Últimas

Segunda-Feira, 23 de Março de 2009, 17h:53 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:22

EXPLICAÇÕES

Gerente da CEF nega desrespeito a empresários e prefeitos

   O gerente de Desenvolvimento Urbano da Caixa Econômica Federal (CEF) em Mato Grosso, Manuel Tereza Pereira dos Santos, admite a falta de funcionários no setor de aprovação de projetos e liberação dos pagamentos, mas nega que servidores da instituição tratem empresários e gestores públicos com arrogância e falta de respeito - saiba mais aqui. "Realmente há muitos processos para poucos funcionários. Há cerca de dois anos, por exemplo, eram apenas 500 contratos e hoje temos que avaliar mais de mil. Esse aumento, de mais de 100%, não foi acompanhado de aumento no número de funcionários", reconhece. Segundo ele, as críticas ao setor começaram devido ao atraso na liberação de dinheiro para uma empresa. "Mas os problemas do projeto foram corrigidos e os recursos acabaram liberados", aponta.

   A CEF é a instituição que atua como agente de repasse e de fiscalização dos ministérios junto aos governos estadual e municipal. Empreiteiras que executam projetos de obras públicas, assim como prefeitos, secretários e parlamentares, reclamam do atraso na liberação das verbas. Na avaliação do gerente, um dos principais fatores que "emperra" o andamento dos processos e a consequente execução das obras públicas em Mato Grosso, é a troca das equipes técnicas pelas prefeituras municipais. "Toda vez em que há troca de gestor, a aprovação dos projetos acaba demorando mais porque muitos desconhecem os procedimentos de cada ministério", aponta.

Manuel Tereza admite falta
de funcionários na Caixa
Econômica Federal

   Quanto à reclamação de que a gerente de serviços responsável pela liberação das verbas, Glória Maria dos Santos, não atende a telefonemas e nem concede audiências, Manuel Tereza diz que as críticas não têm procedência. "Posso asseverar que não tem fundamento", contesta. Segundo empreiteiros e gestores públicos, Glória não atende aos telefonemas e, de quebra, ainda faz Yoga das 14h às 15h. Ela chegou a ser procurada pelo RDNews, na última sexta (20), para falar sobre o assunto, mas não estava na Superintendência da CEF em MT. Nesta segunda (23), o site-blog tentou novamente entrar em contato com a gerente, que não pôde atender ao telefone porque estava em uma reunião. "A Glória, como todos os demais servidores, participa de um projeto de ginástica laboral da CEF, mas nunca deixou o expediente para praticar Yoga", garante Manuel Tereza.

Gerente "alivia" funcionária
que supostamente deixa
expediente para praticar Yoga

   Outro servidor alvo de críticas é o fiscal da região de Cáceres, Paulo Moura. Ele também teria agido de maneira desrespeitosa e arrogante com empresários e prefeitos da região. Na avaliação do gerente Manuel Tereza, Paulo é um dos melhores fiscais da Superintendência e produz relatórios rigorosos. "Acabamos perdendo algumas obras na região por falta de qualidade nos projetos apresentados. O Paulo é um excelente profissional, tanto é que as pessoas que fizeram as reclamações contra ele nunca levam os processos adiante", atesta. O gerente demonstrou preocupação, contudo, com a denúncia de empresários de que três engenheiros da CEF fariam projetos "por fora", sendo esta uma das condições para a liberação das obras. Ele enfatiza que não possui funcionários com os nomes citados. "Estas pessoas devem estar falando indevidamente em nome da Caixa, já que não tenho funcionário algum com os nomes citados. Isso é realmente preocupante", avalia.

    Em Brasília

   Procurado pelo RDNews, o superintendente nacional de Repasses da CEF, Ivan das Neves, que atua em Brasília, disse que não tem conhecimento das críticas e denúncias feitas por empresários e gestores públicos em relação à aprovação de projetos e liberação de verbas. Ele pediu cópia das reclamações e encaminhou-as, em forma de questionamento, à superintendência da CEF em Mato Grosso. "Vou apurar o que há de verídico nisso junto aos nossos funcionários em Mato Grosso", ponderou Ivan das Neves. (Andréa Haddad)

Postar um novo comentário

Comentários (24)

  • LC | Quarta-Feira, 31 de Dezembro de 1969, 20h00
    0
    0

    E AÍ CHEFIA, MANDOU VER - PARABÉNS

  • marcelo | Quarta-Feira, 31 de Dezembro de 1969, 20h00
    0
    0

    Esse manoel tereza é um corporatista ele é conivente e leniente com todos esses citados pela matéria anterior sobre a cef.

  • ana maria | Quarta-Feira, 31 de Dezembro de 1969, 20h00
    0
    0

    Ele admite que falta funcionários, que a cef para e pratica yoga que o fiscal não sabe falar com jeito mas o atrazo é em função das mudanças dos técnicos das prefeituras , Gerente ! quer enganar quem? o problema são esses que o senhor reconheceu...humildade e respeito são principios basicos da vida.

  • Rafael Vitaliano Ferreira Coelho | Quarta-Feira, 31 de Dezembro de 1969, 20h00
    0
    0

    Quiserá eu que todo órgão público tivesse funcionários como Sr. Manoel Tereza, essas pessoas que comentaram acima com toda certeza não conheçem e nem trabalharam com ele. Infelizmente alguns empresários de grosso calibre que adoram dar o famoso jeitinho não gostam da maneira como é feita do jeito certo.
    A caixa tem um dos melhores quadros de funcionários e o Dr. Manoel assim quanto a Gloria e o Paulo são funcionários de alta qualidade e não devem se chatear com as lamurias desses pseudo-empresários ratos de licitação.

  • Airton Cruz | Quarta-Feira, 31 de Dezembro de 1969, 20h00
    0
    0

    isso deve ser verdade mesmo, porque eu ouvi um Secretário de Estado de MT dizendo que tentou durante 1 mês uma audiência com ele e nem por telefone ele atendeu ao Secretário. É um prepotente, se achando todo com um carguinho desse.

  • paulo marcio | Quarta-Feira, 31 de Dezembro de 1969, 20h00
    0
    0

    A Gidur na mão dessa gente está destruindo com a história da Cef, vamos reelembrar o episódio do mensalão que começou com funcionário do Correios do Brasil recebendo 3.000,00 de propina, todos nós sabemos o que aconteceu depois daquele video. Lembro-me que pessoas queriam falar que os Correios tinha mas de 100 anos portanto, era uma empresa idonêa. E muitos mau intecionadas agem assim tento esconder atrás da história da Instituição a que serve, mas lá dentro faz todo tipo de rapinagem com os poderes que a ele é delegado. A CEF esta me parecendo que chegou a este ponto, Funcionários a decadas ocupando cargo chaves isso não é salutar nem recomendavel para nehuma Instituição séria. Não vi o gerente falar quando que vai aumentar o numeros de funcionários, orientar seus subordinados e fiscais a tratar melhor seus clientes e afastar os funcionários que estejam praticando irregularidades lá dentro. ele tenta dizer que esta tudo bem e ainda diz que eles todos param para fazer um tipo de ginastica coletiva emperrando ainda mas o andamento das obras.Ora, Sr.Manoel Tereza as mazelas que estão acontecendo ai debaixo do seu nariz é de conhecimento de todos e o senhor não é inocente nessa história que envergonha a CEF. O que senhor vai fazer com Mauricio e seus engenheiros??? E a Glória ?será que esta todo mundo errado? A Batata da Gidur tá no forno...

  • carlos arthur | Quarta-Feira, 31 de Dezembro de 1969, 20h00
    0
    0

    O fiscal Paulo Moura abusa dos poderes que lhe é conferido pela caixa ,certa vez esse funcionario da cef para testar a qualidade de uma calçada pegou um caminhão caçamba encheu de areia e agua e mandou que o motorista subisse com o caminhão na calçada , resultado a calçada quebrou e ele mandou a empresa refazer a calçada. Isso é uma estupidez , primeiro que calçada não foi feito para caminhão andar e segundo que mostra a perversidade e a falta de compromisso com o resultado da obra e o alcance social que ela vai ter. Romilson, pede para a caixa fornecer o andamento de todos projetos que esse fiscal acompanhou que vc vai constatar que não esse profissonal que o Manoel tereza diz ser, o gerente da Gidur esta fazendo encobrir os seus iguais.

  • Cuiabano | Quarta-Feira, 31 de Dezembro de 1969, 20h00
    0
    0

    Essa Gloria é a arrogancia em pessoa

  • Wilson | Quarta-Feira, 31 de Dezembro de 1969, 20h00
    0
    0

    Não podemos generalizar que todos os funcionarios de uma instituição seria como a Caixa, são maus funcionarios ou estão desrespeitando as pessoas ou até mesmo fazendo algo contra lei. Mas que existe alguns maus funcionarios existe, como em toda instituição e que na classe das empreiteiras a humildade em vários casos não existe nem um pouco, tem alguns patrões de empreiteiras que ficam mamando nas tetas dos governos parecem ter o rei na barriga, achando que é a ultima bolachinha do pacote... Melhor que todos, com a maior arrogancia do mundo, então não vamos generalizar e tudo de que ser apurado de forma transparente.
    E a falta de funcionarios é uma briga antiga, pq vcs que votaram no Lula não pergunta porque não cumpre a promessa de aumentar em mais de 5000 o numero de funcionarios na Caixa! A luta dos bancarios é todos ano.... Depois pergunta pq se fez greve! Tá aí uma das várias explicações!!!

  • ENGº CHRISTIAN CUYABANO | Quarta-Feira, 31 de Dezembro de 1969, 20h00
    0
    0

    A CONCEPÇÃO DO ACOMPANHAMENTO TÉCNICO EXTERNO

    O início de obras públicas não depende apenas de vontade política, ninguém está acima dos normativos (ex. O PAC do LULA, lançado em 2.006 começou a ser executado no Brasil inteiro em 2008).

    Na verdade é necessário a elaboração dos projetos executivos de engenharia e a aprovação técnica destes e o cumprimento de uma série de formalidades legais.

    Os projetos devem ser dimensionados de acordo com os ensaios técnicos pertinentes às obras. As quantidades devem ser compatíveis com os detalhamentos e os custos devem ser bem fundamentados. Há necessidade de compatibilidade com as leis orçamentárias, de concessão de licença ambiental, de escrituração de áreas, entre outros documentos de praxe.

    Sempre há a análise técnica externa do órgão gestor dos recursos, geralmente em três níveis: o engenheiro avaliador, o engenheiro padrinho do contrato de repasse e o engenheiro supervisor. Estes e ainda o autor do projeto são solidários na responsabilidade pelo convênio, são sujeitos a fiscalização da engenharia da CGU. E como tem que ser, todos são minuciosos e rigorosos na análise de todos os documentos exigidos pelos normativos.

    Em outras palavras projetos elaborados por leigos ou mal intencionados não prosperam, o meio político e/ou empresarial podem acelerar uma análise técnica, mas, não resolve se o projeto tiver incompleto ou forem apontadas pendências . O que é determinante para a agilização da aprovação é a qualidade do projeto apresentado.

    Após a aprovação, o Convenente (Município ou Governo do Estado) é autorizado a iniciar as obras e os repasses federais começam a ser liberados e ficam bloqueados na conta convênio.

    Todos os pagamentos dos serviços executados é condicionado a vistoria prévia, aceitação e desbloqueio do valor autorizado. O pagamento após a comprovação do depósito da contrapartida proporcional, da aprovação da prestação de contas parcial anterior e aos trâmites internos desde a solicitação da visita, seja dentro do órgão gestor, do governo estadual e/ou do município.


    Parece muita burocracia, mas tá certo, ninguém está acima dos normativos, ninguém está acima da lei, afinal de contas, ENGENHARIA É COISA SÉRIA, RECURSO PÚBLICO É COISA MAIS SÉRIA AINDA.


    Engº Christian Cuyabano

Beco do Candeeiro só abrirá em abril

Carlina 400   A secretária municipal de Cultura, Esporte e Lazer, Carlina Jacob (foto), em visita ao Grupo Rdnews, revelou que a revitalização do Beco do  Candeeiro, que foi concluída em janeiro, será entregue à população em abril, nas comemorações dos 302 anos de...

Águas, expansão e investimentos

william figueiredo 400 aguas cuiaba curtinha   O diretor-geral da Águas Cuiabá, executivo William Figuereido (foto), disse, em visita à sede do Rdnews, quando aproveitou para conceder entrevista à tv web Rdtv, que a concessionária já distribui água para toda Cuiabá e que, em quase quatro anos...

Creci combate empresas irregulares

benedito odario 400 curtinha   O presidente do Conselho Regional de Corretores de Imóveis do Estado, Benedito Odário (foto), aproveitou a operação desenvolvida na quinta, com apoio da Polícia Civil e da Decon, para enfatizar que não dará trégua àquelas empresas que, irregularmente,...

Cuiabá paga fevereiro aos servidores

emanuel pinheiro 400   A Prefeitura de Cuiabá quitou nesta sexta (26), último dia útil do mês, a folha de fevereiro. Desde quando assumiu o Palácio Alencastro, em janeiro de 2017, o prefeito Emanuel Pinheiro (foto) tem conseguido pagar o funcionalismo dentro do mês trabalhado. Aliás, essa prioridade,...

3 deputados sob certa cordialidade

janaina riva 400 curtinha   Max Russi, Eduardo Botelho e Janaina Riva (foto), que mandam na Assembleia, demonstram entre eles um certo clima de cordialidade, mas chegaram a entrar em queda-de-braço até fechar um novo acordo político sobre a Mesa Diretora. Com a decisão do Supremo de veto a Botelho no comando do...

Expediente na AL só a partir do dia 8

max russi 400   Por causa do aumento da taxa de incidência de Covid-19 entre servidores e parlamentares, as atividades presenciais da Assembleia foram suspensas na quinta (25). O expediente só retoma em 8 de março. Neste período, estão sendo mantidas somente as atividades estritamente essenciais para o...