Últimas

Quinta-Feira, 22 de Fevereiro de 2007, 09h:59 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:15

Artigo

Jeca Tatu

     O economista Roberto Troster comenta, em artigo na Folha de S. Paulo desta quinta (22), que o Brasil vive uma obsolescência. 'Evolui-se aqui, mas a uma velocidade menor que no resto do mundo', comenta. Confira o artigo abaixo.

    JECA TATU é um conto inspirador de Monteiro Lobato, é um exemplo emblemático de superação da estagnação. Teve uma tiragem da ordem de 20 milhões de exemplares e há relatos de que modificou a vida de muitos. É verossímil fazer um paralelo entre a história e o Brasil de hoje.
    O personagem era dono de um sítio no interior. Possuía os recursos para uma vida com fartura, mas não os aproveitava. Tirava apenas para seu sustento, a sua produção era bem aquém de seu potencial. Contrastando, seu vizinho, um italiano, produzia em abundância e melhorava seu padrão de vida a cada ano que passava.
     Nas últimas décadas, o Brasil, país do Jeca Tatu, teve um desempenho bem aquém de seu potencial e abaixo da média dos demais países emergentes. Possui os recursos: gente, capacidade de produzir, riquezas naturais e acesso a mercados, mas não usufrui de todo seu potencial.
      Um doutor diagnosticou o problema do caipira, a anquilostomíase. Popularmente conhecida como "amarelão", é causada pelo bicho do pé. Após convencê-lo da causa de seus males, com prescrição da adoção do uso de botinas e de tomar o remédio receitado, curou-o. Jeca Tatu deu a volta por cima. Mudou tanto que deixou o doutor fascinado, tamanha a mudança, e espantou até o vizinho italiano, que, admirado, admitia nunca ter visto um sítio produzindo tanta abastança. O Brasil é capaz de fazer o mesmo.
      O "amarelão" do Brasil chama-se obsolescência. Evolui-se aqui, mas a uma velocidade menor que no resto do mundo. O país não se adapta à velocidade necessária. Há medo de mudanças. Com isso, a defasagem aumenta a cada dia que passa.
       A obsolescência é dissonante com uma característica típica do país: a ginga, o jogo de cintura dos brasileiros. Não surpreende a ninguém o desempenho espetacular nesse quesito.
       Em concursos de publicidade, em soluções empresariais, em novos produtos e em adaptações a situações difíceis, o Brasil é campeão, não tem rivais. Mas justamente a característica mais forte é a menos utilizada para promover o crescimento.
       Pelo contrário, o rebolado tupiniquim é abafado pelo medo à mudança. Num mundo em transformação, a uma velocidade cada vez mais rápida, a obsolescência é a regra aqui. Ilustrando o ponto, no ranking de competitividade do Fórum Econômico Global, o Brasil está caindo de posições, porque os demais países se adaptam mais rapidamente às mutações no ambiente empresarial. Os avanços são mais lentos aqui. É triste, é como ver um aluno talentoso e aplicado ser reprovado. É inadmissível.
       Outro exemplo é o da legislação trabalhista. É da década de 1930, quando o país era predominantemente agrícola, não foi adaptada aos novos tempos. O resultado é que o número de trabalhadores sem carteira assinada cresce cada vez mais e, conseqüentemente, eles não usufruem de seus benefícios. Atualmente, mais da metade não tem registro, e há, no Brasil, mais de dois milhões de ações trabalhistas por ano. Além de ser um recorde mundial, é um desperdício de milhões de horas de advogados talentosos por conta de uma legislação obsoleta e um estorvo para empresários que querem fazer acontecer.
Insiste-se em fórmulas superadas em vez de focar em economizar e melhorar a qualidade das despesas do governo. O plano de política econômica anunciado, o PAC, é mais do mesmo: gastar mais para crescer. O resultado vai ser igual, um desempenho pífio.
       Na América Latina, Brasil é o que tem o maior déficit fiscal. Não é coincidência que, por isso, está entre os que têm a maior dívida pública, a taxa de juros mais alta, os impostos mais elevados e o crescimento mais baixo. É fruto de continuar usando o mesmo receituário dos anos 1950.
       Os discursos sobre as grandes obras estão em contradição com a realidade, que exige educação e condições para produzir -leia-se reduzir a burocracia, diminuir a tributação e melhorar a infra-estrutura legal, enfim, uma adaptação das condições produtivas brasileiras ao século 21. Condições materiais, vontade de trabalhar e capacidade de se adaptar sobram.
Com isso, trabalhadores e empresários farão acontecer da mesma forma que o Jeca Tatu ao se livrar do "amarelão". O país não pode continuar emperrado por decisões tomadas no passado, é anacrônico. A realidade é outra: o mundo mudou, e a ordem do dia é atualizar políticas, instituições, regras, privilégios e obrigações. Soltando travas do passado, o Brasil do futuro virará o Brasil do presente.


 

ROBERTO LUIS TROSTER , 56, economista, é doutor pela Faculdade de Economia e Administração da USP. Foi economista-chefe da Febraban (Federação Brasileira dos Bancos) de 2001 a 2006.

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

Opositores ganham força em Barra

adilson gon�alves 400 curtinha   Grupos de oposição estão ganhando "musculatura" em Barra do Garças, numa expectativa otimista de derrotar o candidato apoiado pelo prefeito Beto Farias (MDB), o atual vice Wellington Marcos, que está filiado ao DEM. Wellington é considerado nome "pesado"...

Cuiabá já conta com 10 "prefeitáveis"

paulo grando 400 curtinha novo   Dez partidos já possuem um ou mais pré-candidatos a prefeito de Cuiabá. E a "inflação" de nomes tende a aumentar empurrada pela necessidade de sobrevivência dessas legendas, que, lançando nome à majoritária, ajudam seus candidatos a vereador na busca por...

Apoio de Bolsonaro é aposta de França

roberto franca 400 curtinha   Roberto França (foto) segue cheio de esperanças do apoio de Bolsonaro a seu nome como pré-candidato a prefeito de Cuiabá. Entre o sim e o não, preferiu seguir o calendário eleitoral e se afastar da apresentação do seu tradicional programa de TV Resumo do Dia, de...

Adin contra nomeação em Cáceres

angelo audicom 400 curtinha   Presidida por Ângelo Silva de Oliveira (foto), a Audicom-MT, entidade que congrega auditores e controladores internos dos municípios do Estado, ingressou com Adin no Tribunal de Justiça, pleiteando liminar para, assim como ocorreu em Rondonópolis, também derrubar uma lei em vigor...

Viúva de Adriano disputa em Cáceres

anelise silva 400 curtinha   Anelise Silva (foto), viúva do ex-reitor da Unemat e ex-deputado Adriano Silva, lançou pré-candidatura à prefeita de Cáceres pelo DEM do governador Mauro. Ela enfatiza que sofre a dor da perda e que decidiu entrar no páreo para dar continuidade ao projeto de Adriano de...

Vereador tenta barra compra de cestas

diego guimaraes 400 curtinha   O vereador pela Capital, Diego Guimarães (foto), denunciou junto à Ouvidoria do TCE o que definiu como irregular a aquisição, com dispensa de licitação, de cinco mil cestas básicas de alimentos pela secretaria municipal de Assistência Social e Desenvolvimento...

MAIS LIDAS

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

Em Cuiabá, o prefeito suspendeu a decisão de implantar rodízio de veículos entre placas pares e ímpares devido à Covid-19. Mas quer debater a ideia. Você concorda com rodízio?

concordo

discordo

tanto faz

não sei

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.