Últimas

Sábado, 22 de Setembro de 2007, 11h:09 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:16

CONFRONTO

Governo cogita "sacrificar" indicado ao Dnit

Por trégua com oposição, líderes governistas tentam acordo que retiraria Luiz Antonio Pagot do começo da lista de nomeações; tucanos resistem ao nome

SILVIO NAVARRO
ANDREZA MATAIS
DA SUCURSAL DE BRASÍLIA

Líderes da base governista no Senado articulam um acordo que pode sacrificar a indicação de Luiz Antonio Pagot para a direção do Dnit (Departamento Nacional de Infra-Estrutura de Transportes) em troca de uma trégua da oposição para retomar as votações e aplacar a pressão sob o presidente da Casa, Renan Calheiros.
Reservadamente, Renan deu aval à operação. A avaliação dele é que a disputa para aprovar o nome de Pagot tem se refletido em derrotas para ele. Além disso, como a indicação irrita o PSDB, poderia servir como aceno para a reaproximação.
A pauta da Casa está trancada à espera da votação de medidas provisórias. Quando isso ocorre, somente indicações de autoridades podem ser votadas. O nome de Pagot é o primeiro da fila. O governo tentou votá-lo duas vezes nesta semana, mas não conseguiu colocar 41 senadores no plenário -mínimo necessário para segurar o quórum de votação. Renan insistiu nas votações.
Para que a indicação perca a prioridade basta que um senador proponha a alteração da ordem de votação. Isso, entretanto, abriria caminho para que seu nome fosse rejeitado.
Pagot foi indicado pelo governador de Mato Grosso, Blairo Maggi (PR). Ele é filiado ao PR e foi secretário de Infra-Estrutura do Estado. Sua indicação para o Dnit foi aprovada em sabatina no dia 7 de agosto -por 17 votos a 6- pela Comissão de Infra-Estrutura da Casa.
Braço operacional do Ministério dos Transportes, também cota do PR na Esplanada, o Dnit gerencia orçamento anual de quase R$ 12 bilhões -somados restos a pagar.
O PSDB resiste à indicação de Pagot. Na sabatina, o senador Mário Couto (PSDB-PA) o criticou por ter omitido que trabalhou no Senado entre 1995 e 2002, mas simultaneamente trabalhava em empresa privada. Esse acúmulo de empregos seria ilegal.
Pagot afirma que o Senado sabia que ele tinha dois empregos e atribui a resistência a questões locais, como a rivalidade com o ex-senador Antero Paes de Barros (PSDB-MT).
Diante do impasse, líderes do governo cogitam deixar a indicação de lado. "Se esse for o problema para desobstruir a pauta, não me oponho. A discórdia está sendo o Pagot. Tem outras matérias que a oposição quer votar", disse o líder do PMDB, Valdir Raupp (RO).
"Se houver acordo e possibilidade regimental de suspender a votação em andamento, eu concordo. É uma indicação que há meses enfrenta problemas", afirmou a líder do PT, Ideli Salvatti (SC).
Caso isso ocorra, o governo tentará votar outras indicações, como a de Paulo Lacerda para chefiar a Abin (Agência Brasileira de Inteligência).
Apesar da obstrução, os partidos de oposição aceitam votar algumas indicações e projetos do governo caso consigam dar prioridade na pauta para três itens: o projeto que acaba com sessões secretas em votações de cassação de mandato, a PEC (Proposta de Emenda Constitucional) que determina o voto aberto, e o projeto que afasta da Mesa senadores com processos no Conselho de Ética. Desses três itens, apenas o primeiro deve passar.

"Melhor nome"
O governador de Mato Grosso, Blairo Maggi (PR), afirmou ontem que se Luiz Antonio Pagot ficar fora da presidência do Dnit poderá ser nomeado para qualquer secretaria do governo estadual. "É o melhor nome que temos", afirmou.
Maggi disse que conversou com a ministra Dilma Rousseff (Casa Civil) e o ministro Walfrido dos Mares Guia (Relações Institucionais) no fim da semana passada sobre a demora na nomeação de Pagot, que precisa ser aprovada no Senado. "Eu disse que [se fosse necessário] retiraria o nome [de Pagot para o cargo]", afirmou Maggi.
A resposta dos ministros, segundo o governador, foi: "Nós precisamos dele [Pagot] no governo [Dnit]".
Além de ter sido secretário estadual de Educação e de Infra-Estrutura, Pagot trabalhou de 1993 a 1999 como consultor do grupo André Maggi, que pertence ao governador. De 1995 a 2002, foi diretor-superintendente da Hermasa Navegação da Amazônia, outra empresa de Blairo Maggi.


Colaborou HUDSON CORRÊA, da Agência Folha, em Campo Grande

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

8 candidaturas e Thelma com chances

thelma de oliveira 400 curtinha   Mesmo sem apoio de nenhum outro partido, a não ser do seu PSDB, enfrentando forte desgaste político e rejeição popular e ainda problemas de saúde, se recuperando de tratamento de câncer de mama, a prefeita Thelma de Oliveira (foto) ainda tem chances de...

Niuan de fora da suplência ao Senado

niuan ribeiro 400 curtinha   O deputado federal José Medeiros não conseguiu segurar o vice-prefeito de Cuiabá, Niuan Ribeiro (foto), como primeiro-suplente de sua chapa ao Senado. Há alguns dias, o filho do ex-vice-governador e ex-deputado Osvaldo Sobrinho vinha demonstrando desejo de pular fora, em meio a...

Jayme incomodado com Flávio em VG

jayme campos 400 curtinha   A candidatura a prefeito de Várzea Grande do empresário Flávio Frical (PSB), principal aposta da oposição, passou a incomodar a família Campos, que apoia o ex-vereador Kalil Baracat, concorrente ao Executivo pelo MDB. Em uma noite que seria de festa, em comemoração...

Acordo com Euclides partiu de Allan

allan kardec 400   Otaviano Pivetta, vice-governador licenciado por 30 dias para cuidar de problemas de saúde, disse que nada tem a ver com o tal acordo "costurado" pelo presidente regional do PDT, deputado Allan Kardec (foto), com Euclides Ribeiro, candidato a senador pelo Avante. Explica que só apresentou Euclides para Allan e...

Família Maia tenta retomar o poder

martha maia 400   O ex-prefeito de Alto Araguaia por quatro vezes, Maia Neto, não entrou na disputa de novo ao Executivo, mas lançou a irmã Martha Maia (foto), cuja filha Sylvia Maia é vereadora. Filiada ao PP, Martha entra como principal candidata da oposição ao prefeito Gustavo Melo, que vai à...

Welinton fará grande ato em Barra

welinton marcos 400 curtinha   Welinton Marcos (foto) lança sua candidatura a prefeito de Barra do Garças, na segunda (28), em um grande ato. Mesmo pelo sistema drive-in, devido à necessidade de adotar medidas sanitárias contra a Covid-19, são esperadas na solenidade cerca de mil pessoas, num espaço amplo,...

MAIS LIDAS

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

Você acha que o efeito-Bolsonaro terá impacto no resultado das eleições de novembro em MT?

sim - onda Bolsonaro continua

não - efeito não influencia mais

sei lá!

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.