Últimas

Sexta-Feira, 23 de Fevereiro de 2007, 07h:46 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:15

Artigo

Imunidade, privilégio e impunidade (1)

    Em artigo nesta sexta (23), em A Gazeta, o professor Lourembergue Alves discorre sobre a imunidade parlamentar. Confira reprodução abaixo.

A imunidade parlamentar retornou à mesa pública de discussão. Empurrada que fora pelos rompantes do presidente Lula da Silva contra o Congresso Nacional, ou mesmo pela sensação de privilégio que essa prerrogativa representa.

Contudo, não se pode perder de vista a sua importância para os princípios democráticos, pois permite que os representantes da população possam livremente expressar suas opiniões, palavras e votos, bem como estar garantidos contra as prisões arbitrárias, ou mesmo rivalidades políticas. Trata-se, portanto, de prerrogativa funcional, e, nesse sentido, não abarca matérias alheias ao exercício do mandato.

A propósito, há dois tipos de imunidade: (a) a material ou inviolabilidade, que assegura ao vereador e aos parlamentares estaduais e federais inviolabilidade por suas opiniões, palavras e votos, bem como ampla liberdade no exercício do seu mandato, não só frente ao governo, mas igualmente aos partidos e ao corpo eleitoral (b) a formal ou processual, destinada à proteção dos membros do Congresso Nacional contra prisões arbitrárias e processos tendenciosos; bem como a incorporação militar, a não ser mediante licença da respectiva Casa Legislativa, e de depoimento, pois os congressistas são desobrigados de depor a respeito de informações recebidas ou prestadas, da mesma forma dos informantes ou informados durante o mandato.

Por outro lado, é relevante observar que a imunidade parlamentar tem origem na Roma antiga, quando fora constituído o chamado tribuno da plebe, responsável por representar e defender os interesses da camada plebéia frente às vontades insaciadas dos patrícios, e, por conta disso, sua pessoa era inviolável. Bem mais tarde, a imunidade fora aprimorada pelos ingleses, em uma época em que o rei era autoritário e se valia da retaliação para sufocar as vozes oposicionistas. Daí a relevância desse instituto, que se afirmou como prerrogativa dos representantes do povo no exercício livre do mandato ante as pressões dos setores inconformados do Executivo ou de particulares. Posteriormente, esse dispositivo foi incluído em constituições de outros Estados, tais como nos EUA, França, Alemanha e Itália. Tornou-se presença indispensável em todos os países em que se pratica a democracia representativa. No Brasil, ela se faz presente desde a primeira Carta Magna, restrita nos períodos ditatorial e ampliada com a retomada do viver democrático, entretanto ainda a considerar seus parlamentares como cidadãos especiais, incapazes de responder normalmente por crimes comuns; ao contrário dos EUA, França e Inglaterra, que garantem a proteção aos membros de seus Parlamentos apenas em relação a crimes de opinião. A Emenda Constitucional número 35/2001 foi providencial, pois deu substantiva modificação ao artigo 53 da Constituição Federal, que diz respeito à imunidade parlamentar.

Contudo, ainda se tem muito a mudar, uma vez que a imunidade continua sendo personalizada, ou seja, equivocadamente destinada à pessoa do parlamentar, não à função parlamentar. Transformando-a em privilégio de pouquíssimos e, por conta disso, em sinônimo de impunidade, pois vários desses poucos se utilizam do cargo eletivo, e por tabela desse dispositivo constitucional, para fins particulares e como fuga para ludibriar a justiça. Tem-se aí a origem de toda a insatisfação da população, assim como todas as críticas já levantadas. Muitas das quais objetivando o expurgo da própria imunidade parlamentar do texto constitucional e, evidentemente, como instrumento dos trabalhos legislativos. (continua no domingo)

Lourembergue Alves é articulista de A Gazeta, escrevendo neste espaço às terças-feiras, sextas-feiras e aos domingos. E-mail: lou.alves@uol.com.br

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

DEM agora sem amarras dos Campos

frankes siqueira curtinha 400   Sem o controle absoluto dos Campos, como nas últimas duas décadas, desde quando era PFL, o DEM, que não elege vereador em Cuiabá desde 2004, vive melhores expectativas, agora sob comando da ala ligada ao governador Mauro. É presidido pelo secretário de Estado de Governo,...

O pulo de Elias do PSDB para o DEM

elias santos 400 curtinha   Elias Santos (foto), irmão do deputado Wilson, agiu como estrategista na construção de sua pré-candidatura a vereador por Cuiabá. Concluiu que teria mais dificuldades de obter êxito nas urnas no PSDB porque os dois vereadores tucanos que vão à...

DEM e voz na Câmara após 16 anos

marcelo bussiki 400 curtinha   O DEM (antigo PFL) passa a ter voz na Câmara da Capital 16 anos depois. Aproveitando a janela de março em que a Justiça Eleitoral permite mudança de legenda sem risco de perda do mandato, dois vereadores migraram para o Democratas, sendo eles Marcelo Bussiki (foto) e Gilberto Figueiredo, que...

MDB agora com 2 na Câmara-Cuiabá

juca do guaran� curtinha 400   O MDB do prefeito Emanuel Pinheiro, que não elegeu vereador em 2016 em Cuiabá, agora ganha duas vozes na Câmara. Tratam-se de Juca do Guaraná (foto), militante histórico do nanico Avante que resolveu migrar para a legenda emedebista, e do recém-empossado...

PT segue sem voz na Câmara-Cuiabá

bob pt 400 curtinha   O PT, presidido em Cuiabá por  Elisvaldo Almeida, o Bob (foto), está mesmo "queimado" e sem prestígio. Em meio ao troca-troca de partido entre os vereadores cuiabanos, aproveitando a janela de março, cujo prazo para mudanças para quem deseja se candidatar em outubro encerrou-se neste...

Deputado, única causa e os interesses

xuxu 400 curtinha   Xuxu Dal Molin (foto), deputado pouco atuante e limitado a defender a bandeira do agronegócio, é mais um daqueles que demonstram, na prática, usar a política para beneficiar os seus. De familiares de agricultores, Xuxu bateu duro, se posicionando contra a proposta encaminhada pelo governador Mauro...

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

Você concorda com a decisão de prefeitos, que começam a decretar estado de emergência, fechando comércio, serviços públicos e o transporte coletivo?

sim

não

sei lá!

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.