Últimas

Quinta-Feira, 11 de Janeiro de 2007, 08h:26 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:15

Artigo

Falta política na segurança pública

  "O problema da segurança não só em Mato Grosso, mas no Brasil inteiro", avalia o professor Alfredo da Mota Menezes, em artigo nesta quinta (11), em A Gazeta. Leia reprodução abaixo.

    Se o Carlos Brito conseguir se entrosar com as polícias Militar e Civil pode até se dar bem na Secretaria de Segurança. Se não se entrosar pode ter dificuldades, como houve no passado. Ouvi dizer que antes teve gente da área que estimulou ações ilegais para atrapalhar a vida do secretário que o grupo não gostava. O entrosamento interno é fundamental.

    Se isso ocorrer, dá para alguém da política tocar essa complicada secretaria. Defendo que a segurança só vai melhorar no país quando deixar de ser caso de polícia para ser da política. É uma pena que o eleitor não possa condenar nas urnas os responsáveis pelo problema da segurança.

   O problema da segurança não só em Mato Grosso, mas no Brasil inteiro é que não dá para enquadrá-la seguramente como afeta ao governo federal ou estadual. O eleitor não sabe quem é o culpado para que ele o fuzile com seu voto. Uma perna dela pertence aos governos estaduais. A outra ao federal, como tomar conta de fronteiras, armas e drogas.

   Quando quiseram demonizar o Anthony Garotinho no Rio, ele imediatamente devolveu a culpa ao governo federal pelas armas e drogas que seu estado recebia. Conseguiu eleger ainda sua esposa. Acho que o maior problema da segurança no país é não saber quem é o verdadeiro responsável por ela.

   Sempre volto a uma velha cantilena. Nos EUA a polícia é vinculada aos prefeitos. A questão da segurança o elege ou o derrota. O país praticamente já resolveu os problemas básicos da população. Dois assuntos dominam uma candidatura a prefeito: mais empregos e segurança.

   Nova Orleans perdia somente para Washington em números de mortes por ano. A coisa estava feia para os prefeitos. Um dia mataram um turista na zona mais turística e segura da cidade. Foi um deus-nos-acuda. O prefeito da época viu que perderia a próxima eleição. Contratou um comandante da polícia de fora.

   A primeira medida dele foi fazer voltar o orçamento para a Câmara municipal para uma mexida no dinheiro para a segurança. Foi um debate duro, mas saiu com mais recursos. Um ato político claro. A criminalidade diminuiu. O prefeito se reelegeu. O mais interessante é que o comandante da polícia foi mais tarde candidato a prefeito por causa de sua atuação na área. Tudo política.

    No Brasil, já que não dá para o eleitor fuzilar nas urnas o mau gestor na área de segurança, a política poderia ser usada em outra direção. Dói perceber, por exemplo, que nunca houve um comando político que colocasse órgãos diferentes para trabalharem em conjunto. Só agora, de forma tímida, se inicia a união de esforços no Sudeste do país. Foi um ato político que levou àquilo.

   Será que um trabalho conjunto e coordenado politicamente, com mais recursos, não consegue enfrentar o crime? Se não conseguir seria a falência de uma sociedade organizada.

    Como exemplo desse desentrosamento a TV mostrou outro dia uma entrevista com um entendido em segurança. Dizia que a Polícia Federal, que poderia coordenar o serviço de inteligência sobre a segurança em geral, não tem ajudado no combate à violência nos grandes centros urbanos.

    Que ela resolveu destinar tempo e recurso no combate à corrupção administrativa. Dizia que este trabalho é importante, mas que a Federal não mostra muita vontade de se meter no outro. É que não dá ibope, não atrai a mídia. Só a política poderia direcioná-la para esse trabalho.

    Volto ao Brito. Se ele conseguir se entrosar com os seus comandados e, como tem ligação maior com o governador, poderia, quem sabe, melhorar o aparelhamento técnico e humano para essa área. Além disso, pode servir de intermediário junto à sociedade. A maioria dos secretários desse setor não gosta de se expor perante a opinião pública. Ganhar a opinião pública é uma atuação política.

    O economista José Serra é considerado um dos melhores ministros da Saúde que o país teve. Com forte ligação pessoal com FHC, e como a pasta lhe foi destinada para ajudá-lo em sua futura candidatura à presidência, conseguiu fazer na área muito mais que qualquer outro. Sua atuação foi mais política.

    Alfredo da Mota Menezes escreve em A Gazeta às terças, quintas e aos domingos (pox@terra.com.br)

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

DEM-Cuiabá projeta até 4 vereadores

beto 400 curtinha   O presinte da Provisória do DEM da Capital e secretário estadual de Governo, Alberto Machado, o Beto 2 a 1 (foto), está animado com as chapas do partido construídas para o embate eleitoral. Já conta com 38 pré-candidatos a vereador e avalia que todos são competitivos. Uma das...

Chapa de Pivetta faltando um nome

adilton sachetti curtinha 400   O empresário Otaviano Pivetta continua avaliando um nome para composição de sua chapa ao Senado na suplementar de 26 de abril para a vaga da cassada Selma Arruda. A primeira-suplência deve ficar mesmo com o ex-prefeito rondonopolitano e ex-deputado federal Adilton Sachetti (foto), do PRB....

Senado, disputa interna e PT rachado

verinha_curtinha   O PT, que recebe hoje as inscrições de pré-candidatos ao Senado, deve ter apenas um nome na disputa interna, o do deputado e presidente estadual da sigla Valdir Barranco. A ex-vereadora Enelinda, com dificuldade, corre contra o tempo para se viabilizar. Enquanto isso, membros de outras correntes menos...

Falta na votação da emenda impositiva

jose medeiros 400 curtinha   O deputado José Medeiros (foto), vice-líder do Governo Bolsonaro na Câmara e pré-candidato a senador na suplementar de 26 de abril, explica que não procede a informação de que teria votado favorável à PEC 34/19, que assegura o orçamento impositivo de...

Feliz da vida na base e com emendas

wilson santos 400 curtinha   Wilson Santos (foto) já chegou com moral no Governo Mauro Mendes. Depois de um ano fazendo oposição ao Palácio Paiaguás, o deputado tucano se tornou governista de carteirinha. E começa a colher os dividendos. Uma de suas emendas de R$ 300 mil para ajudar na...

Voto a favor e agora contra Congresso

O pitbull do governo Bolsonaro, deputado federal José Medeiros (foto), está pegando carona num protesto, marcado para 15 de março, onde não deveria porque os seus atos não correspondem ao discurso, ao menos segundo sustentam seus adversários políticos. Contam que Medeiros foi um dos parlamentares que aprovaram o orçamento impositivo de R$ 30 bilhões, vetado pelo presidente. Eis que agora, ele próprio, defende a...

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

Na sua opinião, como está indo o Governo Bolsonaro...

excelente

bom

razoável

ruim

péssimo

não sei

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.