Últimas

Terça-Feira, 14 de Agosto de 2007, 08h:57 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:16

Artigo

Injustiça da justiça!

     Impunidade é tão antigo no Brasil quanto o analfabetismo. Ambos são perpetuados e insolúveis. São tratados na mídia em surtos. Nestes períodos, autoridades das respectivas áreas aparecem com as justificativas por que não há solução. Especialistas apontam as medidas que deveriam ter sido tomadas  e não foram. Tudo isso, resultava numa lei; atualmente, num pacote. Solução: nenhuma.
     A reportagem de capa da revista Veja dessa semana já poderia ter sido a da primeira edição. Diz o que não explicita. Definitivamente, a Justiça brasileira não faz justiça.  Não afirmou assim, porque a mídia brasileira escreve sobre a Justiça com muita sutileza, com muito receio, até. Talvez baseada num clichê nefasto de que decisão judicial não se discute; cumpre-se. Aliás, repetido por Barbara Gancia na Folha de São Paulo de dez de agosto, página C2. 
     Essa reportagem cita que de 345.000 boletins de ocorrência apenas 22.000 tornaram-se inquéritos; que também é fase apenas investigativa. Os demais foram arquivados nas próprias delegacias.  Dos homicídios em São Paulo e Rio de Janeiro, apenas 2% chegam à condenação. Ou seja, de cada 100 pessoas assassinadas, 98 assassinos ficam impunes completamente. No Japão e nos Estados Unidos esse número chega a mais de 90%. Não cita que muitas dessas condenações são fictícias; que não passam do papel, de serviços prestados à comunidade, semi-abertas.  E os crimes menos graves não chegam ao mundo jurídico porque não são mais denunciados.  E olha que os contrários a penas maiores afirmam que somente a certeza da punição inibe a prática de crimes. Quer dizer, nem com outros quinhentos anos haverá melhoria nesse campo.
     Outro vício repetido nessa reportagem seria o de apontar soluções em abstrações excessivas, culpar sempre as leis, sem menção que são aprovadas por homens, muitos vezes interessados em fazê-las confusas e ruins para defesa própria. Apontar como solução que para desatar o nó no início da investigação policial seria preciso “aperfeiçoar o trabalho da polícia na fase posterior às prisões” equivale ao comentário do jogador do time que está perdendo, ao dizer que “a gente vamos pra cima, com muita garra, empenho e dedicação”. Não cita com quais recursos técnicos ou táticos e esquecem que o adversário pode sair de baixo.  As demais soluções apresentadas são assemelhadas.
     O excesso de justiças especiais é um dos principais trunfos para a indústria da prescrição. Os juízes ficam anos a fio discutindo a quem competiria apreciar o caso concreto. A prescrição é questão de tempo. Apenas um trocadilho. Todos os envolvidos sabem. Uns se calam, outros se beneficiam. O foro privilegiado está demonstrado ser a cereja da impunidade. O Supremo Tribunal Federal nunca condenou um político.  Se fosse uma indústria estaria fechada por falta de produção e de objetivo.
     Os mandados e citações são os emperradores dos processos. Mas continuam contando prazo da juntada aos autos. Todo escritório de advocacia opera a rede mundial de computadores.  Mas não vale para receber uma intimação ou citação. Na rede tem todos os mecanismos de certificação: digital, bílis, assinatura. Não vale para o processo.  Se a interpretação da regra não serve para fazer esse tipo de citação, digitação não poderia corresponder à datilografia, tantas vezes citada nos textos legais.
     Não precisam repetir que qualquer problema requer a conjunção de medidas para a solução. Mas a predisposição para resolver é a premissa básica. Sem esta, as outras não virão. Mas há um agravante. As autoridades justificam a perpetuação às várias dificuldades, como se não tivessem o dever de evitá-las ou resolvê-las. Se fosse para fazer apenas o fácil, não precisaria de administradores. Os cidadãos são tachados de simplistas quando apontam soluções. Ou seja, correto seria apenas aceitar as justificativas. E apregoam que acreditem na justiça. Com os resultados zerados, só se fôssemos todos vulgares!
     Enquanto réu confesso, como Pimenta Neves, décadas para ser julgado, sem corar ninguém de vergonha por isso; enquanto a Justiça brasileira não puder julgar todos e quaisquer crimes num prazo máximo de um ano, seu padrão de qualidade é péssimo. Não importa se outros países possam ultrapassar esse prazo. Também são ruins. Nada deveria ficar mais de um ano sem julgamento. Atribuir julgamento justo e correto tecnicamente à demora em vários anos, ou é maldade ou esperteza.      Os “excelentíssimos” Paulo Medina, Rocha Mattos e Lalau deveriam ser seguidores fiéis dessa tese.

 

Pedro Cardoso da Costa é Bacharel em Direito e reside em Interlagos/SP

 

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

EP cresce 5; Abílio perde 3, diz Ibope

emanuel pinheiro 400 curtinha   Pelos números do Ibope, revelados nesta sexta à noite pela TV Centro América (Globo), Abílio Júnior (Podemos) oscilou negativamente 3 pontos percentuais em menos de uma semana, de 48% para 45% das intenções de voto. Já o emedebista Emanuel Pinheiro (foto)...

Sob arrogância, ataque e desrespeito

abilio junior 400 curtinha   O candidato Abílio Junior (foto), que disputa o segundo turno em Cuiabá com o prefeito Emanuel, chegou bastante nervoso e irritado para o debate nesta sexta, na TV Vila Real (Record). Demonstrando arrogância, ignorou o superintendente do Grupo Gazeta de Comunicação, Dorileo Leal, na...

Candidatos, tensão, debate e bate boca

antoniocarlos   Em debate tenso, na TV Vila Real (do grupo Gazeta) e, após troca de acusações sobre atos de corrupção e servidores fantasmas, os candidatos à Prefeitura de Cuiabá Abílio Júnior (Pode) e Emanuel Pinheiro (MDB) protagonizaram bate boca por mais de uma vez. O clima ficou...

Abílio contrata 400 fiscais para eleição

A campanha do candidato Abílio Júnior (Pode) decidiu contratar 400 fiscais para atuar nesta eleição de domingo. Isso derruba o discurso do candidato do Podemos de que todos atuam de forma voluntária em prol da sua vitória. Aliás, quando questionado sobre a grande estrutura que montou neste segundo turno, inclusive sobre a equipe de marketing, disse que todos são colaboradores. Na sua versão, ninguém recebe pelo trabalho,...

Entrando na briga à AMM muito tarde

maurao curtinha 400   Mauro Rosa, o Maurão (foto), que está encerrando o segundo mandato como prefeito de Água Boa, é o único candidato no duelo com Neurilan Fraga, que busca mais um mandato no comando da AMM, entidade que representa as prefeituras mato-grossenses. O problema é que Maurão entrou...

Com Paccola, Câmara terá polêmicas

paccola 400 curtinha   O vereador eleito pela Capital, tenente-coronel PM Marcos Eduardo Ticianel Paccola (foto), do Cidadania, promete levar muitas polêmicas para os embates que pretende travar no Legislativo. Ele é daqueles sem papas na língua. Defende, por exemplo, que a população tenha direito de se armar. Em...