Últimas

Quinta-Feira, 26 de Abril de 2007, 11h:48 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:15

MEIO AMBIENTE

Governador Maggi se intitula "diabo da floresta"

  O governador Blairo Maggi é destaque na Folha de S. Paulo desta quinta (26). O jornal considera inusitado o fato do maior produtor individual de soja do mundo afirmar que mudou seu ponto de vista sobre a questão ambiental após o último relatório do Painel Intergovernamental sobre Mudança Climática.

  "Enquanto apenas as ONGs bombardeavam a gente, claro que se criava um conflito. A partir do momento em que você vê esses estudos com cientistas, o IPCC, não posso botar a cabeça dentro de um buraco. Eu mudei, eles (as ONGs) também mudaram e acho que o mundo mudou. E quem não mudou por favor mude, porque alguma coisa precisa ser feita", disse o governador mato-grossense à Folha.

  Clique aqui (para assinante Folha) ou confira a matéria reproduzida abaixo.

Maggi "verde" defende floresta nos EUA

Governador de Mato Grosso diz que mudou por causa dos cientistas do IPCC; para ele, não é preciso "abrir" novas áreas

Sojicultor defende que produtores ganhem por manter a Amazônia em pé; ambientalistas querem ver novo discurso virar prática

EDUARDO GERAQUE
DA REPORTAGEM LOCAL

É inusitado, mas até o governador de Mato Grosso, o mega-sojicultor Blairo Borges Maggi (Partido Republicano), diz ter mudado seu ponto de vista sobre a questão ambiental após o último relatório do IPCC (Painel Intergovernamental sobre Mudança Climática).
"Enquanto apenas as ONGs bombardeavam a gente, claro que se criava um conflito. A partir do momento em que você vê esses estudos com cientistas, o IPCC, não posso botar a cabeça dentro de um buraco. Eu mudei, eles [as ONGs] também mudaram e acho que o mundo mudou. E quem não mudou por favor mude, porque alguma coisa precisa ser feita".
O novo discurso do "diabo da floresta", como ele mesmo se chamou em tom irônico em entrevista à Folha, será apresentando amanhã em Nova York, em evento de uma ONG que procura estreitar as relações entre brasileiros e a ONU.
"Vou levar para a reunião o início de uma proposta para que se crie um mecanismo de compensação financeira para proprietários de terra que abrirem mão do seu direito de desmatar", explica Maggi.
A idéia do governador é que os grandes proprietários rurais possam receber dinheiro por deixarem a floresta em pé. "Isso, além do que já é previsto em lei", disse, referindo-se à reserva legal de 80% da área de propriedades rurais na Amazônia.
Em outra mudança no discurso que adotava até pouco tempo atrás, quando o agora governista andava de mãos dadas com os grandes desmatadores do Estado, Maggi afirmou ser contra a alteração do Código Florestal exigida pelo setor, que permitiria derrubar mais do que os 20%.
Em compensação, não deixou de cobrar algumas mudanças na Medida Provisória 2.166, que estabelece o limite, classificada por ele como "draconiana". Para Maggi, muitas propriedades antigas, de mais de 20 ou 30 anos, entraram na ilegalidade de um dia para outro.
A mudança no discurso de Maggi engloba até um freio na necessidade de ampliar terras para agricultura e pecuária. "Hoje, a saída é a verticalização da produção. No caso da pecuária, para que novas terras não sejam abertas, deve ser usado o confinamento, por exemplo, que é algo moderno."

Piscicultura
Na cartilha do governador, o termo desenvolvimento sustentável é muito mais centrado na primeira palavra ainda do que na segunda. "Não tem jeito, as pessoas querem produzir mais. Elas querem crescer com suas atividades. Mas a simples abertura de áreas acho que não é mais necessária."
O mesmo raciocínio foi usado para defender o presidente Lula, que disse que os "bagres" é que estão atrapalhando o desenvolvimento do Brasil.
"O presidente tem razão. O que falta talvez nas pessoas é um pouco de boa vontade e entender que aquilo [a hidrelétrica] é uma necessidade para a nação. E os bagres? O Brasil tem tecnologia para cultivar aquilo em cativeiro. Ninguém está preocupado com o bagre de verdade. Ele é usado apenas para acabar colocando areia no negócio", afirmou.
Apesar de ser bem-vindo, o novo discurso verde de Maggi ainda precisa ser demonstrado na prática, segundo o ambientalista Sérgio Guimarães, do IVC (Instituto Centro de Vida), ONG sediada em Cuiabá.
"O movimento que nós estamos vendo [o de Maggi] é interessante. Mas claro que ainda precisamos ver ações mais concretas em termos de gestão ambiental para realmente acreditarmos no discurso dele", explicou Guimarães.
Na semana passada, Maggi, chamou várias ONGs para conversar e ver em quais projetos já desenvolvidos por elas o Estado poderia ajudar ou vice-versa. Usinas de álcool e soja, por exemplo, serão fiscalizadas pelos ambientalistas, sob a meta de que nada seja colhido em 2008 em APP (área de preservação permanente).
Os ambientalistas admitem que a gestão ambiental em Mato Grosso melhorou. O SLAPR, sistema pioneiro que permitia fiscalizar o desmatamento por satélite e que foi desmontado no primeiro mandato de Maggi, agora está na internet.
Estudo feito pela ONG Imazon também mostrou avanços. O desmatamento de dezembro de 2006 no Estado foi 78% menor do que o registrado no mesmo mês em 2005. A pesquisa, entretanto, escancarou um dos maiores problemas em Mato Grosso hoje, como o próprio governador admite.
"O desmatamento ilegal [90% do registrado entre novembro e dezembro de 2006] é um desafio". E os maiores vilões, segundo o governador, são os assentados. "Eles respondem por quase 70% do desmatamento", calcula Maggi, que que ainda tem mais uma surpresa. "Depois que acabar o meu mandato quero ir para casa. A política é muito sofrida."

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

Sem alarde, vereador muda de partido

viniciys clovito curtinha   De última hora e sem alarde, o vereador pela Capital Vinicyus Hugueney (foto) resolveu deixar o PP e se filiou ao Solidariedade. Com isso, o PP não se torna o único com a maior bancada. Está com três vereadores, assim como o PV e o PSDB. No SD, Vinicyus vai concorrer internamente com...

Irmão de Thelma na lista dos traidores

ronaldo pimentel 400 curtinha   Na carta aberta assinada por Ricardo Saad, que preside o PSDB cuiabano, ele reclama de dívidas milionárias herdadas de antecessores, inclusive dos R$ 4 milhões de pendências somente do pleito de 2016, e menciona, entre outras coisas, que "(...) há correligionários, que estavam...

A bronca de Saad com Wilson Santos

ricardo saad curtinha 400   O vereador Ricardo Saad (foto), presidente do PSDB da Capital, resolveu disparar a metralhadora verbal contra colegas tucanos. Sobre o ex-prefeito e hoje deputado Wilson Santos, considera que este nada fez para ajudar o partido a se reestruturar, visando as eleições de outubro. Mesmo sendo vice-presidente...

Janela tira muitos políticos do calvário

gilberto figueiredo curtinhas   O fechamento da janela partidária, que encerrou-se no último sábado, dia 4, marcou o fim de um longo calvário aos partidos, que tiveram que suportar em seus quadros políticos que não estavam mais de “alma”, mas somente de “corpo”. Na Câmara...

Só 2 vereadores não vão à reeleição

felipe wellaton curtinha 400   Apenas dois entre os 25 parlamentares cuiabanos não vão buscar a reeleição. O licenciado Gilberto Figueiredo, que trocou o PSB pelo DEM, quer concorrer a prefeito, assim como Felipe Wellaton (foto), que até trocou de partido, saindo do PV e agora no Cidadania. Pretende disputar...

4 fora da reeleição em Rondonópolis

thiago muniz 400 curtinha   Dos 21 vereadores de Rondonópolis, somente quatro não vão à reeleição, sendo eles Thiago Muniz (foto), agora no DEM, Hélio Pichioni (PSD), Jailson do Pesque-Pague e Rodrigo da Zaeli (ambos do PSDB). Eles garantem se tratar de um caminho sem volta. Destes, dois tentam...

MAIS LIDAS

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

Você concorda com a decisão de prefeitos, que começam a decretar estado de emergência, fechando comércio, serviços públicos e o transporte coletivo?

sim

não

sei lá!

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.