Últimas

Segunda-Feira, 25 de Junho de 2007, 10h:34 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:16

Artigo

Homoafetividade

     A Constituição Federal brasileira não contém norma que determina qual a orientação sexual a ser implementada socialmente. Destarte, a união homoafetiva é um fato lícito. E pertinente à vida privada. Trata-se de direito (opcional) e afeto à decisão da pessoa humana. O Estado não pode intervir diretamente nesta relação. A opção de cada qual tem que ser encarada juridicamente no respeito às diversidades. O artigo 226, parágrafo 3º da CF reconheceu igualdade de direito do casado e do solteiro em união estável (homem e mulher). O que impõe a mesma interpretação da norma a qualquer das relações afetivas. Afinal, o centro da regra situa pelo não discriminar. O que alcança qualquer das relações sociais e familiares.
     Admitindo-se que a norma expressa da união estável não incide de modo direto no direito da pessoa de ser o que quiser ser - sexualmente dizendo. Resta a aplicação da analogia para preencher a lacuna da lei. Aí o precedente mais próximo está na união estável entre homem e mulher - fundada no princípio da igualdade e liberdade de escolha. Porquanto, o princípio da liberdade privada estende o regime jurídico da união estável à união homossexual. A resolução da lacuna normativa chama para si a realidade próxima que é a união estável heterossexual. Toda relação familiar caracteriza-se na essência como um pacto de afetividade e projeto de vida comum. Daí poder existir casamento ou união estável sem filho - sem que isso gere nulidade.
     Notadamente na última década significativo conjunto de pessoas passa a viver publicamente suas relações homossexuais. E no desdobramento muitas querem maior segurança jurídica nas suas relações afetivas. A aceitação social do fato em si acomoda-se com o tempo. No entanto, o reconhecimento jurídico reluta inutilmente pela aceitação e não-aceitação. Consequentemente, tem o pedido de declaração de afetividade conforto em determinado juiz e desconforto noutro. Os operadores do direito deveriam estar movidos somente por razão científica ou jurídica. E jamais por concepção particular - seja religiosa ou moral estática. No direito privado vale a regra do que não está proibido está permitido. A homossexualidade é um fato social. E não viola qualquer norma jurídica. A pretensão de impor orientação sexual geral historicamente foi sempre um grande desastre. Os gregos elegeram a homossexualidade. Os romanos a promiscuidade. O nazismo a heterossexualidade. Todas as imposições estatais no setor descambaram ao descalabro e injustiças. E ruiu com as bases das famílias eleitas nas sociedades referenciadas. Daí o assunto resumir-se hoje ao campo das opções individuais.
     As relações familiares têm sido afetadas por mutações históricas. A superioridade masculina religiosa (chefe de família) foi superada. O casamento equiparado com a união estável. A figura do filho ilegítimo expurgada da legislação. O jurídico amadureceu ao repelir a discriminação no direito de família. O que deve incluir naturalmente igualdades de condições nas relações afetivas, sob pena de reinventar-se por vias oblíquas a discriminação - eliminada do arcabouço jurídico.
     O Estado anterior inimigo das minorias e protagonista da repressão familiar. Da imposição estética ou moral dominante rendeu-se - após estar abatido conjuntamente com o fracasso nazista ou fascista no mundo. No Estado democrático e republicano toda pessoa a despeito de sua origem ou característica tem o direito de desfrutar da proteção e segurança jurídica - conforme expressão da lei. O que vale dizer que não posso impor minha heterossexualidade ao outro - capaz e maior de idade. Ou ele impor sua homossexualidade a mim. Eu prefiro a família heterossexual. E meu vizinho a homossexual. E que cada qual cuide de seu afazer e afetividade como melhor lhe aprouver. A regra jurídica da relação familiar ou afetiva atual é clara. E ignorada tão-somente por motivo remanescente ou ligado à posição conservadora religiosa alheia ao direito. A persistência tardia na discriminação jurídica nas relações afetivas é que constitui ato injurídico. Ora, deixemos as pedradas, os xingamentos ou análises sociais opinativas para as partes interessadas. E quem quiser que vá assistir livremente as passeatas do orgulho gay pelo mundo afora.

Hélcio Corrêa Gomes é advogado e diretor tesoureiro da OAB/MT ( helciocg@brturbo.com.br )

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

Decreto "anula" o MPE em Juscimeira

moises 400 juscimeira curtinha   Em Juscimeira, o promotor de Justiça Adalberto Ferreira recorreu à Justiça de forma desnecessária. Pleiteou e conseguiu uma liminar para suspender um decreto do prefeito Moisés dos Santos que, segundo a ação, havia reduzido as medidas de isolamento social, permitindo...

Kero-Kero quer levar Abílio para Pode

wilson kero kero 400 curtinha   Na contagam regressiva do prazo para o troca-troca partidário - vence em 3 de abril para quem pretende ser candidato em outubro deste ano -, o vereador Wilson Kero-Kero (foto), do PSL e um dos opositores à gestão Emanuel Pinheiro em Cuiabá, está fortalecendo o Podemos. E se...

ECSP explica confusão com Marcrean

marcrean 400 curtinha   A Empresa Cuiabana de Saúde Pública (ECSP) emitiu nota sobre a suposta “carteirada” do vereador Marcrean Santos (foto) no HMC. Ele foi pivô de confusão e um vídeo viralizou nas redes sociais. Segundo a ECSP, o parlamentar foi até o local pedir informações...

PL quer suspender dívidas das cidades

max russi curtinha 400   Ex-prefeito de Jaciara, o deputado Max Russi (PSB) apresentou projeto que visa suspender os pagamentos das dívidas dos municípios com o Estado, durante o período de calamidade pública que foi decretado pelo governo por causa da pandemia do coronavírus. Max ressalta que MT não deve...

Articulação pra tentar voltar ao Procon

gisela simona 400 curtinha   Com adiamento e ainda sem nova data para a eleição suplementar ao Senado, Gisela Simona (Pros), que se afastou do Executivo para concorrer ao pleito, quer retornar ao cargo de secretária-adjunta de Proteção e Defesa dos Direitos do Consumidor (Procon), vinculado à secretaria...

Senadora, ataques e defesa de Galvan

selma arruda 400 curtinha   Selma Arruda, senadora cassada por crimes eleitorais, um deles caixa 2, escreveu artigo entitulado "MP x Aprosoja. Afinal, quem tem razão", especialmente para defender o aliado político Antonio Galvan, presidente da Aprosoja. Ao concordar com plantio de soja dentro de período proibido pela...

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

Você concorda com a decisão de prefeitos, que começam a decretar estado de emergência, fechando comércio, serviços públicos e o transporte coletivo?

sim

não

sei lá!

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.