Últimas

Segunda-Feira, 25 de Dezembro de 2006, 09h:53 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:15

Artigo

Irresponsabilidade socioambiental

     Irresponsabilidade socioambiental

        Eugênio Singer

     O último Relatório de Sustentabilidade de Cambridge, publicado em agosto de 2006, apresenta os resultados dos Diálogos Sustentáveis realizados entre 2003 e 2006, com mais de 400 especialistas em sustentabilidade de cinco países: Áustria, Quênia, África do Sul, Reino Unido e Estados Unidos.

   Segundo o relatório, "a meta ou o propósito fundamental de uma boa economia é melhorar, de forma constante, o bem-estar de todos, agora e no futuro, com o devido cuidado à eqüidade, dentro das limitações da natureza e através do ativo engajamento de todos os participantes". Muito bem, até aqui nada de novo. Milhares de definições desta natureza têm sido realizadas desde o primeiro milênio, Aristóteles que o diga!

     Segundo o mesmo relatório, as principais falhas da economia atual são: a falta de educação; a falta de governança; o foco no curto prazo; a injusta distribuição de poder, riqueza e bem-estar; a fraqueza humana; os incentivos impróprios como o comércio não sustentável ou injusto; os custos de externalidades, desconsiderando valores sociais e ambientais; a falta de consenso coletivo sobre o propósito de longo prazo ou metas para uma boa economia; valores incompatíveis com a sustentabilidade e métricas erradas.

     O Relatório de Sustentabilidade de Cambridge indica ainda que a boa economia deva ser: inclusiva, focando no compartilhamento e benefícios globais; de longo alcance focando nas conseqüências e gerações futuras; desenvolvimentista e com melhoria contínua; eqüitativa na justa distribuição; sustentável; participativa; inovadora; diversificada; acessível no tangente a oferta de oportunidades e atenta ao bem-estar e qualidade de vida das pessoas;

   Todas as definições e métricas aplicadas ou resultantes destes diálogos parecem não conseguir romper a barreira tão desejável da sustentabilidade que a cada ano se torna mais virtual.

     Toda vez que avaliamos os resultados de algo que propomos e não conseguimos alcançar, estabelecemos novos indicadores, novas metas, novos paradigmas. No mundo empresarial dizemos que rodamos o PDCA e por meio de uma análise crítica estabelecemos as novas metas. A questão é que quando existe o consenso para a definição dos novos patamares, ou quando o avanço orgânico do desenvolvimento é tímido, a "coisa" vai mesmo é patinar!

      Um dos índices mais intrigantes que vi recentemente foi o Índice de Felicidade do Planeta (HPI). O HPI é uma métrica inovadora que mostra a eficiência ecológica com a qual o bem-estar humano é entregue. O conceito é básico, três macro-indicadores: satisfação, expectativa de vida e pegadas ecológicas. O HPI é a relação entre estas três variáveis: Satisfação de vida x Expectativa = HPI

      Os resultados podem surpreender, pois o paradigma ortodoxo de desenvolvimento econômico é abstrato no índice. O HPI procura mostrar as relações entre os fundamentais recursos planetários, a forma como são transformados e entregues para a sociedade, em termos da sua satisfação e expectativa de vida.

     De acordo com o HPI, os países mais "felizes" são a Colômbia, Panamá, Santa Lucia, São Vicente e Grenadinas e Vanuatu. Já no bloco inferior encontram-se Latvia, Lituânia e Rússia.

    O Brasil apresenta uma desvantagem intrínseca inicial muito grande. Por maior que seja nossa expectativa de vida individual e nossa satisfação, as pegadas ecológicas são tão ruins, que já começamos com um enorme deságio no HPI. Ocupando uma posição intermediária, o Brasil apresenta um HPI de 48.6 para uma expectativa de vida de 70.5 anos, uma satisfação de 6.3 e uma pegada ecológica de 2.2.

    Estas são conclusões interessantes que nos remetem a uma reflexão profunda para pensarmos no país que queremos, ou que metas são realmente alcançáveis e importantes para nossa sociedade. O fato é que as agendas recentes têm se perdido nas últimas décadas e o que temos encontrado mesmo são verdadeiras irresponsabilidades socioambientais. Mesmo assim, o solo é fértil, os recursos ainda são abundantes e, apesar da baixa estima, podemos virar este jogo. Sejamos felizes, mas conscientes com nosso consumo e pegadas ecológicas!

    Eugênio Singer, empresário e ambientalista, é sócio fundador da ERM Brasil e do Instituto Pharos e membro do Comitê Idealizador do Instituto DNA Brasil (Reprodução na íntegra do artigo publicado em A Gazeta em 25/12/2006)

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

Nezinho, nova derrota e aposentadoria

nezinho 400   Aos 69 anos, o petebista Carlos Roberto da Costa, o Nezinho (foto), considerado da velha guarda política, tentou, mas foi reprovado nas urnas em Nossa Senhora do Livramento. Ele concorreu a prefeito em quatro pleitos. E já exerceu dois mandatos. Nezinho já foi secretário-adjunto de Fazenda do Estado,...

EP cresce 5; Abílio perde 3, diz Ibope

emanuel pinheiro 400 curtinha   Pelos números do Ibope, revelados nesta sexta à noite pela TV Centro América (Globo), Abílio Júnior (Podemos) oscilou negativamente 3 pontos percentuais em menos de uma semana, de 48% para 45% das intenções de voto. Já o emedebista Emanuel Pinheiro (foto)...

Sob arrogância, ataque e desrespeito

abilio junior 400 curtinha   O candidato Abílio Junior (foto), que disputa o segundo turno em Cuiabá com o prefeito Emanuel, chegou bastante nervoso e irritado para o debate nesta sexta, na TV Vila Real (Record). Demonstrando arrogância, ignorou o superintendente do Grupo Gazeta de Comunicação, Dorileo Leal, na...

Candidatos, tensão, debate e bate boca

antoniocarlos   Em debate tenso, na TV Vila Real (do grupo Gazeta) e, após troca de acusações sobre atos de corrupção e servidores fantasmas, os candidatos à Prefeitura de Cuiabá Abílio Júnior (Pode) e Emanuel Pinheiro (MDB) protagonizaram bate boca por mais de uma vez. O clima ficou...

Abílio contrata 400 fiscais para eleição

A campanha do candidato Abílio Júnior (Pode) decidiu contratar 400 fiscais para atuar nesta eleição de domingo. Isso derruba o discurso do candidato do Podemos de que todos atuam de forma voluntária em prol da sua vitória. Aliás, quando questionado sobre a grande estrutura que montou neste segundo turno, inclusive sobre a equipe de marketing, disse que todos são colaboradores. Na sua versão, ninguém recebe pelo trabalho,...

Entrando na briga à AMM muito tarde

maurao curtinha 400   Mauro Rosa, o Maurão (foto), que está encerrando o segundo mandato como prefeito de Água Boa, é o único candidato no duelo com Neurilan Fraga, que busca mais um mandato no comando da AMM, entidade que representa as prefeituras mato-grossenses. O problema é que Maurão entrou...