Últimas

Sexta-Feira, 06 de Abril de 2007, 00h:00 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:15

Artigo

Lata na vara

      Por ocasião dos 288 anos de emancipação político-administrativa de Cuiabá, comemorados neste domingo (8), a articulista de A Gazeta, Adriana Vandoni, recorda, em artigo, a sua infância no centro e conta que o Clube Feminino sempre esteve no seu imaginário. Confira abaixo.

     Sou saudosista pela própria natureza, sinto saudade de tudo, até do que não vivi. Quando entro hoje no Clube Feminino, agora restaurado pelo secretário de Cultura de Cuiabá Mário Olímpio, sinto como se estivesse entrando em um castelo.

     É verdade. Passei a minha infância ali perto. Morava na Rua Campo Grande e quase todos os dias pela manhã eu acompanhava minha mãe que ia bater papo na casa de Tia Dindinha, ao lado do então abandonado Clube Feminino. Tia Dindinha era Irene Novis, tia e madrinha da minha mãe. Essa é uma mulher que marcou profundamente minha vida. Ela possuía enorme alegria e felicidade de viver, parecia nunca ter tido problemas. Hoje eu a definiria como serelepe, graciosa, viva. Espalhava alegria e doçura com seu rostinho de menina sapeca. Lá de dentro de casa eu sabia quando Tia Dindinha estava passando pela frente, ela passava assobiando, um assobio que era só dela, era como se ela estivesse dizendo: “bom dia, sou eu que estou passando”.

      Então eu ficava lá, escutando a conversa das duas e quando elas comentavam dos antigos bailes do Clube Feminino eu voava na minha imaginação. De tão encantada, tinha a impressão de escutar as músicas que tocavam nos bailes. Lembro-me das duas comentarem sobre um fato ocorrido lá quando um jovem foi impedido de entrar no clube por não ter compostura. Ao escutar o “não tinha compostura” disparei a perguntar o que significava aquilo. Elas explicaram que o rapaz era encrenqueiro, meio revoltado e insatisfeito com sua própria vida, apesar de ser apenas um rapaz e, como era assim “azedo”, brigava em todos os bailes, por isso estava proibido de freqüentar o clube Feminino. Foi a presidente do clube na época que o barrou na entrada do baile. O caso ficou meio confuso em minha cabeça até que, já crescida, conheci o dito cujo, hoje já um senhor, e entendi tudinho o que elas queriam dizer.

    Dessa forma o Clube Feminino sempre fez parte do meu imaginário. E foi lá que dias atrás, acompanhando minha filha num fim de tarde organizado pelo cuiabaníssimo Carlinhos Alves Correia, que me encontrei com a sempre esfuziante Carlina. Nossa, há quanto tempo não batíamos um bom papo! Conversa vai, conversa vem sobre a Cuiabá da nossa infância e sobre muitos cuiabanos, quando Carlina disse:

      - E quando a gente pegava água da Prainha com uma lata amarrada numa vara? Você lembra Adriana?

     - Ah pópará, Carlina. Disso eu não lembro.

    - Lembra sim, Adriana. Deixa de ser cínica. Você também pegava água da Prainha com lata na vara pra molhar a rua e baixar a poeira.

    - Não pegava não. Lembro da Prainha ainda aberta, claro, mas nunca peguei água com lata na vara, juro.

    - Hummm, tá bom Adriana, vou fingir que acredito.

    Essa discussão foi motivo de deliciosas gargalhadas. Mas juro de pé junto, que nunca peguei água da Prainha com lata na vara. E olha que eu era de aprontar, até entrar no Cine Bandeirantes caminhando pelos telhados, isso eu fazia. Mas fui perguntar a mais pessoas e de fato essa era uma prática comum. Eles pegavam latas de tinta, faziam muitos furos em baixo, amarravam numa vara e faziam uma espécie de regador. Acontece que Carlina morava quase ali na Prainha e ela devia fazer isso não pra baixar a poeira, mas de molecagem mesmo. Ou alguém duvida que ela tenha sido moleca na infância? Aliás, sobre Carlina preciso contar do convite da sua festa de 15 anos. Foi bárbaro. Gente, tinha um espelho e o texto só podia ser lido pelo espelho. Nossa, nunca mais me esqueci do convite de espelho. Era muito chique, meus olhos até brilhavam. Porém, eu não recebi o convite, só meu irmão que pra me sacanear não me deixava nem pegar no convite, e ainda zombava de mim:

   - Você não vai porque é café-com-leite, eu não, já sou grande, vou pra festa de Carlina. Criança tem que dormir cedo.

   Ele dizia isso como se existisse uma diferença enorme entre nós. Ai que ódio que isso me dava. Eu sapateava de raiva e ele ria da minha cara. Acho que fiquei traumatizada. Tudo por causa do convite de espelho.

   Pois é, são tantas histórias e causos da nossa Cuiabá que eu ocuparia o jornal inteiro pra contar. Esse meu saudosismo...em outro artigo eu conto sobre os espetinhos de abacaxi com carne de porco, espetados em meias bolas de isopor encapadas com papel de alumínio. Era chiquéeeerrimo, mas pereciam porcos espinhos futuristas...hahaha.

   Será que no Clube Feminino serviam abacaxi com carne de porco, espetado no isopor? E na festa de Carlina, será que teve? Nunca fiquei sabendo. Ai...esse meu trauma!

 Adriana Vandoni é economista, especialista em Administração Pública pela Fundação Getúlio Vargas/RJ e articulista de A Gazeta. Cuiabá/MT - Site: www.prosaepolitica.com

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

Poconé tem hoje vários "prefeitáveis"

euclides santos 400 curtinha   O ex-vereador e ex-prefeito de dois mandatos de Poconé, Euclides Santos (foto), que era do MDB e agora está no PSDB, vem se movimentando nos bastidores para concorrer novamente à sucessão municipal. Seria um dos nomes de oposição ao prefeito Tatá Amaral, que vai tentar...

Apostas do PTB para vereador em VG

silvio fidelis 400 curtinha   Detentor da segunda maior bancada na Câmara de Várzea Grande, com cinco assentos, atrás somente do DEM da prefeita Lucimar, que conta com sete vereadores, o PTB aposta na hipótese de ao menos manter as cinco vagas. E todos os seus vereadores vão à reeleição, sendo...

Despesas e o uso eleitoreiro de CPI

marcelo bussiki 400 curtinha   Buscando visibilidade pela reeleição em ano eleitoral, alguns vereadores da Capital, vergonhosamente, usaram e abusaram de dinheiro público para promoção pessoal na esteira da CPI do Paletó. A tendência é do relatório paralelo que pede afastamento do...

Sorriso incentiva 40 projetos culturais

ari lafin 400 curtinha   A seis meses de concluir o mandato, o prefeito de Sorriso, Ari Lafin (foto), estabeleceu, dentro do Plano Municipal de Cultura, o "PROMIC - Festival da Cultura 2020" para contemplar 40 projetos cujos valores somam R$ 340 mil, envolvendo artes visuais, artes cênicas, cultura popular, música, audiovisual,...

Quase R$ 2 mi para o Lucas Protegida

binotti 400 curtinha   A Prefeitura de Lucas do Rio Verde, sob Luiz Binotti (foto), contratou, por R$ 1,9 milhão, um consórcio formado pela Rocha Comércio de Equipamentos, que ficará com a maior "fatia" de R$ 1,4 milhão, e a Airplates Tecnologia da Comunicação, com R$ 521,7 mil, para desevolver o...

Silêncio sobre operação e elo com MBL

ulysses moraes 400 curtinha   O deputado de primeiro mandato Ulysses Moraes (foto), que deixou o DC e se filiou ao PSL, coordenador em Mato Grosso do Movimento Brasil Livre (MBL) e chamado por muitos de paladino da moralidade, mesmo sendo bastante ativo nas redes sociais, não usou a internet para comentar a operação da...

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

Em Cuiabá, o prefeito suspendeu a decisão de implantar rodízio de veículos entre placas pares e ímpares devido à Covid-19. Mas quer debater a ideia. Você concorda com rodízio?

concordo

discordo

tanto faz

não sei

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.