Últimas

Terça-Feira, 05 de Junho de 2007, 11h:25 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:15

Artigo

Fundos de pensão e desenvolvimento

      Um dos grandes gargalos do crescimento sustentado da economia brasileira foi sempre a reduzida participação de capitais privados no financiamento do desenvolvimento econômico do país. Em todos os grandes ciclos históricos de crescimento do Brasil a participação do financiamento público foi preponderante. Desde o ciclo de ouro do Plano de Metas de Juscelino Kubitschek, passando pelo milagre econômico dos militares (19671974), durante a chamada década perdida (19801990 ) até o momento atual, os modelos de desenvolvimento foram basicamente financiados com capital público. Desenvolveu-se culturalmente no Brasil uma relação de dependência muito forte do poder público com a sociedade delegando praticamente todas as atividades essenciais para o desenvolvimento da nação ao estado, desde a produção de aço, veículos, computadores, fornecimento de água potável, saneamento básico, energia elétrica, transporte de cargas e passageiros. Deu no que deu. Um estado-provedor mastodôntico com uma sede tributária pantagruélica que não consegue fornecer à sociedade a qualidade de serviços proporcional ao tamanho da contribuição que a nação lhe repassa sob a forma de tributos.
     Uma decisão anunciada esta semana pelo Conselho Monetário Nacional (CMN), colegiado composto pelos ministros da Fazenda, Planejamento e presidente do Banco Central, pode alterar consideravelmente a matriz de financiamento do crescimento econômico no Brasil. O CMN decidiu permitir que os fundos de pensão nacionais direcionem uma parcela maior de seus recursos para as aplicações em títulos privados e fundos multimercados. Antes, os fundos de pensão tinham restrições legais para aplicar dinheiro do seu patrimônio em fundos multimercados, fundos de direito creditório (fundos de investimentos lastreados na carteira de empréstimos que os bancos fazem a seus clientes) e investimentos de renda variável (como ações). Eram obrigados a direcionar a maior fatia dos seus recursos em títulos da dívida pública, que apresentam menor risco de calote mas rendem muito menos que os títulos privados. A medida também beneficia os fundos de pensão. Com a queda da taxa de juros e inflação controlada, a aplicação em fundos de renda fixa apresentam cada vez rentabilidade menor, o que poderia comprometer no longo prazo o patrimônio dos fundos. Com o mercado de capitais efervescente no Brasil e no mundo, abre-se a possibilidade dos fundos realinharem seus níveis de rentabilidade sem comprometer o pagamentos dos benefícios dos seus aposentados. Os fundos de pensão brasileiros estão bem capitalizados e já administram quase quinhentos bilhões de reais. Somente o maior deles, o Previ, dos funcionários do Banco do Brasil, comemorou recentemente ter atingido o marco histórico de mais de 106 bilhões de reais de patrimônio.
     A decisão não é nenhuma panacéia para todos as deficiências infra-estruturais que inibem o crescimento econômico do Brasil. Provavelmente também não vai gerar resultados no curtíssimo prazo. Mas certamente terá o efeito de irrigar o mercado de capitais brasileiro, com os fundos de pensão disponibilizando maior volume de recursos para as empresas implantarem seus projetos de expansão, investirem mais em tecnologia, inovação, pesquisa, logística, melhorando a competitividade internacional das empresas brasileiras e, por conseguinte, gerando mais empregos no país.
     Resultante do crescimento acelerado da economia mundial com estabilidade monetária, dos sólidos fundamentos da economia brasileira, proximidade do Brasil obter o grau de investimento, a maior participação dos fundos de pensão no financiamento do desenvolvimento pode garantir maior durabilidade e sustentação a um possível ciclo de prosperidade que se avizinha.

 Vivaldo Lopes é economista, especialista em administração financeira pela FIA/USP, consultor da Fundação Getúlio Vargas ( vivaldo@uol.com.br )

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

MM e deputados derrotados do MDB

carlos bezerra 400 curtinha   Por coincidência, deputados do MDB que tiveram seus candidatos derrotados nas urnas estão de afagos com o governador Mauro. E até convidaram-no para deixar o DEM e migrar para o MDB, numa articulação do cacicão do partido, o federal Carlos Bezerra (foto), que puxou a corda da...

Os Maia fincam força no Legislativo

silvio maia 400   O ex-prefeito por quatro vezes de Alto Araguaia, Maia Neto, perdeu nas urnas na majoritária, mas ganhou na proporcional. De um lado, a irmã Martha Maia, seu braço-direito durante todos os mandatos, foi derrotada à prefeita por Gustavo Melo, que se reelegeu. Por outro, Maia Neto viu dois dos seus...

Reeleito, Gustavo derruba o clã Maia

gustavo melo 400   O jovem prefeito de Alto Araguaia, Gustavo de Melo (foto), de 36 anos, manteve mesmo o "apertado" favoritismo, conforme mostrou na reta final a pesquisa do instituto Analisando, e derrotou o clã Maia. Venceu por 962 votos de diferença. Filiado ao PSB, Gustavo chegou a 4.805, enquanto Martha Maia (PP) registrou 3.840...

Nivelando para cima o debate em VG

emanuelzinho 400   Em discurso na Câmara Federal, Emanuelzinho (foto), 3º colocado a prefeito de Várzea Grande, disse ter ajudado a nivelar, por cima, o debate eleitoral, com grandeza e altivez e se mostra entusiasmado. Destaca que "política se faz com seriedade, transparência e com o coração sintonizado...

Mais jovem prefeito sucede familiares

Rog�rio Meira_400 jangada   O mais jovem entre os prefeitos eleitos e/ou reeleitos de MT, Rogério Meira (foto), tem um histórico de vida pública, mesmo tendo apenas 24 anos. Atualmente, ele exerce mandato de vereador por Jangada e foi eleito prefeito da cidade ao obter 1.699 votos, 9 a mais que o...

Base forte de EP para Mesa Diretora

juca do guaran� curtinha 400   A base do prefeito Emanuel Pinheiro para o segundo mandato, embora com quatro virtuais candidatos à presidência da Mesa Diretora, está construindo o discurso de que não pode rachar sob o risco de entregar o comando do Legislativo para a oposição....