Últimas

Quarta-Feira, 26 de Março de 2008, 20h:56 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:20

RONDONÓPOLIS

Irritado, Sachetti vê politicagem em Pátio e Muniz

Adilton Sachetti, prefeito de Rondonópolis  O prefeito de Rondonópolis, Adilton Sachetti (PR), que deflagrou sua pré-campanha por um novo mandato, se mostrou irritado nesta quarta com o principal adversário, deputado Zé Carlos do Pátio (PMDB), por causa da denúncia de que o gestor teria se beneficiado de uma área que abrigava uma escola. "Ele (Pátio) precisa aprender o que é bom para a sociedade: um terreno abandonado ou salas-de-aulas? Chega de tanta demagogia política. A população não aceita mais isso", declarou o prefeito, para, em seguida, pedir desculpas pelo desabafo.

   Sachetti disse ainda que o deputado peemedebista participou do processo de doação do terreno e o acusou de fazer politicagem. “Ele deve respeitar quem trabalha. Se não está acostumado, precisa começar a olhar para essas pessoas que fazem o certo”, reagiu. O prefeito garantiu que tudo foi feito de forma legal, com autorização da Assembléia Legislativa. Segundo Sachetti, a venda do terreno foi feita através de leilão público e rendeu aos cofres públicos mais de R$ 1 milhão, revertido para construção de salas-de-aulas. "Foram construídas 35 salas em bairros com mais dificuldades e que não tinham condições de ampliar as unidades".

    O republicano explicou também que a escola já havia sido desativada há mais de dois anos, pois não havia demanda. "Por ser um bairro de classe média-alta a maioria das crianças estudam num colégio particular do próprio bairro e não havia necessidade de uma escola pública no local", afirma. Sachetti contou ainda que o prédio estava abandonado, servindo de ponto de encontro para marginais. "As pessoas estavam frequentando o lugar para usar drogas, prejudicando a própria população", comenta.

   Sachetti esclareceu que a rua fechada em função da ampliação de sua casa foi adquirida através de um leilão, há mais de cinco anos. "Na época, o prefeito Percival Muniz (PPS) fechou várias ruas no bairro e transformou em terrenos que foram leiloados. Eu comprei uma dessas ruas e depois vendi metade para o governador, através de uma negociação particular, feita de forma legal", esclarece.

    Dívidas

   Adilton Sachetti também rebateu a acusação do deputado Muniz referente às dívidas da Prefeitura de Rondonópolis com a Rede/Cemat. Muniz, que foi prefeito por dois mandatos, insinuou que o republicano teria se beneficiado com a dívida deixada por ele no valor de R$ 6 milhões. Clique aqui e confira.

   Muniz acusou Sachetti, com quem está rompido politicamente, de ter feito um acordo com a Rede/Cemat e aumentado a dívida para R$ 18 milhões. O republicano, que já contou com o apoio do hoje deputado na eleição de 2004, pondera não ter nada para esclarecer sobre o assunto, pois a dívida não é dele. "O Percival é quem tem que explicar alguma coisa, pois foi ele que mrecebeu o dinheiro do povo e não pagou. Eu fiz um acordo com a Cemat, aprovado pelo Tribunal de Contas, para renegociar a dívida deixada por ele. Aliás, o Percival deveria ler o acordo para saber como se faz para pagar as contas em dia", rebateu. (Alline Marques)

Postar um novo comentário

Comentários (1)

  • zezinho da vila operaria | Quarta-Feira, 31 de Dezembro de 1969, 20h00
    0
    0

    Isso ae seu adirton, mostra para o povo como o senhor fez a magica de 06 milhoes virar 18 milhoes da noite para o dia, o percival postergava a divida por achar os numeros inreais e por ser suposição, mais o senhor assinou o atestado de culpa liquidando uma divida mostruosa e absurda, vamos pedir a intervençao do MP atraves da promotora, que ela sim faz a funçao de fiscalizadora da lei.
    Outra coisa vamos solicitar uma consulta de opiniao publica em relaçao a este pagamento e informar o valor que o prefeito pagou para uma empresa privada.
    Eu queria tambem saber sobre como algumas construtoras falidas liguidaram suas dividas e no mesmo local montarão outras 4, que da noite para o dia ficaram ricas será que o mercado é tão promissor ou é só eleitoreiro?

Efeito-Covid adia vinda de Michelle

michelle bolsonaro A primeira-dama de Cuiabá, Márcia Pinheiro, e a secretária da Mulher, Luciana Zamproni, resolveram transferir para abril a agenda de 11 de março que teria como convidada a secretária nacional de Mulheres, do Ministério dos Direitos Humanos, Cristiane Britto e a primeira-dama do Brasil Michelle...

Governador entre a cruz e a espada

mauro mendes curtinha   Às vésperas da pandemia completar 1 ano em MT, o Estado vive o seu pior momento e o governador Mauro Mendes (foto) enfrenta uma verdadeira prova de fogo: liderar ações coordenadas em todo o território mato-grossense para evitar que o Estado viva cenas parecidas com as de Manaus e de Estados...

Câmara volta a realizar 2 sessões

juca 400 curtinha   A Câmara de Cuiabá, sob a presidência do vereador Juca do Guaraná Filho (foto), volta a realizar duas sessões semanais, nas terças e quintas. Por conta da pandemia, as sessões serão remotas. A resolução foi aprovada por unanimidade pelos parlamentares que vinham...

Coronel linha dura morre ao 91 anos

Coronel Abid 400   Morreu   em Campo Grande (MS), aos 91 anos,  o coronel da PM aposentado Adib Massad (foto), considerado  um dos principais nomes  da Segurança Pública de Mato Grosso na década de 1970. À época, ainda com a patente de  tenente, foi comandante regional...

Mauro e vitórias na briga de decretos

orlando perri 400 curtinha   A estratégia do governador Mauro Mendes de articular com os Poderes a edição do decreto de toque de recolher vem dando frutos. O governo publicou decreto impondo toque de recolher das 21h às 5h, com fechamento do comércio às 19h. O prefeito de Cuiabá, Emanuel Pinheiro,...

Prefeito é intubado e pode ir para SP

Prefeito de Tapurah Carlos Alberto Capeletti   É grave o quadro de saúde do prefeito de Tapurah (432 km de Cuiabá), Carlos Alberto Capeletti (PSD). Após piora, ele precisou ser intubado nesta quinta (4). Foi internado na terça (2), após testar positivo para Covid-19, em uma UTI no Hospital 13 de Maio, em...