Últimas

Terça-Feira, 02 de Janeiro de 2007, 07h:38 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:15

Artigo

Lei natural impõe reformas

   O empresário Abram Szajman afirma nesta terça (2), na Folha de S. Paulo, que "precisamos libertar hoje, como já fizeram os países emergentes que mais crescem no mundo, o espírito empreendedor dos brasileiros, por meio de um ambiente mais favorável aos investimentos, públicos e privados, nacionais ou estrangeiros".

Leia reprodução abaixo.

 
 ABRAM SZAJMAN

   A DISPUTA eleitoral que mobilizou o país deu lugar ao debate de temas que apenas foram tangenciados durante a campanha, como a reforma da Previdência Social, e que são cruciais para se definir os rumos do governo no segundo mandato. A questão central deste debate é a seguinte: conseguiremos emergir do nível de crescimento medíocre de 2,5% ao ano, verificado no último quarto de século, para os 5% anunciados pelo presidente reeleito, ou o nosso distanciamento em relação ao mundo prevalecerá?
    O primeiro mandato que ora termina caracterizou-se pelo controle da inflação, bons resultados nas transações externas e crescimento do nível de emprego (ainda que modesto), fatores aliados a programas assistenciais como o Bolsa Família. Esta mescla de controle monetário rígido com assistencialismo rendeu seus frutos, tirou uma parcela expressiva da população da linha da miséria e acabou por merecer o reconhecimento da maioria do eleitorado, em especial de suas franjas mais humildes.
    Ocorre, porém, que este modelo pede um complemento, sob o risco de desmoronar aos primeiros ventos contrários no panorama internacional, até agora excepcionalmente favorável. No aspecto econômico, salta aos olhos que a estabilidade não pode depender das mais altas taxas de juros do mundo. E no social, a transferência pura e simples de recursos, de caráter emergencial, deve ser gradativamente substituída pela geração de emprego e renda, de modo a incorporar, de maneira definitiva, milhões de pessoas a um mercado interno que precisa ser urgentemente ampliado.
    Assim, o Brasil está hoje numa encruzilhada semelhante à que viveu no século 19, quando foi a última nação a abolir o trabalho escravo. O que precisamos libertar hoje, como já fizeram os países emergentes que mais crescem no mundo, é o espírito empreendedor dos brasileiros, por meio de um ambiente mais favorável aos investimentos, públicos e privados, nacionais ou estrangeiros.
    Não é mais possível desconhecer que a economia é regida por leis naturais, que estabelecem sanções quando são desrespeitadas. Estamos pagando com o atraso do nosso povo e do nosso comércio externo pela burocracia que sufoca a atividade empresarial.
Pela carga tributária brutal que empurra as empresas para a informalidade. Pelas leis trabalhistas que garantem muito a poucos, e nada para quem não tem carteira assinada. Pela ausência de reformas que, como leis naturais, mais cedo ou mais tarde vão se impor.
     Em um mundo achatado por vertiginosas transformações tecnológicas, que possibilitaram a transferência de boa parte da produção industrial do Ocidente para a China e dos serviços para a Índia, resistir à força da gravidade representada pelas reformas é o mesmo que ignorar a lei da mecânica cósmica, descoberta por Newton.
     O Brasil não é um país pequeno, rico em recursos naturais como o gás ou o petróleo: se quiser imitar alguns de seus vizinhos e continuar isolado, à margem dos paradigmas de competitividade do mercado global, será certamente atropelado, quando a euforia na economia mundial se acabar, por uma crise cambial ou no balanço de pagamentos. E acabará tendo que corrigir o rumo, por bem ou por mal.  
      Por isso, é melhor tomar as rédeas do processo do que seguir a seu reboque. Neste momento em que renascem as esperanças, como em todo início de governo, é preciso aproveitar para fazer as reformas pela via do diálogo com a sociedade. Tenho a esperança de que os ressentimentos da campanha eleitoral possam ser deixados de lado e que governo e oposição possam dialogar em torno daquilo que é essencial e substantivo, fazendo, inclusive, concessões de ambos os lados, em prol do Brasil.
     Ao final do romance que lhe valeu o Prêmio Nobel de Literatura, o escritor colombiano Gabriel García Márquez diz que "os povos condenados a cem anos de solidão não terão outra chance sobre a Terra". Antes que nos transformemos numa imensa Macondo, deitada eternamente num berço cada vez menos esplêndido, precisamos romper o isolamento e superar o anacronismo que nos tem condenado a uma posição subalterna na globalização.


ABRAM SZAJMAN, 67, empresário, é presidente da Federação do Comércio do Estado de São Paulo e dos conselhos regionais do Sesc e do Senac

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

Prefeito reeleito sob investigações

ze do patio 400 curtinha   A situação jurídica do prefeito populista e desgastado Zé do Pátio (foto), que acaba de ser reeleito para o terceiro mandato em Rondonópolis, sendo o segundo consecutivo, não é das melhores. Contra sua gestão tem pipocado denúncias sobre...

Prefeitos revoltados com Neurilan

neurilan fraga 400 curtinha   Vários prefeitos, especialmente os recém-eleitos, se mostram revoltados com novas manobras promovidas no estatuto da AMM pelo seu "eterno" presidente Neurilan Fraga (foto), que tenta, de todas as formas, se auto-beneficiar na eleição que deveria ocorrer em janeiro, mas que foi antecipada...

Candidato a reitor e 2 apoios fortes

dimorvan rui 400   O candidato de oposição a reitor do IFMT, Deiver Teixeira, recebeu dois apoios importantes. As manifestações de adesão à candidatura vieram dos professores Ruy Oliveira e Dimorvan Brescancim. Ruy foi candidato a reitor nos últimos dois pleitos e é um pesquisador...

Abílio e Medeiros rejeitam Fernanda

coronel fernanda 400 curtinha   Abílio Júnior e o deputado José Medeiros, presidente do Pode-MT e que foi derrotado para senador, querem distância da coronel Rubia Fernanda (foto) da campanha neste segundo turno em Cuiabá. Nos bastidores, comentam que não precisam da militar filiada ao Patriota e que ficou...

Com maioria na Câmara de Cáceres

eliene liberato 400 curtinha   A prefeita eleita de Cáceres Eliene Liberato (foto), que conquistou 15.881 votos (38,16% dos válidos), terá apoio da maioria dos 15 vereadores. Destes, oito garantiram cadeira pela coligação da própria Eliene, o que representa 53%. As duas maiores bancadas são do PSB de...

Gamba quer Tuti presidindo a Câmara

tuti 400 alta floresta curtinha   O prefeito eleito de Alta Floresta, Chico Gamba (PSDB), tem se articulado para eleger presidente da Câmara o vereador reeleito do seu partido, Oslen Dias dos Santos, o Tuti (foto), que obteve a segunda maior votação, com 814 votos. Na tentativa de convencer os novos integrantes da próxima...