Últimas

Segunda-Feira, 25 de Junho de 2007, 10h:34 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:16

Artigo

Homoafetividade

     A Constituição Federal brasileira não contém norma que determina qual a orientação sexual a ser implementada socialmente. Destarte, a união homoafetiva é um fato lícito. E pertinente à vida privada. Trata-se de direito (opcional) e afeto à decisão da pessoa humana. O Estado não pode intervir diretamente nesta relação. A opção de cada qual tem que ser encarada juridicamente no respeito às diversidades. O artigo 226, parágrafo 3º da CF reconheceu igualdade de direito do casado e do solteiro em união estável (homem e mulher). O que impõe a mesma interpretação da norma a qualquer das relações afetivas. Afinal, o centro da regra situa pelo não discriminar. O que alcança qualquer das relações sociais e familiares.
     Admitindo-se que a norma expressa da união estável não incide de modo direto no direito da pessoa de ser o que quiser ser - sexualmente dizendo. Resta a aplicação da analogia para preencher a lacuna da lei. Aí o precedente mais próximo está na união estável entre homem e mulher - fundada no princípio da igualdade e liberdade de escolha. Porquanto, o princípio da liberdade privada estende o regime jurídico da união estável à união homossexual. A resolução da lacuna normativa chama para si a realidade próxima que é a união estável heterossexual. Toda relação familiar caracteriza-se na essência como um pacto de afetividade e projeto de vida comum. Daí poder existir casamento ou união estável sem filho - sem que isso gere nulidade.
     Notadamente na última década significativo conjunto de pessoas passa a viver publicamente suas relações homossexuais. E no desdobramento muitas querem maior segurança jurídica nas suas relações afetivas. A aceitação social do fato em si acomoda-se com o tempo. No entanto, o reconhecimento jurídico reluta inutilmente pela aceitação e não-aceitação. Consequentemente, tem o pedido de declaração de afetividade conforto em determinado juiz e desconforto noutro. Os operadores do direito deveriam estar movidos somente por razão científica ou jurídica. E jamais por concepção particular - seja religiosa ou moral estática. No direito privado vale a regra do que não está proibido está permitido. A homossexualidade é um fato social. E não viola qualquer norma jurídica. A pretensão de impor orientação sexual geral historicamente foi sempre um grande desastre. Os gregos elegeram a homossexualidade. Os romanos a promiscuidade. O nazismo a heterossexualidade. Todas as imposições estatais no setor descambaram ao descalabro e injustiças. E ruiu com as bases das famílias eleitas nas sociedades referenciadas. Daí o assunto resumir-se hoje ao campo das opções individuais.
     As relações familiares têm sido afetadas por mutações históricas. A superioridade masculina religiosa (chefe de família) foi superada. O casamento equiparado com a união estável. A figura do filho ilegítimo expurgada da legislação. O jurídico amadureceu ao repelir a discriminação no direito de família. O que deve incluir naturalmente igualdades de condições nas relações afetivas, sob pena de reinventar-se por vias oblíquas a discriminação - eliminada do arcabouço jurídico.
     O Estado anterior inimigo das minorias e protagonista da repressão familiar. Da imposição estética ou moral dominante rendeu-se - após estar abatido conjuntamente com o fracasso nazista ou fascista no mundo. No Estado democrático e republicano toda pessoa a despeito de sua origem ou característica tem o direito de desfrutar da proteção e segurança jurídica - conforme expressão da lei. O que vale dizer que não posso impor minha heterossexualidade ao outro - capaz e maior de idade. Ou ele impor sua homossexualidade a mim. Eu prefiro a família heterossexual. E meu vizinho a homossexual. E que cada qual cuide de seu afazer e afetividade como melhor lhe aprouver. A regra jurídica da relação familiar ou afetiva atual é clara. E ignorada tão-somente por motivo remanescente ou ligado à posição conservadora religiosa alheia ao direito. A persistência tardia na discriminação jurídica nas relações afetivas é que constitui ato injurídico. Ora, deixemos as pedradas, os xingamentos ou análises sociais opinativas para as partes interessadas. E quem quiser que vá assistir livremente as passeatas do orgulho gay pelo mundo afora.

Hélcio Corrêa Gomes é advogado e diretor tesoureiro da OAB/MT ( helciocg@brturbo.com.br )

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

Misal é reeleito para o 10º mandato

misael galv�o 400 curtinha   Após dois anos fora do comando do Shopping Popular, período em que respondeu pela presidência da Câmara da Capital, o ex-vereador Misael Galvão (foto) voltou à direção do empreendimento, que abriga 500 lojas. E, sob forte...

Oscarlino, Pros e "nocaute" em Gisela

oscarlino 400   Na queda-de-braço dentro do Pros por espaço político, o ex-sindicalista Oscarlino Alves (foto) nocauteou a ex-superintendente do Procon-MT, Gisela Simona. Ele foi um dos filiados que não aceitaram apoio a Abílio na disputa de segundo turno para prefeito de Cuiabá, se aliou ao projeto de...

Promotor recebe medalha do Exército

Mauro Zaque curtinha   O promotor de Justiça Mauro Zaque (foto) foi condecorado com a medalha do Exército Brasileiro na manhã desta segunda (19), no dia da instituição. A solenidade é considerada a segunda maior do Exército Brasileiro, foi reservada por conta da pandemia e contou com a...

Sema reabre os parques em Cuiabá

mauren lazzaretti sema 400   Fechados desde 1º de abril, em obediência às regras de decreto municipal, que suspendiam as atividades coletivas, os parques estaduais urbanos de Cuiabá reabrem nesta segunda (19) para utilização pelo público. Será possível acessar as tradicionais trilhas...

Pilha em Jayme pra disputar o Governo

jayme campos 400   Mesmo sabendo que Jayme Campos (foto) não entra em disputa onde percebe dificuldades para vencê-la e militando no mesmo partido de Mauro Mendes, o DEM, algumas lideranças políticas têm instigado o senador a se lançar ao governo estadual. Para tentar convencer Jayme, lançam...

Scheila assume APDM e cita projetos

scheila pedroso 400   Esposa do prefeito sinopense Roberto Dorner, Scheila Pedroso (foto), primeira-dama e secretária municipal de Assistência Social, passa a tocar, pelos próximos dois anos, a Associação para o Desenvolvimento Social dos Municípios de MT (APDM/MT). Ela promete juntar força com os...