Últimas

Sábado, 07 de Abril de 2007, 07h:02 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:15

JUDICIÁRIO

Juiz de MT já havia proferido mesma decisão do TSE

   A interpretação do Tribunal Superior Eleitoral de, mediante consulta feita pelo PFL (agora DEM), considerar que os mandatos pertencem aos partidos ou coligação e não aos eleitos para cargos no Legislativo (vereador, deputado estadual, federal e senador), já tinha sido exarada pelo juiz mato-grossense Yale Sabo Mendes desde abril de 2003.

    O magistrado respondia como juiz eleitoral da Comarca de Arenápolis. Ele recebeu pedido de informações do então presidente da Câmara Municipal, Rinaldo Ferrari, hoje vice-prefeito. Ferrari consultou Yale para saber, diante do licenciamento de um parlamentar titular, para qual suplente poderia dar posse, já que alguns tinham mudado de partido. O município vivia caos administrativo com várias denúncias, embates jurídicos e afastamento do prefeito Nego Lu (PSDB).

   Com base no despacho do juiz Yale, hoje titular do Juizado Especial Cível do Planalto, em Cuiabá, a vaga na Câmara ficou com o sétimo suplente João Milan, que, diferente dos primeiros suplentes, se manteve filiado ao PPS desde a eleição de 2000.

   Em um dos trechos do despacho, o magistrado escreve o seguinte, após observar o Artigo 112 da Lei do Código Eleitoral 4.735/65: " (...) a representação junto à Câmara Municipal pertence ao partido político e não à pessoa física do suplente diplomado. Isto porque a eleição para o referido cargo se dá pelo sistema proporcional, somente logrando êxito o candidato na dependência do peso eleitoral da legenda pela qual disputa a vereança. Neste passo, uma vez que após a diplomação, altera o suplente sua filiação partidária, a vaga conquistada continua a pertencer ao partido político ou a coligação".

  Por fim, o juiz conclui: "Pelo exposto, diante da doutrina e da jurisprudência, informo que a vaga do suplente pertence ao partido ou coligação o qual participou, o PPS".

   Hoje, há exatos três anos, o TSE provocou reviravolta no meio político, ao estabelecer a regra da fidelização partidária e sugerir perda do mandato daqueles que trocaram de legenda após a eleição. Somente em Mato Grosso, essa decisão pode custar o mandato do deputado federal Homero Pereira, que trocou o PPS pelo PR, de seis deputados estaduais que seguiram o mesmo rumo (João Malheiros, Sérgio Ricardo, Sebastião Rezende, Roberto França, Wagner Ramos e Mauro Savi) e de dezenas de vereadores.

   "Essa é uma questão antiga. Só não interpretava nesse sentido quem não queria. A lei é clara quanto ao fato do mandato pertencer ao partido. A vaga é do partido e não do eleito", enfatiza o juiz Yale Mendes.

    Primo do ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal, Yale observa que em Mato Grosso os magistrados têm tomado decisões inéditas e interessantes e que acabam não ganhando repercussão nacional como nos casos de sentenças proferidas por colegas que atuam nos grandes centros do país.

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

Trentini perde de novo para Pitucha

roland trentini 400 curtinha   Na queda-de-braço nos bastidores, o ex-prefeito por três mandatos de Alto Garças, Roland Trentini (foto), perdeu de novo para o rival político histórico, o também ex-prefeito Júnior Pitucha. Ambos, que já protagonizaram disputas acirradas, tensas e...

2 maiores líderes sob crise partidária

mauro mendes 400 curtinha   Os dois maiores chefes de Executivos em MT hoje enfrentam problemas partidários internamente. O governador Mauro Mendes (foto), mesmo sendo a principal estrela do DEM no Estado, não está confortável dentro do partido por causa de conflitos com os irmãos Júlio e Jayme Campos....

MM e deputados derrotados do MDB

carlos bezerra 400 curtinha   Por coincidência, deputados do MDB que tiveram seus candidatos derrotados nas urnas estão de afagos com o governador Mauro. E até convidaram-no para deixar o DEM e migrar para o MDB, numa articulação do cacicão do partido, o federal Carlos Bezerra (foto), que puxou a corda da...

Os Maia fincam força no Legislativo

silvio maia 400   O ex-prefeito por quatro vezes de Alto Araguaia, Maia Neto, perdeu nas urnas na majoritária, mas ganhou na proporcional. De um lado, a irmã Martha Maia, seu braço-direito durante todos os mandatos, foi derrotada à prefeita por Gustavo Melo, que se reelegeu. Por outro, Maia Neto viu dois dos seus...

Reeleito, Gustavo derruba o clã Maia

gustavo melo 400   O jovem prefeito de Alto Araguaia, Gustavo de Melo (foto), de 36 anos, manteve mesmo o "apertado" favoritismo, conforme mostrou na reta final a pesquisa do instituto Analisando, e derrotou o clã Maia. Venceu por 962 votos de diferença. Filiado ao PSB, Gustavo chegou a 4.805, enquanto Martha Maia (PP) registrou 3.840...

Nivelando para cima o debate em VG

emanuelzinho 400   Em discurso na Câmara Federal, Emanuelzinho (foto), 3º colocado a prefeito de Várzea Grande, disse ter ajudado a nivelar, por cima, o debate eleitoral, com grandeza e altivez e se mostra entusiasmado. Destaca que "política se faz com seriedade, transparência e com o coração sintonizado...