de engolir. Ora, ou eu muito estou enganado (e posso estar, é claro), mas o governo disponibiliza uma imensa área aos indígenas para que eles possam preservar a sua cultura, seu modo de viver. Sendo assim com certeza é válido. Pra viver de acordo com as nossas regras, a coisa já muda. Da forma que está, a situação não fecha, não cola. Se eles precisam de dinheiro para comprar comida, significa que não estão usando a terra para o seu sustento, ou seja, para manter a sua cultura, idéia principal da reserva. Se não usam a terra, a reserva perde o sentido. Se perde o sentido, pode ser usada pelo estado, ou seja, a estrada pode passar lá, pois, até onde eu saiba, ainda estamos em território brasileiro (embora existam livros nos EUA dizendo que a Amazônia é terra mundial). O duro é que, se ainda fosse terra mundial, estaria bom, visto que também pertencemos ao mundo. Mas, estamos em uma situação que nós, brasileiros, estamos ficando quase proibidos de entrar em terras da região. Só nós brasileiros, é claro.
     Este fato nos remete a mais uma situação que já cansou. Muitos movimentos ou entidades de classe têm feio manifestos onde o prejuízo maior é a um terceiro. Está, já há tempos, um tal de fechar estrada, de fazer operação padrão em aeroportos, etc. Sem contar as passeatas pelo centro da cidade. A idéia é chamar a atenção da sociedade para o problema. Mas, você já imaginou se cada um de nós que fosse lesado por que alguém que resolveu nos chamar a atenção, também resolvesse aprontar por aí? Estaríamos em nosso direito, visto que também estamos sendo prejudicados por alguém que quis chamar a atenção. O país ia parar!
     O fato é que precisamos resolver os problemas de forma adulta. É preciso cobrar de quem pode resolver a situação. Por que não fazemos isso? Por que aceitamos quem não faz? É como diz o macaco Sócrates, antigo personagem de Orival Pessini: "não precisa explicar, eu só queria entender!"

Claudinet Antônio Coltri Júnior é consultor organizacional nas áreas de marketing e gestão de pessoas, cirurgião dentista, coordenador e professor universitário do Univag e escreve em A Gazeta às quintas-feiras (junior@coltri.com.br)

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

Para presidente, BRT é ultrapassado

juca 400 curtinha   Numa sintonia política com o prefeito Emanuel, o novo presidente da Câmara de Cuiabá, vereador Juca do Guaraná (foto), disse ser contra a decisão do governo estadual de "enterrar" o projeto do VLT, cujas obras estão paralisadas desde 2014, para implantar o modal BRT na Região...

Prefeito vai homenagear 2 ex-aliados

ze do patio 400 curtinha   O ex-vereador, ex-deputado estadual e hoje prefeito de Rondonópolis, Zé do Pátio (foto), que está no terceiro mandato, vai homenagear dois aliados que faleceram recentemente, sendo eles o ex-vereador de três mandatos Juary Miranda, que foi líder do Executivo na Câmara...

Maluf deve consultar STF sobre Teis

guilherme maluf 400 curtinha   Assim que retornar de férias, o presidente do Tribunal de Contas do Estado, Guilherme Maluf (foto), dará prosseguimento à análise do pedido de aposentadoria de Waldir Teis, que está afastado do Pleno há três anos e cinco meses, assim como outros três conselheiros...

Novo líder de Pátio na Câmara de ROO

reginaldo santos 400 curtinha   Reginaldo dos Santos (foto), que assume vaga na Câmara de Rondonópolis pela quarta vez, é o novo líder do prefeito Zé do Pátio, com a missão de fazer o trabalho de articulação e defesa do Executivo junto aos colegas do Legislativo. Na legislatura passada,...

Agro sugere Daniella de volta no Indea

daniella bueno 400 indea   Representantes do setor produtivo e um grupo de servidores sugeriram ao governador Mauro o nome da médica-veterinária e servidora de carreira Daniella Bueno (foto) para reassumir a presidência do Indea-MT. Aproveitaram a vulnerabilidade no cargo do presidente Marcos Catão Dornelas, denunciado...

Aumento para vereador só em 2022

Alguns vereadores em Cuiabá, tanto novatos quanto aqueles reeleitos, ficaram surpresos quando informados pela Mesa Diretora de que o aumento salarial de R$ 15,1 mil para R$ 18,9 mil, aprovado agora no final de dezembro, só começa a valer a partir de janeiro de 2022. Não entra em vigor de imediato, mesmo se tratando de nova legislatura, por causa da pandemia, que levou o governo federal a estabelecer, em lei, veto a qualquer tipo de reajuste para servidores até...

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

O Governo de MT optou pela implantação do BRT em Cuiabá-VG em detrimento do VLT. O que você acha disso?

Estou de acordo

Discordo

Tanto faz

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.