Últimas

Sábado, 26 de Maio de 2007, 10h:45 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:15

Artigo

Greve esquizofrênica

     De forma semelhante ao que ocorre com diversos colegas docentes da UFMT, já estou vivendo o entardecer do meu percurso profissional. Já participei de várias greves aqui e em outras instituições nas quais trabalhei. Portanto, a minha percepção do direito de greve não está ancorada apenas nas recentes paralisações ocorridas na UFMT, mas em outros tempos e em outros espaços. Foi aqui, porém, que conheci essa modalidade de "adiamento do calendário letivo da graduação" a que se convencionou chamar de greve, pseudogreve, meia-greve, quase-greve e que, na sociedade, é percebida como uma "palhaçada", "molecagem" ou "férias prolongadas".
     Hoje quero propor a essa modalidade de greve um novo atributo: o de uma manifestação esquizofrênica. Ela nos induz a uma situação semelhante a daquele sujeito que se sabe um maluco, mas que se diz um Napoleão. Vejamos, pois, a loucura de um dia de greve!
     Iniciamos a nossa manhã-de-greve paralisando as atividades no ensino de graduação, alegando motivações salariais, melhoria da qualidade do ensino, essas coisas.
     Já à tarde, retornamos com as atividades normais no ensino de pós-graduação argumentando que a greve afetaria o conceito do Programa, prejudicaria a instituição, resultaria na redução de bolsas e assim por diante... Portanto, somos obrigados a trabalhar à tarde por razões semelhantes àquelas que justificaram a suspensão das atividades matutinas.
     À noite mantemos regularmente os cursos de especialização porque, afinal, são "pagos" e funcionam como uma complementação salarial. Além disso, alguns desses caça-níqueis (semelhante ao que ocorre com os bingos) já foram assimilados pela sociedade como um período de entretenimento ou como uma forma de angariar algum ganho intelectual ou financeiro. O argumento de que devemos mantê-los porque a sociedade exige ou porque o nosso salário é baixo, não parece uma justificativa suficiente para burlar a greve.
    O nosso dia-de-greve continua com a manutenção das atividades de pesquisa e de administração, estas, com argumentos igualmente contraditórios uma vez que consideramos que os nossos cronogramas de pesquisa e a manutenção dos serviços que garantem a nossa remuneração são mais legítimos do que o direito dos estudantes concluírem os seus cursos no tempo adequado.
    São essas e outras contradições que comprometem a coerência das nossas greves uma vez que lhes conferem múltiplas identidades contrastivas.
    A verdade que agora aparece clara para nós e para a sociedade é que essas "greves" esquizofrênicas penalizam duramente o segmento mais fragilizado da universidade, o "primo pobre", o ensino de graduação. Os programas de mestrado, as atividades subsidiadas, os cursos "pagos" etc. continuam funcionando como sempre, normal e solenemente.
    Esse modelo de greve tem sido praticado e defendido no nosso sindicato com o discurso enganoso de que trata-se "do mais legítimo direito democrático" e que a nossa greve é "inspirada na luta histórica dos trabalhadores ingleses", etc. etc. etc.
    Ora, convenhamos! Essa cantilena não pode ser levada a sério pelos docentes e pela sociedade. Trata-se de um discurso oco, falso, destituído de fundamentos na realidade. Seu eco limita-se aos nossos ouvidos, acostumados com a falseta da nossa própria voz.
    Mais uma vez estamos diante de uma proposta de greve, de uma falácia, de uma enganação, de um tiro no pé. Os seus contornos e os seus sintomas identificam um sindicalismo esquizofrênico, decadente e desacreditado. Portanto, para o bem da categoria e da sociedade, digamos um não à greve na UFMT!

Darci Secchi é professor do Instituto de Linguagens da Universidade Federal de Mato Grosso

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

Prédio da Câmara receberá decoração

misael 400 curtinha   A Câmara Municipal de Cuiabá vai gastar R$ 41 mil com decoração natalina. E quem executará os serviços para deixar o prédio do Legislativo todo iluminado é a Capriata de Souza Lima & Souza, vencedora do pregão eletrônico. Com seus 25 vereadores, 521...

Avalone aposta em Nigro pra prefeito

carlos avalone 400 curtinha   Carlos Avalone (foto), hoje vice-presidente da Executiva estadual do PSDB, está cheio de planos como futuro presidente tucano. Já anunciou que em fevereiro Paulo Borges renuncia ao comando partidário e, então, passa a tocar a legenda no Estado e com a missão de coordenar os trabalhos...

"Choque" de agenda de EP e de MM

mauro mendes 400 curtinha   Prefeitos e primeiras-damas estão sendo convidados para dois eventos programados para o mesmo dia e horário, em Cuiabá. Um partiu do prefeito Emanuel Pinheiro, que entrega 100% do Hospital Municipal de Cuiabá em 18 de novembro, às 20h, e espalhou convites para tanto gestores municipais,...

Mutirão já negociou quase R$ 40 mi

O Mutirão Fiscal Fecha Acordo do Governo de Mato Grosso, em parceria com o Judiciário, já negociou, na primeira semana, R$ 22.430 contratos, somando brutos R$ 37,7 milhões. E, com os descontos, ficaram em R$ 20,8 milhões, sendo R$ 12 milhões à vista. As negociações são feitas por meio da PGE e da Sefaz. O mutirão começou em 1º de novembro e segue até o próximo dia 29. Funciona no segundo...

Parceiros pra eventos de final de ano

emanuel pinheiro marcia 400 curtinha   Esta semana o prefeito da Capital Emanuel Pinheiro e a primeira-dama Márcia, que faz trabalho social voluntário, iniciam a maratona de reuniões com empresários em busca de apoio e parcerias para realização de festas natalinas e do réveillon. A ideia é,...

Fora da disputa e elogios à prefeita

toninho domingos 400 curtinha   Irmão do ex-prefeito Murilo Domingos (já falecido), o empresário Toninho Domingos (foto), que foi vice-prefeito por duas vezes, das gestões Nereu Botelho (94/98) e Jayme Campos (2001/2004), disse neste domingo que não está animado para concorrer à sucessão em...