Últimas

Sábado, 26 de Maio de 2007, 10h:45 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:15

Artigo

Greve esquizofrênica

     De forma semelhante ao que ocorre com diversos colegas docentes da UFMT, já estou vivendo o entardecer do meu percurso profissional. Já participei de várias greves aqui e em outras instituições nas quais trabalhei. Portanto, a minha percepção do direito de greve não está ancorada apenas nas recentes paralisações ocorridas na UFMT, mas em outros tempos e em outros espaços. Foi aqui, porém, que conheci essa modalidade de "adiamento do calendário letivo da graduação" a que se convencionou chamar de greve, pseudogreve, meia-greve, quase-greve e que, na sociedade, é percebida como uma "palhaçada", "molecagem" ou "férias prolongadas".
     Hoje quero propor a essa modalidade de greve um novo atributo: o de uma manifestação esquizofrênica. Ela nos induz a uma situação semelhante a daquele sujeito que se sabe um maluco, mas que se diz um Napoleão. Vejamos, pois, a loucura de um dia de greve!
     Iniciamos a nossa manhã-de-greve paralisando as atividades no ensino de graduação, alegando motivações salariais, melhoria da qualidade do ensino, essas coisas.
     Já à tarde, retornamos com as atividades normais no ensino de pós-graduação argumentando que a greve afetaria o conceito do Programa, prejudicaria a instituição, resultaria na redução de bolsas e assim por diante... Portanto, somos obrigados a trabalhar à tarde por razões semelhantes àquelas que justificaram a suspensão das atividades matutinas.
     À noite mantemos regularmente os cursos de especialização porque, afinal, são "pagos" e funcionam como uma complementação salarial. Além disso, alguns desses caça-níqueis (semelhante ao que ocorre com os bingos) já foram assimilados pela sociedade como um período de entretenimento ou como uma forma de angariar algum ganho intelectual ou financeiro. O argumento de que devemos mantê-los porque a sociedade exige ou porque o nosso salário é baixo, não parece uma justificativa suficiente para burlar a greve.
    O nosso dia-de-greve continua com a manutenção das atividades de pesquisa e de administração, estas, com argumentos igualmente contraditórios uma vez que consideramos que os nossos cronogramas de pesquisa e a manutenção dos serviços que garantem a nossa remuneração são mais legítimos do que o direito dos estudantes concluírem os seus cursos no tempo adequado.
    São essas e outras contradições que comprometem a coerência das nossas greves uma vez que lhes conferem múltiplas identidades contrastivas.
    A verdade que agora aparece clara para nós e para a sociedade é que essas "greves" esquizofrênicas penalizam duramente o segmento mais fragilizado da universidade, o "primo pobre", o ensino de graduação. Os programas de mestrado, as atividades subsidiadas, os cursos "pagos" etc. continuam funcionando como sempre, normal e solenemente.
    Esse modelo de greve tem sido praticado e defendido no nosso sindicato com o discurso enganoso de que trata-se "do mais legítimo direito democrático" e que a nossa greve é "inspirada na luta histórica dos trabalhadores ingleses", etc. etc. etc.
    Ora, convenhamos! Essa cantilena não pode ser levada a sério pelos docentes e pela sociedade. Trata-se de um discurso oco, falso, destituído de fundamentos na realidade. Seu eco limita-se aos nossos ouvidos, acostumados com a falseta da nossa própria voz.
    Mais uma vez estamos diante de uma proposta de greve, de uma falácia, de uma enganação, de um tiro no pé. Os seus contornos e os seus sintomas identificam um sindicalismo esquizofrênico, decadente e desacreditado. Portanto, para o bem da categoria e da sociedade, digamos um não à greve na UFMT!

Darci Secchi é professor do Instituto de Linguagens da Universidade Federal de Mato Grosso

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

Covid mata 20º pastor da Assembleia

aparecido domingues pastor cidao 400   Morreu neste sábado mais um pastor da Assembleia de Deus em consequência da Covid-19. Aparecido Francisco Domingues, o Cidão (foto), que era vice-presidente em Paranaíta, é o 20º pastor da Igreja em Mato Grosso a vir a óbito, após ser infectado pelo novo...

Os virtuais candidatos a governador

ygor moura 400   Mesmo que timidamente, alguns começam a externar, em privado, o desejar de disputar o governo estadual por um bloco de oposição, contrapondo o projeto de reeleição de Mauro Mendes. O empresário Ygor Moura (foto), da rede de clínicas de depilação Espaçolaser,...

Nomes "de fora" pra deputado federal

valtenir pereira 400   Enquantos os oito deputados da bancada federal de MT (Barbudo, Medeiros, Leonardo, Rosa Neide, Juarez, Bezerra, Emanuelzinho e Neri) vão em busca da reeleição, na esperança de continuarem em Brasilia por mais quatro anos, outros líderes correm por fora, dispostos a também entrar na...

Todos federais vão tentar a reeleição

carlos bezerra 400   Todos os oito deputados federais mato-grossenses estão trabalhando projeto de reeleição. Mas um resolveu espalhar, em paralelo, a ideia de tentar o Senado: Neri Geller (PP). Sabe-se, porém, que a jogada do deputado de Lucas do Rio Verde e que já foi ministro da Agricultura não passa de...

Mil cestas básicas vão para músicos

alberto machado 400   O secretário estadual de Cultura, Esporte e Lazer, Alberto Machado, o Beto 2 a 1 (foto), está comemorando a decisão do governador Mauro Mendes e da primeira-dama Virginia Mendes, que desenvolve ações sociais de forma voluntária, de disponibilizar mil cestas básicas para...

Assembleia cede espaço pra vacinação

Eduardo Botelho _ 400   O prefeito cuiabano Emanuel Pinheiro procurou e encontrou apoio da Assembleia para ampliar locais de vacinação da população contra Covid-19. Em reunião nesta sexta entre o prefeito e os deputados Eduardo Botelho (foto), Paulo Araújo e João José, que preside a...