Últimas

Segunda-Feira, 30 de Abril de 2007, 09h:42 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:15

Artigo

Hidrovias, boicote e integração

      Chega de ficarmos iludidos como nos velhos tempos, achando que o mundo seria dividido entre mocinhos e bandidos, quando as ideologias, aparentemente, decidiam por nós. Em época de globalização, mocinhos e bandidos já saíram de cena. A real divisão é entre quem tem a responsabilidade de andar à frente de seu tempo, identificando para onde o mundo está indo, e quem ainda vive como nos filmes de John Wayne.
     O grande desafio é fazer com que o desenvolvimento para todos sobreponha-se ao vazio ético acirrado pelo desaparecimento, temporário ou definitivo, das utopias revolucionárias.
     Nessa nova era, o Brasil clama pela integração, física e operacionalmente nos sistemas de transportes, envolvendo rodovias, ferrovias, hidrovias,portos, dutos e aeroportos. É por aí que o mundo está indo: tira-se de cada modal de transporte o melhor aproveitamento, para reduzir distâncias, ganhar tempo, baixar fretes e tornar nossos produtos mais baratos no mercado interno e mais competitivos no mercado externo.
     O Brasil está na competição geoeconômica e isso incomoda oligarquias, que sabem para onde o mundo está indo, mas usam a ingenuidade de quem vive como nos filmes de John Wayne para criar nuvens de fumaça. Trata-se de uma aliança em que os espertos permanecem ocultos, enquanto os ingênuos, geralmente alguns membros de entidades respeitáveis, são os que aparecem como defensores de interesses difusos.
     Não é por acaso que hidrovias fundamentais, como a Araguaia-Tocantins e a Teles Pires-Tapajós, que ajudariam acelerar o desenvolvimento de Mato Grosso e nos levar para onde o mundo caminha, tenham sido objeto de brigas judiciais. Nesse caso, as nuvens de fumaça parecem esconder uma estratégia maior, cujo objetivo é impedir que o Brasil saia de sua secular condição de ser apenas potencialmente uma das nações mais ricas do mundo. O verdadeiro objetivo dessa aliança entre espertos e ingênuos não é proteger o meio ambiente, como dizem por aí, mas impedir a implantação das hidrovias.
     Não me arrisco afirmar com convicção de que hidrovias são o modal de transporte que menos agride o ambiente, até por não ser especialista no assunto. Mas é oportuno enfatizar que os EUA aproveitaram os seus recursos hídricos e hoje dispõem de uma malha hidroviária que alcança quase 47 mil km, por onde 33% da produção desse país é transportada.
     Estudam apontam que hoje, no Brasil, há disponível uma rede hidroviária que alcança cerca de 28 mil km naturalmente navegáveis. Porém, menos de 2% da produção brasileira é transportada por esse sistema. Pouco mais de 5 milhões de toneladas são escoadas por hidrovias. O custo dos investimentos em obras de transportes aponta que a hidrovia é a modalidade mais barata para manter e operar. Apesar disso, o Brasil levou muitos anos para iniciar o aproveitamento de todo esse potencial.
     O governo deveria investir nas principais hidrovias brasileiras, que, juntas, interligariam quase todo o país, de norte a sul, inclusive com o aproveitamento da chamada multimodalidade.
     Segundo dados do Ministério dos Transportes, os números da navegação interior no Brasil ainda são inexpressivos, se comparados ao transporte efetuado sobre pneus e trilhos. As rodovias ainda escoam cerca de 60% das cargas brasileiras. As ferrovias são responsáveis por 21% do transporte. A navegação marítima de cabotagem leva 16% da produção nacional. As hidrovias transportam, timidamente, pouco mais de 1% da carga brasileira por tonelada/km.
     É preciso mudar isso. Já num mundo sem mocinhos e bandidos, rumar com passo firme em direção à modernidade, sem reinventar a roda. Esse é um dos principais caminhos para se reduzir o chamado custo Brasil.


Romilson Dourado é jornalista, editor de Política de A Gazeta e escreve neste espaço às segundas-feiras

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

DEM e voz na Câmara após 16 anos

marcelo bussiki 400 curtinha   O DEM (antigo PFL) passa a ter voz na Câmara da Capital 16 anos depois. Aproveitando a janela de março em que a Justiça Eleitoral permite mudança de legenda sem risco de perda do mandato, dois vereadores migraram para o Democratas, sendo eles Marcelo Bussiki (foto) e Gilberto Figueiredo, que...

MDB agora com 2 na Câmara-Cuiabá

juca do guaran� curtinha 400   O MDB do prefeito Emanuel Pinheiro, que não elegeu vereador em 2016 em Cuiabá, agora ganha duas vozes na Câmara. Tratam-se de Juca do Guaraná (foto), militante histórico do nanico Avante que resolveu migrar para a legenda emedebista, e do recém-empossado...

PT segue sem voz na Câmara-Cuiabá

bob pt 400 curtinha   O PT, presidido em Cuiabá por  Elisvaldo Almeida, o Bob (foto), está mesmo "queimado" e sem prestígio. Em meio ao troca-troca de partido entre os vereadores cuiabanos, aproveitando a janela de março, cujo prazo para mudanças para quem deseja se candidatar em outubro encerrou-se neste...

Deputado, única causa e os interesses

xuxu 400 curtinha   Xuxu Dal Molin (foto), deputado pouco atuante e limitado a defender a bandeira do agronegócio, é mais um daqueles que demonstram, na prática, usar a política para beneficiar os seus. De familiares de agricultores, Xuxu bateu duro, se posicionando contra a proposta encaminhada pelo governador Mauro...

Vereadores de ROO e trocas de siglas

fabio cardozo 400 curtinha   Em Rondonópolis, praticamente a metade dos vereadores está aproveitando a janela, que se encerra neste sábado, para mudar de partido, e já com as atenções voltadas à reeleição. E, com a dança das cadeiras, o Solidariedade do prefeito Zé do...

Podemos absorve a turma do barulho

O Podemos conseguiu juntar no seu diretório em Cuiabá a turma do barulho. Dela fazem parte dois com mandatos cassados, Abílio Júnior, que perdeu a cadeira de vereador por quebra de decoro, e a senadora Selma Arruda, cassada por caixa 2 e abuso de poder econômico, mas que ainda continua no cargo. Selma impôs condições para seguir no partido. Chegou a negociar ida para o PSC. E ganhou a presidência municipal do Pode, forçando o...

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

Você concorda com a decisão de prefeitos, que começam a decretar estado de emergência, fechando comércio, serviços públicos e o transporte coletivo?

sim

não

sei lá!

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.