Últimas

Terça-Feira, 12 de Junho de 2007, 17h:37 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:15

JUDICIÁRIO

Íntegra do discurso feito pelo desembargador Mariano Travassos

     “Atendendo mais uma vez à convocação da liderança desta Corte assumi, prazerosamente, a missão de saudar os novéis magistrados que, nesta sessão solene, vão tomar posse no cargo de Juízes Substitutos do Estado de Mato Grosso. 

    O momento é impregnado de simbolismo. O Poder Judiciário Nacional está na berlinda. Isto é bom ou é ruim, eu questiono? E respondo: é necessário. Não há dúvida alguma de que o País e a sociedade brasileira passam por profundo processo de transformação, o qual se apresenta indubitavelmente melhor.

     Há poucas semanas a instituição foi sacudida por revelações investigativas do órgão policial federal que apontava para alguns membros da instituição suspeitos de comportamento incompatível com o exercício do cargo. Tais afirmações causaram choque em todo o corpo social que, certamente, não esperava que os males da corrupção tivessem se infiltrado nos escaninhos da instituição.

      Mas ela, a corrupção, somente tem uma meta: agigantar-se e tomar conta do Estado, sugando recursos, desviando condutas, comprometendo elites e, principalmente, impedir a distribuição da riqueza nacional, o acesso de todos ao bem estar, enfim, ao digno padrão de vida. E se for preciso corromper servidores públicos judiciários incumbidos de distribuir a justiça neste país, não há reserva moral para isso. O Poder Judiciário Nacional é um aliado de primeira hora de qualquer processo investigatório tendente a combater a corrupção que, infelizmente, grassa neste país em todos os setores de sua administração. Inclua-se o Judiciário. Se tivermos que cortar a própria carne não haverá, como não está havendo, manifestação corporativista.

      É preciso que se diga à sociedade que toda a ação policial investigativa que está sendo levada a efeito neste país é amparada por uma autorização judicial, inclusive aquelas que estão identificando membros do Poder Judiciário como suspeitos de atos de corrupção. O que me preocupa, senhores, não é a investigação que, repito, precisa ser feita, ainda que cause dor e surpresa, mas é salutar para o país. É um basta que veio para modificar uma cultura. É preciso, entretanto, que todo este processo doloroso de transformação da cultura do estabelecido, do que vem há muito tempo, do levar vantagem a qualquer preço, tudo isso, toda essa transformação seja conduzida com critério, prudência, respeito aos direitos individuais e sem olvidar do princípio do contraditório e da ampla defesa. A prisão preventiva é uma exceção e não uma regra. Não se prende para depois apurar se há responsabilidades. Prende-se após se identificar autoria, materialidade e necessidade da segregação precoce. 

     Investigação policial séria deve vir desacompanhada de show de mídia e vazamento de informações de inquérito que tramita em caráter sigiloso. A sociedade não compreende, e com absoluta razão, ordens de prisão que, em poucos dias após sua assinatura, são revogadas por Corte Superior por carecerem de critérios e pressupostos legais. Entenda-se: prendeu-se por um ato de arbítrio e em afronta a princípios constitucionais.

    Mas tudo que discorri aos novéis magistrados, às autoridades e ao público presente, tem uma única finalidade: nada, absolutamente nada, que se apurar de conduta desairosa deste ou daquele membro do Poder Judiciário comprometerá a instituição judiciária deste país que, sem dúvida, é um dos setores da administração pública menos, bem menos, atingido por atos de corrupção de seus membros. São questões pontuais. Aqui e ali. Como se a corrupção estivesse a dizer: Nem vocês me escapam! O Judiciário pode não escapar, mas certamente tem os predicados necessários para combatê-la, neutralizá-la e mostrar para a sociedade que esses pontuais desvios de conduta nem de longe comprometem a credibilidade e a seriedade de um Poder que tem a incumbência de distribuir a justiça neste país, e que o faz, como um todo, dentro de um padrão ético irrepreensível.

    Todavia, meus caros colegas, neófitos magistrados,  Alethea, Cristiane e Roger, a partir de agora vocês farão parte de uma estrutura que distribui a justiça neste Estado o qual tem história digna, ainda que com alguns percalços, e que é motivo de orgulho para toda a sociedade mato-grossense. Se se interessarem um pouquinho pela cultura desta sociedade verão registrados na sua história nomes oriundos da magistratura mato-grossense, que somados a outros edificaram laços culturais que transcendem os limites territoriais deste Estado, e provocam manifestações de orgulho e satisfação.

     Para quem não sabe, hoje há em tramitação nos fóruns deste Estado cerca de 675 mil processos. Na justiça de primeiro grau tramitam aproximadamente 652 mil processos, e de segundo grau (Tribunal) mais ou menos 23.000 mil processos. Comarcas instaladas já temos 79. E hoje existe uma carência de magistrados no Estado da ordem de 49 juízes. E ainda afirmo para todos, com absoluta segurança, que nosso Tribunal é um dos que mais rapidamente julga dentro do contexto federativo. Esse rápido painel, novatos juízes, é somente para vocês terem idéia da grandeza do Poder de que vão fazer parte e do compromisso que estão assumindo com esta sociedade.

    Mas a felicidade profissional dos senhores não fica apenas neste contexto, vocês terão o privilégio de ingressarem na magistratura mato-grossense numa gestão sob o comando do Desembargador. Paulo Lessa, na Presidência, Desembargador. Orlando Perri, na Corregedoria e Desembargador Rubens de Oliveira Santos Filho, na Vice-Presidência, trindade, sem dúvida, vocacionada para a gestão do bem público e titulares de políticas públicas judiciárias que certamente provocarão na sociedade um sentimento de que o Judiciário vive mais uma vez um momento de grandeza.

     Mas a pergunta crucial que cada um dos senhores deve estar fazendo a si próprio, e aqui me plagio, é: O que é ser juiz? Que figura humana é esta que tem o poder de prender e soltar, suprimir e de por, de fazer sorrir e fazer chorar?

     É um dos seres humanos mais solitários desta vida, afirmo eu. Trata-se de servidor público de elite que açambarca em suas mãos um poder que o capacita ao exercício do justo, mas também possibilita o cometimento de injustiças. Estas, às vezes, irreparáveis. É um fardo pesado. Não é para qualquer um carregar. A MAGISTRATURA ESTÁ RESERVADA AOS FORTES. É-lhe condição primeira.

     Exercitá-la exige compromisso social, postura ética, apurado sentido do justo, humildade, para se utilizar do imenso poder de decidir com cautela, parcimônia e tolerância. Mas se a missão é pesada, por outro lado, não há, na minha concepção, atividade profissional que ofereça a seu usuário tanta compensação emocional e tanto sentimento de manuseio de cidadania e compromisso social. O magistrado, é sem dúvida nenhuma, um dos instrumentos mais edificantes da vida em sociedade. O prazer é muito maior que o trabalho.

    Desejo a vocês, neófitos magistrados, que realizam hoje um dos sonhos de suas vidas, uma profícua, duradoura e bem sucedida caminhada profissional, tendo sempre em linha de consideração que não são Deus, mas invoquem Sua proteção e sabedoria a fim de que a cada julgamento de seus semelhantes estejam imunes à soberba, ao arbítrio e à intolerância.

     A corte deseja a vocês felicidade profissional e pessoal. Muito obrigado”

Mariano A.R. Travassos

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

Poconé tem hoje vários "prefeitáveis"

euclides santos 400 curtinha   O ex-vereador e ex-prefeito de dois mandatos de Poconé, Euclides Santos (foto), que era do MDB e agora está no PSDB, vem se movimentando nos bastidores para concorrer novamente à sucessão municipal. Seria um dos nomes de oposição ao prefeito Tatá Amaral, que vai tentar...

Apostas do PTB para vereador em VG

silvio fidelis 400 curtinha   Detentor da segunda maior bancada na Câmara de Várzea Grande, com cinco assentos, atrás somente do DEM da prefeita Lucimar, que conta com sete vereadores, o PTB aposta na hipótese de ao menos manter as cinco vagas. E todos os seus vereadores vão à reeleição, sendo...

Despesas e o uso eleitoreiro de CPI

marcelo bussiki 400 curtinha   Buscando visibilidade pela reeleição em ano eleitoral, alguns vereadores da Capital, vergonhosamente, usaram e abusaram de dinheiro público para promoção pessoal na esteira da CPI do Paletó. A tendência é do relatório paralelo que pede afastamento do...

Sorriso incentiva 40 projetos culturais

ari lafin 400 curtinha   A seis meses de concluir o mandato, o prefeito de Sorriso, Ari Lafin (foto), estabeleceu, dentro do Plano Municipal de Cultura, o "PROMIC - Festival da Cultura 2020" para contemplar 40 projetos cujos valores somam R$ 340 mil, envolvendo artes visuais, artes cênicas, cultura popular, música, audiovisual,...

Quase R$ 2 mi para o Lucas Protegida

binotti 400 curtinha   A Prefeitura de Lucas do Rio Verde, sob Luiz Binotti (foto), contratou, por R$ 1,9 milhão, um consórcio formado pela Rocha Comércio de Equipamentos, que ficará com a maior "fatia" de R$ 1,4 milhão, e a Airplates Tecnologia da Comunicação, com R$ 521,7 mil, para desevolver o...

Silêncio sobre operação e elo com MBL

ulysses moraes 400 curtinha   O deputado de primeiro mandato Ulysses Moraes (foto), que deixou o DC e se filiou ao PSL, coordenador em Mato Grosso do Movimento Brasil Livre (MBL) e chamado por muitos de paladino da moralidade, mesmo sendo bastante ativo nas redes sociais, não usou a internet para comentar a operação da...

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

Em Cuiabá, o prefeito suspendeu a decisão de implantar rodízio de veículos entre placas pares e ímpares devido à Covid-19. Mas quer debater a ideia. Você concorda com rodízio?

concordo

discordo

tanto faz

não sei

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.