Últimas

Sexta-Feira, 18 de Abril de 2008, 19h:50 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:20

MARCHA DOS PREFEITOS

Lula promete, gestores vibram, mas se frustram


Encontro é encerrado com uma carta com reivindicações
Foto: CNM/Kênia 

Alline Marques, enviada especial a Brasília

   A 11ª Marcha a Brasília em Defesa dos Municípios terminou nesta quinta (17) com a leitura, pelo presidente da Confederação Nacional dos Municípios, Paulo Ziulcoski, da carta com conquistas do movimento e as reivindicações prioritárias deste ano. Foram 4.740 prefeitos inscritos de todos os Estados. Mato Grosso foi representado por 56 gestores. Com essa participação, a marcha bateu recorde de inscrição e já pode ser considerada o maior evento municipalista da América Latina.

   Apesar de toda a repercussão e de tantas comemorações, na realidade os avanços não saíram do papel. O discurso do presidente Lula, que foi bastante aplaudido pelos prefeitos, não passou de promessas. Os atos assinados pelo petista foram para criação de comitês ou grupos de trabalho com a intenção de fiscalizar ou operacionalizar ações do governo federal, tais como, o decreto que cria o Comitê Gestor do Imposto sobre a Propriedade Territorial Rural (ITR), para operacionalizar a transferência de 100% do ITR para os municípios e o que institui o Grupo de Trabalho Interministerial, que elaborará plano de apoio aos prefeitos eleitos em 2008 no processo de transição de governo.

  Lula também garantiu o encaminhamento do projeto de lei para o Congresso em regime de urgência para regulamentação da transferência de recursos do transporte escolar aos Estados e municípios, o que não significa que será aprovado ou que não sofrerá alteração. Além disso não é possível saber quanto tempo irá demorar para ser votado. O presidente também firmou um acordo com o Ministério da Educação para realização de reuniões bimestrais entre o ministro comandado por Fernando Haddad e representantes das entidades municipalistas para acompanhamento das ações relativas ao Plano de Desenvolvimento da Educação (PDE), Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação, Transporte Escolar e Caminhos da Escola.


Quase 5 mil prefeitos prestigiam a 11ª Marcha a Brasília

  O presidente da CNM, Paulo Ziulcoski, é otimista. Acredita que é através do diálogo que se consegue vitórias. Nestes 11 anos, a Marcha já obteve êxitos em algumas discussões, como em relação ao aumento da alíquota da Cofins de 2% para 3%, garantia de que o governo redirecionasse a compensação das empresas através da contribuição sobre o lucro líquido, sem afetar as receitas municipais, além do ressarcimento extra de R$ 257 milhões da Lei Kandir em julho de 1999 e a sua prorrogação em 2002, repasse direto do salário educação e aumento no valor do repasse da Merenda Escolar.

  Mesmo assim, os municípios continuam sofrendo com problemas antigos, considerados básicos para uma melhor qualidade de vida do povo, como a falta de transporte escolar, saúde pública deficiente, alto índice de analfabetismo, desemprego, violência e falta de saneamento.

  O prefeito de Primavera do Leste, Getúlio Viana (PR), que participou pela 3ª vez da Marcha, reclama da falta de apoio e de avanços reais, apesar de considerar positiva a mobilização e a oportunidade de poder mostrar dados reais ao governo federal, principal fonte de repasse para os municípios. “Enquanto discutimos o transporte escolar, no ano passado os deputados votaram a favor dos Estados receber o repasse do transporte, sendo que eles não possuem um ônibus sequer”, explica.

   Além disso, não acredita que a reforma tributária, uma das principais pautas de discussão da Marcha de 2008, vá melhorar as situações dos municípios. “O aumento de 30% será para custear o crescimento que as cidades sofreram nestes últimos anos e representa a consciência de que os municípios têm responsabilidades muito maiores”. Ele não acredita que a reforma seja votada este ano e, depois de 11 anos, muitos dos projetos que poderiam representar reais melhorias para a população continuam no papel e dependendo da boa vontade dos políticos. Enquanto, o povo sofre as consequências. “Quem sofre não é o prefeito, porque prefeito passa, muda e pronto. Quem mais padece é a população, que depende destes serviços e não os encontra”, conclui.

  A CNM foi bastante elogiada por causa da orgnização do movimento municipalista. O curioso é que a entidade conta com um orçamento anual de R$ 32 milhões. A marcha acontece uma vez por ano. Cabe à CNM prestar assistência político-institucional e técnica aos municípios, desenvolver atividades dirigidas ao desenvolvimento tecnológico e social, estruturar e fortalecer o Movimento Municipalista Brasileiro. Essas ações não exigem tantos gastos, a não ser as viagens para o exterior com a intenção de promover a inserção internacional dos municípios brasileiros. (Alline Marques)

  • Veja aqui a íntegra da carta elaborada pela 11ª Marcha dos Prefeitos.

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

Deputado, Mesa da AL e incoerência

claudinei 400   Claudinei Lopes (foto), delegado de polícia que, na onda Bolsonaro, se elegeu deputado pelo PSL, em 2018, se mostra cada vez mais incoerente. É daqueles que gostam de levantar polêmicas e críticas, mas sem consistência. Ele se manifestou, por exemplo, contra a reeleição à Mesa...

Dilmar ensaia disputa para federal

dilmar dal bosco 400   Todos os deputados estaduais querem buscar a reeleição, com exceção de Dilmar Dal Bosco (foto), que está no terceiro mandato. Integrante da nova Mesa Diretora da Assembleia, como primeiro-vice-presidente, e líder do Governo Mauro, Dilmar não esconde o desejo de disputar cadeira...

Com Covid-19 e frequentando a AL

paulo araujo 400   O deputado Paulo Araújo (foto), do PP, está com reinfecção pelo Covid-19 e, mesmo assim, continua frequentando o prédio da Assembleia normalmente, como se não tivesse contaminado. Na primeira vez que foi infectado pelo vírus, também fez igual. Colegas parlamentares e...

2 abstenções e briga pela 4ª Secretaria

silvio favero 400   Dois deputados se abstiveram na eleição da Mesa Diretora da Assembleia desta terça cujo votação foi secreta. Nos bastidores, os comentários são de que as abstenções foram de Sílvio Fávero (foto), que se lançou à disputa e, sequer, teve...

Petista, incoerência e voto contrário

ludio cabral 400   O petista Lúdio Cabral (foto), daqueles parlamentares do morde e assopra, na tentativa de marcar posição, expõe cada vez mais suas incoerências em votação na Assembleia. Na sessão que antecedeu a eleição para a nova Mesa Diretora, provocada pela decisão...

Projeto sobre VI na Saúde está na AL

gilberto figueiredo 400 curtinha   Já está na Assembleia, para votação dos deputados, o projeto do governo que garante retomada do pagamento da verba indenizatória aos profissionais da Saúde que atuam na linha de frente do combate à Covid-19 nas unidades hospitalares, ambulatoriais e...