Últimas

Sexta-Feira, 26 de Janeiro de 2007, 08h:15 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:15

Artigo

Governo, violência e insegurança

     A violência e o estado de insegurança voltam a ser tema central do professor Juary da Silva em artigo desta sexta (26) em A Gazeta. Confira reprodução abaixo.

    Os temas violência e insegurança são recorrentes quando se debate a realidade brasileira pelo menos nos últimos 70 anos. Durante as décadas de 40 e 50, quando o Brasil ainda era um país essencialmente agrário e estava no auge da expansão da fronteira agrícola rumo ao oeste paulista, Estados do Paraná, Mato Grosso e Goiás, a violência era fundamentalmente ligada às questões de posse e uso da terra e das relações de trabalho no campo.

    Durante as décadas de 60, 70 e 80, à medida que a fronteira agrícola ia se movendo em direção ao Centro-Oeste e Amazônia, a violência ia acompanhando o processo de ocupação, incluindo a violência nas áreas de garimpo. Foi, a partir do final da década de 60 e mais especificamente da década de 70 com a mudança do perfil demográfico brasileiro, onde o urbano passou a ter primazia sobre o rural, a consolidação da cidade como dinâmica da vida política, social e econômica brasileira, incluindo o surgimento das áreas metropolitanas, dos aglomerados urbanos que a questão da violência urbana passou a dominar o cenário de insegurança generalizada no país.

    O processo de urbanização no Brasil ocorreu fruto das migrações rurais rumo às cidades e ao mesmo tempo das migrações internas, principalmente do Nordeste para São Paulo, Rio de Janeiro e várias outras cidades ao redor dessas duas cidades e de outras capitais do Centro-Sul.

     A ocupação das áreas periféricas tanto do Rio quanto de São Paulo possibilitaram o surgimento das cidades-dormitórios, um cordão de miséria, pobreza e promiscuidade como modelo de sobrevivência, contribuindo para a formação da chamada "cultura da violência".

    Mesmo que tenha havido uma redução considerável das taxas de crescimento demográfico no Brasil como um todo, os índices de urbanização foram sempre muito acima da média do crescimento populacional brasileiro. Ocorreu uma verdadeira explosão urbana e este fenômeno extrapolou os limites de São Paulo e Rio, para se tornar modelo de "desenvolvimento urbano" brasileiro.

    Todas as capitais e regiões metropolitanas, inclusive Brasília, que foi planejada para ser uma cidade-gueto, bem no meio do cerrado, possivelmente para abrigar a cúpula política, afastando-a da realidade do dia-a-dia do Rio de Janeiro, seguiram e continuam seguindo o mesmo modelo.

    Este modelo representa a construção de cidades segregadas, onde para uma minoria privilegiada existem todos os serviços básicos que devem atender às necessidades fundamentais do ser humano como habitação digna, água, saneamento, pavimentação, iluminação pública, energia, transporte, segurança, enfim, esta camada privilegiada desfruta de boa a ótima qualidade de vida.

    Para os pobres e miseráveis que ocupam irregularmente o espaço urbano, constroem suas "casas", na maioria das vezes simples barracos, minúsculos para o tamanho da família, à beira de córregos, alagados, em baixo de viadutos ou áreas impróprias para habitação, sem nenhum serviço básico - esta é a unica alternativa face a inexistência de políticas públicas voltadas para atender as necessidades da população pobre.

    Com baixa qualificação profissional, altos índices de analfabetismo ou semi-alfabetização, milhões de famílias que vivem nas periferias urbanas não têm oportunidade de trabalho, de lazer e de futuro. Aí é que surge a vinculação entre pobreza, miséria e a violência, afetando diretamente as crianças e adolescentes. A ausência de políticas públicas facilita o surgimento das escolas do crime como única "alternativa" de vida!

   Assim, podemos concluir que a omissão e a incompetência de sucessivos governos tanto no nível federal, quanto nos Estados e nos municípios, principalmente das cidades médias e grandes, em solucionar esses graves problemas sociais representam a maior causa do surgimento e agravamento da violência, principalmente da criminalidade urbana.

    Para atacar as raízes da violência precisamos de governantes mais competentes e comprometidos com as necessidades do povo. Enquanto isto não acontece, teremos que conviver com os bandidos de colarinho branco empoleirados nas estruturas do poder e com os bandidos comuns que aterrorizam o dia-a-dia do povo! Este deve ser o cerne do debate, longe das pirotecnias da demagogia política incapaz de avançar em busca de soluções verdadeiras para problemas tão graves como a violência e a insegurança!

  Juacy da Silva é professor universitário, mestre em sociologia, colaborador do jornal A Gazeta. E-mail: professorjuacy@yahoo.com.br

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

Ex-vereador abandona rei dos porcos

fernando morais 400 curtinha   Mesmo impedido de ser candidato, já que está inelegível por oito anos, o ex-vereador pela Capital Abílio Júnior segue se articulando politicamente, deixou o PSC e se filiou ao Podemos. Acabou dando de ombros para o empresário Fernando Morais (foto), o "rei dos porcos",...

Temor e negociação com 3 partidos

wilson kero-kero 400 curtinha   Depois de ajudar na articulação para se filiar ao Podemos o colega vereador Dilemário Alencar, que estava "fritado" e sem espaço no Pros e procurou abrigo em outra legenda, Wilson Kero-Kero (foto) está agora com receio de migrar para o partido da senadora cassada Selma Arruda e do...

Agora no DEM e foco à saúde pública

gilberto figueiredo 400 curtinha   Gilberto Figueiredo (foto), vereador licenciado da Capital e secretário de Estado de Saúde, aproveitou a janela - data limite de filiação até sábado (4) para quem quiser ser candidato em outubro -, e ingressou no DEM. Agora, o partido do governador Mauro, até...

Ação de promotor e volta de restrições

Adalberto Ferreira   O promotor de Justiça Adalberto Ferreira garante que prefeito de Juscimeira Moisés dos Santos não havia editado nenhum decreto endurecendo as regras de restrições à pandemia do coronavírus antes do MPE propor ação na Justiça. Ao falar sobre nota publicada...

Oséas agora está nas mãos de Abílio

oseas machado 400 curtinha   Oséas Machado (foto) conseguiu derrubar Abílio Júnior, a quem denunciou por quebra de decoro parlamentar, e assumiu a cadeira deste na Câmara da Capital. Agora, o cassado se articula para dar o troco. O problema é que ambos estão no PSC. Oséas quer buscar a...

Decreto "anula" o MPE em Juscimeira

moises 400 juscimeira curtinha   Em Juscimeira, o promotor de Justiça Adalberto Ferreira recorreu à Justiça de forma desnecessária. Pleiteou e conseguiu uma liminar para suspender um decreto do prefeito Moisés dos Santos que, segundo a ação, havia reduzido as medidas de isolamento social, permitindo...

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

Você concorda com a decisão de prefeitos, que começam a decretar estado de emergência, fechando comércio, serviços públicos e o transporte coletivo?

sim

não

sei lá!

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.