Últimas

Segunda-Feira, 07 de Maio de 2007, 16h:22 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:15

EMBATE JURÍDICO

Machado ingressa no STF para assumir Ibama

  Motivado pelo convite para assumir a diretoria de Planejamento, Administração e Logística do Ibama, o promotor de Justiça, Marcos Henrique Machado, ingressou no  Supremo Tribunal Federal (STF) com mandado de segurança, no qual pede liminar para exercer o cargo federal mediante licença específica. O mandado será analisado pela ministra Cármen Lúcia Antunes Rocha.

   Ex-secretário de Estado dos governos Rogério Salles e Blairo Maggi, Machado relata que, a partir de 1º de janeiro de 2007, entrou em vigor a Resolução nº 5, do Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP), que proibiu o afastamento dos membros do Ministério Público (MP) para o exercício de funções públicas, ato que motivou a sua saída do cargo de secretário de Estado de Meio Ambiente de Mato Grosso.

    Ele destaca que durante período em que atuou à frente da Sema, conseguiu organizar, restruturar, ampliar e modernizar o setor ambiental e, motivado por essas ações, recebeu convite, no dia 30 de abril deste ano, da ministra Marina Silva para assumir o cargo de diretor de Planejamento, Administração e Logística do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama).

   Ele alega que há urgência para assumir o cargo, “diante da edição da Medida Provisória 366, de 26/04/07, que dispõe sobre a criação do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade, que impôs uma cisão física e funcional no Ibama, exigindo-se uma profunda reformulação e reorganização administrativa das funções e do quadro de pessoal remanescente, confiada ao impetrante”.

   Para o promotor, o direito dos membros do MP exercerem ou não outras funções públicas “envolve uma dialética que nasceu com a promulgação do texto constitucional vigente, pois se separou, de um lado promotores e procuradores que ingressaram na carreira antes de 5 de outubro de 1988, e, de outro, aqueles que integrariam a carreira após a vigência da nova ordem constitucional”.

   Dessa maneira, segundo o impetrante, trata-se de matéria de relevância constitucional, apesar de o STF não ter enfrentado, ainda, a questão sob a ótica do direito individual.

   Para o promotor mato-grossense, o artigo 3º da Resolução nº 5 do Conselho Nacional do Ministério Público restringiu a norma constitucional, exigindo a interpretação do STF, “à luz e diretriz do princípio da proporcionalidade” por que os efeitos do ato impugnado  “possuem reflexos de natureza subjetiva e concentram elementos filosóficos e sociológicos, ultrapassando as restrições impostas pela interpretação literal do texto normativo.”

     O promotor postula que existe direito líquido e certo a seu favor, quando levanta questões como a incompetência do CNMP que, por meio de resolução, veda o exercício de atividade pública por promotores e procuradores, quando não há dispositivo legal que o proíba.

    Outro argumento de Machado diz da legalidade do afastamento para o exercício de “cargo de relevância para a instituição, mediante licença”. O terceiro argumento indicado pelo impetrante diz respeito ao “instituto jurídico da licença do cargo originalmente ocupado”, quando propõe que o exercício de outras funções são lícitas e possíveis, desde que compatíveis com a finalidade institucional do MP, ou se o membro estiver licenciado do cargo.

   A quarta e última argumentação de Machado traz, para a análise de mérito de seu mandado de segurança, razões "sociológicas, filosóficas e metafísicas", quando deduz que “seria mais lógico e conveniente que o promotor de Justiça, ao invés de se limitar ao mundo processual, prestasse excelentes serviços à sociedade que integra, adquirindo duplos méritos, a valorização de sua instituição e a caridade cristã”.

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

Ação de promotor e volta de restrições

Adalberto Ferreira   O promotor de Justiça Adalberto Ferreira garante que prefeito de Juscimeira Moisés dos Santos não havia editado nenhum decreto endurecendo as regras de restrições à pandemia do coronavírus antes do MPE propor ação na Justiça. Ao falar sobre nota publicada...

Oséas agora está nas mãos de Abílio

oseas machado 400 curtinha   Oséas Machado (foto) conseguiu derrubar Abílio Júnior, a quem denunciou por quebra de decoro parlamentar, e assumiu a cadeira deste na Câmara da Capital. Agora, o cassado se articula para dar o troco. O problema é que ambos estão no PSC. Oséas quer buscar a...

Decreto "anula" o MPE em Juscimeira

moises 400 juscimeira curtinha   Em Juscimeira, o promotor de Justiça Adalberto Ferreira recorreu à Justiça de forma desnecessária. Pleiteou e conseguiu uma liminar para suspender um decreto do prefeito Moisés dos Santos que, segundo a ação, havia reduzido as medidas de isolamento social, permitindo...

Kero-Kero quer levar Abílio para Pode

wilson kero kero 400 curtinha   Na contagam regressiva do prazo para o troca-troca partidário - vence em 3 de abril para quem pretende ser candidato em outubro deste ano -, o vereador Wilson Kero-Kero (foto), do PSL e um dos opositores à gestão Emanuel Pinheiro em Cuiabá, está fortalecendo o Podemos. E se...

ECSP explica confusão com Marcrean

marcrean 400 curtinha   A Empresa Cuiabana de Saúde Pública (ECSP) emitiu nota sobre a suposta “carteirada” do vereador Marcrean Santos (foto) no HMC. Ele foi pivô de confusão e um vídeo viralizou nas redes sociais. Segundo a ECSP, o parlamentar foi até o local pedir informações...

PL quer suspender dívidas das cidades

max russi curtinha 400   Ex-prefeito de Jaciara, o deputado Max Russi (PSB) apresentou projeto que visa suspender os pagamentos das dívidas dos municípios com o Estado, durante o período de calamidade pública que foi decretado pelo governo por causa da pandemia do coronavírus. Max ressalta que MT não deve...

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

Você concorda com a decisão de prefeitos, que começam a decretar estado de emergência, fechando comércio, serviços públicos e o transporte coletivo?

sim

não

sei lá!

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.