Últimas

Quarta-Feira, 02 de Maio de 2007, 00h:00 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:15

Artigo

Juventude: mais escolas, menos prisões

    Fazendo coro ao conluio midiático conservador, a Comissão de Constituição de Justiça do Senado (CCJ) aprovou, em 26.04, a constitucionalidade da PEC 20/99, que propõe a redução da maioridade penal para 16 anos.
       Apensar de ter ganhado a primeira batalha, os setores defensores do “endurecimento de penas” contra a juventude vão ter que esperar para comemorar, pois o placar apertado de 12 a 10, indica que a propositura não terá facilidade em ser aprovada nos plenários da Câmara dos Deputados e do Senado. Por se tratar de emenda à Constituição, terá que alcançar “quorum qualificado” (3/5 do número de parlamentares, ou seja, 49 votos no Senado e 308 na Câmara) em duas sessões nas respectivas casas, para ser aprovada.
     Outro fator que também pode frustrar o “instinto reducionista” foi o pronto repúdio manifestado pelo presidente Lula e pelo ministro da Justiça, Tarso Genro contra suaa aprovação. Romero Jucá (PMDB-RR), líder do governo no senado também assegurou que “vamos fazer o possível para derrubar a proposta onde ela estiver.”
      Além do mais, ao contrário da parca maioria da CCJ, a redução é considerado por renomados juristas como “flagrantemente inconstitucional” por abolir um direito e garantia individual, matéria insuscetível de abolição ou mutilação (“cláusula pétrea”), conforme o comando do art. 60, par. 4º, inc. IV da Constituição Federal. Portanto, mesmo se vitoriosa no parlamento será questionada perante o Supremo Tribunal Federal quanto sua constitucionalidade, iniciativa que poderá ocorrer ainda durante sua tramitação.
     A opção política do nosso ordenamento jurídico em estabelecer a inimputabilidade penal do menor de 18 anos data de 1940 (no Império e nos primeiros anos da República, essa condição era apenas aos menores de 14 anos) e está em sintonia com a evolução das conquistas da cidadania e direitos humanos, em âmbito mundial.
      Já em 1949, a ONU indicava a idade de 18 anos como limite razoável para o início da imputabilidade, inspirando paises como Áustria, França, Colômbia, México, Peru, Dinamarca, Finlândia, Noruega, Holanda, Tailândia, Argentina, Cuba, Venezuela, Irã, Turquia, Equador, Luxemburgo e Republica Dominicana, adotarem tal idade para o início da responsabilidade penal. Segundo pesquisa da ONU, apenas 17% de legislações num grupo de 50 adotam idade inferior a 18 anos como critério para a definição legal de adulto, dentre eles, Estados Unidos, Haiti, Índia e Inglaterra. A Convenção Sobre os Direitos da Criança, adotada pela Resolução n. 44 da ONU, de novembro de 1989, e ratificada pelo Brasil em 1990, também recomendou o limite de 18 anos.
     No entanto, aqui no Brasil, na atualidade, deparamos com um “clamor” pela redução da maioridade, patrocinado pela grande mídia conservadora. Esse fato geralmente é impulsionado quando há uma grande tragédia com a participação de algum menor no crime, a exemplo do recente caso do garoto “João Hélio”.
     Caso similar ocorreu no final de 2003, quando do assassinato brutal do casal de namorados Liana Friedenbach e Felipe Caffé, que teve a participação do menor “Chapinha”. Na ocasião, também se exigia, como solução da onda de violência, a redução da maioridade. Na época, o advogado Ari Friedenbach, pai de Liana, defendeu fervorosamente essa tese, com direito a desfile em cima de um carro de som, durante manifestação pró-redução. Até mesmo o rabino Henry Sobel (aquele do furto das gravatas nos EUA), que detinha grande respeitabilidade, chegou a defender a redução da maioridade e a pena de morte “na qualidade de pai”.
     Hoje, mudaram de opinião. O primeiro, declarou recentemente que achava “um disparate colocar na prisão um jovem de 15, 16 anos", confessou que "defendi a redução da maioridade no pós-choque", mas explicou que "com o tempo, elaborei meus pensamentos, discuti o assunto com especialistas, li muito", até chegar à conclusão que defende hoje. Já o rabino Sobel, numa tentativa de aplainar contundentes críticas dos adeptos do judaísmo (contrários à pena de morte), afirmou tempos atrás que a suas declarações foram motivadas por “intensa emoção” e implorou para que a sociedade compreendesse sua “revolta” (!).
Fato deplorável durante os debates durante a discussão da PEC, foi a posição do Senador Jefferson Peres (PDT-AM) que, desafiando a orientação do seu partido, votou pela redução da maioridade, chegando a justificar que o crime seria oriundo da “carga genética” de determinadas pessoas ou grupos sociais susceptíveis a tal prática. Tese idêntica àquela defendida pelo médico e psiquiatra italiano Cesare Lombroso, nos primórdios do direito penal (1876), a qual afirmava haver indivíduos propensos ao crime, inclusive que poderiam ser identificados pela personalidade e traços físicos. Para ele o criminoso seria “um ser atávico e representa a regressão do homem ao primitivismo. É um selvagem e nasce delinqüente como outros nascem sábios ou doentios, fenômeno que, na Biologia, é chamado de degeneração; apresenta características físicas e morfológicas específicas, como assimetria craniana, fronte fugidia, zigomas salientes, face ampla e larga, cabelos abundantes e barba escassa, etc; insensível fisicamente, resistente ao traumatismo, canhoto ou ambidestro, moralmente insensível, impulsivo, vaidoso e preguiçoso (...)”.
    Ao contrário de posições preconceituosas e remédios “que tendem a matar o paciente”, a solução para a violência, em especial a praticada com a participação de menores, foi muito bem sintetizada pela jovem deputada federal Manuela D’Ávila (PCdoB-RS) ao afirmar que “é preciso superar a contradição entre emprego x educação.” Segundo Manuela, também é importante trabalhar outras medidas de inclusão, como "garantir a permanência de estudantes na sala de aula - viabilizando transporte escolar, por exemplo - e reduzir o número de jovens em situação de violência.” Para ela “o Brasil deve se desenvolver de maneira soberana” para entrar nesse rumo de mudanças. "Temos que fazer com que a economia cresça para viabilizar investimentos na juventude”, pondera a deputada comunista.
   Para finalizar, faço uma referência ao competente, lúcido e sagaz professor e defensor público Fábio Guimarães, do qual tive a honra de ser aluno da disciplina de direito penal na UFMT, que em suas críticas ácidas (mas bem humoradas) aos defensores do aumento de penas e da redução da maioridade penal, costumava afirmar que “esses boçais que defendem o endurecimento de penas é porque nunca passaram um dia numa desses presídios que mais parece uma pocilga de quinta categoria”, demonstrando que o atual sistema carcerário, além de desumano não recupera o cidadão, pelo contrário, são verdadeiras “pós-graduações do crime.”

Miranda Muniz é agrônomo, bacharel em Direito, oficial de Justiça, avaliador federal e presidente estadual do Partido Comunista do Brasil (PCdoB)

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

Máquinas para reciclar garrafas pets

maquina 400 curtinha   Sob iniciativa da secretaria de Inovação e Comunicação da Capital, dentro dos projetos que buscam a sustentabilidade, a prefeitura vai colocar máquinas de reciclagem de garrafas pets em 15 pontos da cidade e com possibilidade de ampliar os locais de recolhimento. Em troca, o cidadão...

4 fora da reeleição em Rondonópolis

jailton 400 vereador curtinha   Em Rondonópolis, quatro dos 21 vereadores não devem ir à reeleição, sendo eles Thiago Muniz (DEM), Rodrigo da Zaeli (PSDB), Hélio Pichioni (PSD) e Jailton do Pesque e Pague (foto), do PSDB. Thiago e Rodrigo têm esperanças de concorrer a...

Prefeito apoia vice à briga em Cáceres

eliene liberato 400 curtinha   Francis Maris vai mesmo declarar apoio oficial à pré-candidatura da empresária Eliene Liberato à sucessão em Cáceres. Em público, o prefeito faz mistério para não contrariar outros pretensos candidatos do grupo e que têm esperanças de receber...

Preparando um dos aliados a federal

mauro carvalho 400 curtinha   Embora não comente publicamente, o governador Mauro Mendes está "costurando" acordos políticos com líderes mais próximos, visando não só o pleito de 2020, mas também às eleições gerais de 2022. Em época de busca de projetos e de...

Salvando 1º ano de mandato no cargo

selma arruda 400 curtinha   Embora "sangrando" e com a imagem arranhada, a juíza aposentada e senadora cassada pelo TRE-MT Selma Arruda, que trocou o PSL pelo Podemos, consegue concluir este primeiro de oito anos de mandato. E vai se licenciar nos próximos dias para ceder espaço aquele que financiou a sua campanha,...

Barbudo é menos empreguista de MT

nelson barbudo 400 curtinha   Dos oito deputados federais de MT, o estreante Nelson Barbudo (foto) é o menos "empreguista". Nestes 10 primeiros meses de mandato, ele nomeou no gabinete em Brasília e no escritório político em Cuiabá apenas 15 assessores. Cada gabinete pode ter até 25 secretários...

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

Como você avalia a decisão do Supremo de suspender prisão imediata após julgamento em segunda instância?

Concordo

Discordo

Tanto faz

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.