Últimas

Quarta-Feira, 03 de Janeiro de 2007, 07h:47 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:15

Artigo

Fenomenologia do lulismo

      O professor Ricardo Luiz Coltro Antunes, titular de sociologia do trabalho do Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Unicamp, destaca, em artigo na Folha de S. Paulo desta quarta (3), que "o sentido progressista do lulismo, presente em sua história, exauriu-se em seu passado; o traço conservador se avomula no presente".

    Clique aqui ou leia abaixo a reprodução do artigo reproduzido da Folha intitulado 'Fenomenologia do lulismo'.

     UM DOS MAIS argutos analistas da política do século 20, o italiano Antonio Gramsci, tecendo considerações sobre o cesarismo/bonapartismo, que considerava sinônimos, disse certa feita que esse fenômeno político, no qual aflora com destaque a figura do "chefe carismático", poderia assumir uma forma progressista ou reacionária: a impulsão fundamental dada pelas forças sociais de sustentação conferia um sentido de progresso ou de reação. César e Napoleão I seriam exemplos progressistas, e Napoleão III e Bismarck estariam atados ao universo reacionário. Este fenômeno esparramou-se pelo mundo afora, chegando aos trópicos. Perón, na Argentina, e Vargas, no Brasil, foram emblemáticos. Antes tivemos o curto ensaio do florianismo militar durante a "República da Espada".
Poderíamos lembrar também, no espectro mais à direita, do janismo, externando um moralismo presente em setores da direita brasileira e do ademarismo, mais ancorado em setores do lumpesinato que também vislumbravam nas dádivas do Estado a alternativa para a sobrevivência.
      João Goulart e Leonel Brizola marcaram forte presença: o janguismo e o brizolismo foram herdeiros "de esquerda" do getulismo, cimentados pelo ideário nacionalista, o primeiro mais moderado, e o segundo mais acentuadamente reformista. Collor foi um espasmo, uma espécie de janismo que floresceu nos grotões.
      Quebrou-se logo e ensaia um retorno localizado, depois de longa invernada. E qual, então, o significado maior do lulismo, fenômeno relativamente recente?
Se uma resposta mais conclusiva ainda é difícil, é possível ensaiar alguns caminhos. Poder-se-ia dizer, retomando a formulação gramsciana com a qual iniciamos esse artigo, que o lulismo mescla elementos progressistas e conservadores (e não reacionários). O seu sentido progressista, presente em sua história, entretanto, exauriu-se em seu passado. O traço conservador se avoluma no presente.
      Sua máxima de que, quando se chega aos sessenta anos na "esquerda é porque tem problemas", é expressão fenomênica do seu conservantismo dominante.
     Se nos anos 1970/80 a autêntica espontaneidade de Lula o consolidou como o mais importante líder operário, neste novo milênio sua espontaneidade, esvaziada de sua origem, é preenchida pela contingência e pela vacuidade. Além de messiânico, capaz de "falar direto com Deus", tornando prescindível o partido que ajudou a criar, o lulismo é expressão de um pragmatismo que se molda às circunstâncias, que se atola no mesmismo e estanca no colaboracionismo.

     Não é por acaso que o único traço que Lula tem feito questão de repetir, em relação ao seu passado, é que era um conciliador, esquecendo-se que sua vitalidade floresceu por sua prática de confrontação.
     Alguém poderia dizer que a atual política de alianças de Lula também fora exercitada por outros políticos com carismáticos, como Leonel Brizola. Vale lembrar, como o líder dos pampas gostava de dizer, que poderia se aliar com qualquer um "porque tinha luz própria". Já a lanterna de Lula é de baixa amplitude; contenta-se com uma profusão de momentos "catárticos" em que viceja o estancamento e aumenta o regozijo dos áulicos. Seu governo de coalizão, abarcando um leque que vai de setores da esquerda a vários espectros da direita (malufiana e delfiniana inclusive, dois símbolos de monta), caminha celeremente para a colisão.
     Com dotes de ventríloquo, nas poucas vezes em que recebe os movimentos sociais, fala nos pobres. Em plenário requintado, lasca neodarwinismo político para deleite da malta.
     Freqüentemente resvala para o pícaro. Se não bastasse sua recusa "madura" à esquerda, sua conhecida aversão ao trabalho intelectual, em breve poderá reeditar uma frase do ex-governador de São Paulo, Paulo Egídio, que gostava de se definir como "radical de centro". 
     O apoliticismo sindical de Lula, também presente em sua origem, gerou, enfim, o lulismo, um pragmatismo desprovido do mais remoto radicalismo. O que parece ser um elemento central quando se procura compreender um pouco de fenomenologia do lulismo.


 

RICARDO LUIZ COLTRO ANTUNES, 53, é professor titular de sociologia do trabalho do Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Unicamp (Universidade de Campinas). É autor, entre outras obras, de "Riqueza e Miséria do Trabalho no Brasil" (Boitempo)

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

Pátio, "chororô" e chance de reeleição

ze do patio 400 curtinha   Em Rondonópolis, o prefeito Zé do Pátio (foto), com seu estilo populista, adotou a estratégia de se passar por vítima dos grupos políticos. Leva sempre a mensagem para as massas de que é um prefeito rejeitado pela elite política pelo simples fato de estar apoiando os...

Taques nem aí para colegas tucanos

pedro taques 400 curtinha   Caiu a ficha, enfim, da cúpula do PSDB em MT sobre o jogo de cena de Pedro Taques (foto). Os tucanos esperaram até ontem para ver se o ex-governador iria ao partido se pronunciar sobre eventual pretensão em disputar o Senado. Taques deu de ombros para os colegas de partido, que lançaram hoje,...

Campos e tese sobre vice de Emanuel

joacelestino_curtinha_400   Depois de uma reunião na segunda passada, na casa do prefeito Emanuel, com pré-candidatos ao Senado, entre eles, Leitão, Neri, Max, Júlio e Jayme, ficaram conversando de forma reservada o prefeito de Cuiabá e os irmãos Campos. Ali, finalizaram um acordo de cavalheiros para que o...

Recuo do DEM e agora no Republicano

gabriel guilherme 400 curtinha   O DEM terá de excluir da lista de pré-candidatos a vereador pela Capital o nome do jovem Gabriel Guilherme (foto), de 22 anos. Ele optou por se filiar ao Republicano. Lotado na Assembleia como assistente da Secretaria de Orçamento e Finanças e filho do ortopedista Paulo Fonseca...

Galvan vai deixar PDT e ir pra o PRTB

antonio galvan 400 curtinha   Embora não tenha perdido de vistas o Aliança pelo Brasil, partido que está sendo criado por Bolsonaro, Antonio Galvan (foto), presidente da Aprosoja e que acabou levado à frigideira dentro do PDT em meio ao embate por tentativa de candidatura ao Senado, se mostra disposto a ingressar no...

"Pátio igual gato, comendo e miando"

jose medeiros 400 curtinha   O deputado José Medeiros (Podemos), vice-líder do Governo Bolsonaro na Câmara, disse que o prefeito Zé do Pátio, de Rondonópolis, está parecendo gato, comendo e miando, pois recebe recursos federais, inclusive de programas habitacionais e, mesmo assim, ainda alardeia nos...

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

Na sua opinião, como está indo o Governo Bolsonaro...

excelente

bom

razoável

ruim

péssimo

não sei

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.