Últimas

Segunda-Feira, 04 de Junho de 2007, 11h:48 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:15

Artigo

Invasão da vida pública

 

     "Renan respondeu às acusações no lugar errado – a cadeira de presidente do Senado.O que fazia ele sentado lá? Tentava se confundir com a instituição. É o nosso Luís XIV das Alagoas?" . Confira reprodução abaixo. 

     O senador Renan Calheiros, capturado no centro do escândalo sobre suas relações financeiras com um lobista de empreiteira, cometeu o pecado de invadir a vida pública.
     Ao tentar explicar-se para os colegas por meio de um discurso de 2.800 palavras que levou 23 minutos para ler, o senador quis apresentar-se como vítima de uma invasão de sua vida privada. No discurso, disse que iria "confessar pecados" e revelar "segredos sagrados" para defender-se do "pseudo-escândalo" sobre sua "vida pessoal". Reclamou que não tinha o direito de usufruir a "cláusula pétrea" que garante "privacidade a todos" e reclamou do "constrangimento" de expor sua "vida íntima e pessoal". Voltou ao tema várias vezes e, lá pelas tantas, declarou: "O que eu quero mais uma vez denunciar é essa ignomínia da invasão da minha vida privada, daquilo que é mais sagrado na construção da sociedade, que é a família". Tudo show de autovitimização.
     Veja não invadiu a privacidade de Renan Calheiros. Denunciou, isso sim, que o senador tinha relações promíscuas com um lobista de empreiteira que pagava suas despesas pessoais. Que despesas? A pensão e o aluguel para a jornalista Mônica Veloso, com quem teve uma filha. Ponto. Na reportagem, VEJA não publicou o nome da criança. Não disse que o senador era casado quando teve a filha, não disse que se tratava de uma relação extraconjugal, não informou quanto tempo durou o romance, onde se encontravam, nada. Não disse – para usar uma expressão que o senador adora – "abissolutamenti nada" que pudesse soar, ainda que remotamente, como uma invasão de sua vida pessoal. Aliás, que se saiba: VEJA teve acesso a cinco transcrições de conversas gravadas entre o senador e a mãe de sua filha. É lixo para jornalistas, mas uma delícia para alcoviteiros. VEJA fez jornalismo e não lhe invadiu a vida privada.
     Renan é que invadiu a vida pública. A começar pelo fato de que respondeu às acusações no lugar errado – sentado na cadeira de presidente do Senado. O que fazia ele sentado lá? Nem Jader Barbalho, quando enredado em seus ranários e fazendões, agiu de modo tão lamentável. E por que Renan falou daquela cadeira? Para envolver o Senado da República em sua crise individual. Para se dar mais poder, impressionar a platéia, jogar o peso de sua autoridade sobre a mãe de sua filha, escudar-se na instituição. Renan não foi acusado de nada na condição de presidente do Senado, mas como homem público, de quem se suspeita pesadamente que se envolveu numa teia de favores e corrupção. Que falasse da tribuna, como qualquer senador. Mas não.
     A certa altura de seu discurso, lacrimoso e esburacado, o senador deixou evidente sua tentativa de envolver o Senado da República em seu problema pessoal e chegou a dizer o seguinte: "Quando me agridem, ferem também uma das mais altas instituições nacionais. Quando me miram atingem a instituição". Mas que raios o senador pensa que é? A personificação das instituições nacionais? Luís XIV das Alagoas? Le Sénat c'est moi? A atitude do senador é um disparate, mas não é propriamente um ineditismo: é apenas o velho retrato da usurpação da coisa pública com propósitos pessoais.


André Petry é articulista de Veja

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

DEM agora sem amarras dos Campos

frankes siqueira curtinha 400   Sem o controle absoluto dos Campos, como nas últimas duas décadas, desde quando era PFL, o DEM, que não elege vereador em Cuiabá desde 2004, vive melhores expectativas, agora sob comando da ala ligada ao governador Mauro. É presidido pelo secretário de Estado de Governo,...

O pulo de Elias do PSDB para o DEM

elias santos 400 curtinha   Elias Santos (foto), irmão do deputado Wilson, agiu como estrategista na construção de sua pré-candidatura a vereador por Cuiabá. Concluiu que teria mais dificuldades de obter êxito nas urnas no PSDB porque os dois vereadores tucanos que vão à...

DEM e voz na Câmara após 16 anos

marcelo bussiki 400 curtinha   O DEM (antigo PFL) passa a ter voz na Câmara da Capital 16 anos depois. Aproveitando a janela de março em que a Justiça Eleitoral permite mudança de legenda sem risco de perda do mandato, dois vereadores migraram para o Democratas, sendo eles Marcelo Bussiki (foto) e Gilberto Figueiredo, que...

MDB agora com 2 na Câmara-Cuiabá

juca do guaran� curtinha 400   O MDB do prefeito Emanuel Pinheiro, que não elegeu vereador em 2016 em Cuiabá, agora ganha duas vozes na Câmara. Tratam-se de Juca do Guaraná (foto), militante histórico do nanico Avante que resolveu migrar para a legenda emedebista, e do recém-empossado...

PT segue sem voz na Câmara-Cuiabá

bob pt 400 curtinha   O PT, presidido em Cuiabá por  Elisvaldo Almeida, o Bob (foto), está mesmo "queimado" e sem prestígio. Em meio ao troca-troca de partido entre os vereadores cuiabanos, aproveitando a janela de março, cujo prazo para mudanças para quem deseja se candidatar em outubro encerrou-se neste...

Deputado, única causa e os interesses

xuxu 400 curtinha   Xuxu Dal Molin (foto), deputado pouco atuante e limitado a defender a bandeira do agronegócio, é mais um daqueles que demonstram, na prática, usar a política para beneficiar os seus. De familiares de agricultores, Xuxu bateu duro, se posicionando contra a proposta encaminhada pelo governador Mauro...

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

Você concorda com a decisão de prefeitos, que começam a decretar estado de emergência, fechando comércio, serviços públicos e o transporte coletivo?

sim

não

sei lá!

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.