Últimas

Quinta-Feira, 03 de Maio de 2007, 01h:22 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:15

LEGISLATIVO

Maggi ameaça pedir os cargos dos rebeldes

Os 7 que não votam com governo no projeto original sobre os PMs são Riva, Maksuês, Muniz, Pátio, Rabello e Avalone 

  Dos Estados Unidos, de onde só retorna na próxima terça (8), o governador Blairo Maggi, em conversa telefônica com o seu líder Mauro Savi nesta quarta, mandou um duro recado aos deputados rebeldes. Avisou que não recuará dos projetos sobre a carreira e salário dos militares e do veto à proposta do deputado José Riva, que insiste na fatia de 30% do Fethab para as prefeituras.

   Segundo Maggi, os projetos devem, sim, entrar na pauta para serem votados na Assembléia. Somente dessa forma saberá quem está ou não com o governo. Chegou a dizer que aqueles que se oposuserem à aprovação já podem se definidos como inimigos do governo e que perderão os cargos indicados na administração estadual. Cada parlamentar, em tese, deveria ter apresentado até 10 indicações para segundo e terceiro escalões. Alguns, porém, só conseguiram emplacar dois.

     Rebeldes

    Pelos posicionamentos tomados até agora, sete não estão com o governo, pois na visão do governador fizeram um pacto para votar contra os três projetos originais que tratam da carreira e promoções dos policiais militares. São eles: José Riva e Maksuês (ambos PP), Percival Muniz (PPS), Zé Carlos do Pátio e Walter Rabello (os dois do PMDB), Wallace Guimarães (DEM) e Carlos Avalone (PSDB).

   Como o bloco representa minoria diante de um quadro com 24 parlamentares, cada um dos sete decidiu continuar com a manobra para postergar ao máximo a aprovação das mensagens. Nesta quinta, o deputado Muniz pediu vistas aos projetos, impedindo-os de serem apreciados em plenário. O combinado é que a cada semana um faça igual.

   Os rebeldes defendem a necessidade de apresentação de ao menos cinco emendas, uma delas para assegurar os mesmos reajustes proporcionais para praças e oficiais militares, coisa que o governo não aceita.

  Essa situação está irritando Maggi. Acuado, o líder do Executivo, deputado Savi,  telefonou para ele, enquanto transcorrida a sessão desta quarta. Lamentou a dificuldade de acelerar a votação das mensagens. Ouviu do governador um recado duro. Maggi disse que não era para recuar e que, ao final, saberia que vota ou não com o governo.

Postar um novo comentário

Comentários (2)

  • Marcelo Leite Ferraz | Quarta-Feira, 31 de Dezembro de 1969, 20h00
    0
    0

    O Estado de Mato Grosso sob a égide da Constituição Federal de 1988, onde a democracia rege o bom entendimento entre os poderes,vivencia um retrocesso ao tempo da ditadura onde corenéis ditam normas de comportamento. Destarte, o Governador Blairo "Amaggi", OPS: Maggi, quer impor seus interesses partidários de qualquer maneira, e assim o faz usando a máquina pública para desarticular a deliberação e a opinião dos representantes do legislativo, que representam o anseio popular. Todavia, somos reféns de uma política arcaica e imperialista movida pelo poder do capital que ainda em pleno 2007 rege a sinfonia dos políticos mato-grossenses, todos cantando no mesmo tom do Maior monocultor do mundo: Blairo Maggi.

  • FABIANA | Quarta-Feira, 31 de Dezembro de 1969, 20h00
    0
    0

    PENSO QUE O GOVERNADOR ESTÁ PENSANDO NO BEM COMUM, ENQUANTO OS DEPUTADOS QUEREM AGITAR E CONSEQUENTEMENTE VALORIZAR OS PRAÇAS MILITARES E DESSE FORMA PROVOCAR UMA RUPTURA NA POLÍCIA MILITAR, POIS SE OLHARMOS A SITUAÇÃO PELO OUTRO LADO DA MOEDA CONSEGUIREMOS ENTENDER A SOLICITAÇÃO DOS OFICIAIS, QUE ALÉM DE TRABALHAREM IGUAL AO PRAÇA É RESPONSAVÉL AINDA POR ATOS ADMINISTRATIVOS DA CORPORAÇÃO. NA VERDADE SERÁ QUE É SÓ O PRAÇA QUE É MAL REMUNERADO.

Ato de EP atrai 5 últimos governadores

emanuel pinheiro 400 curtinha   Emanuel Pinheiro (foto), habilidoso nas articulações políticas, conseguiu levar para o mesmo evento, marcando a entrega 100% do Hospital Municipal de Cuiabá, nesta segunda à noite, quatro ex-governadores e ainda o atual. Prestigiaram a solenidade Júlio Campos, Carlos Bezerra,...

Governador tenta constranger prefeito

mauro mendes 400 curtinha   Mauro Mendes (foto) tentou constranger o prefeito Emanuel, nesta segunda, na festa da entrega para funcionamento pleno do Hospital Municipal de Cuiabá. Na presença de diversas autoridades, inclusive dos últimos cinco governadores, com exceção de Silval, o atual chefe do Executivo, em...

3 vereadores cuiabanos no Cidadania

diego guimaraes 400 curtinha   O Cidadania, hoje sem voz na Câmara de Cuiabá, poderá ter três vereadores a partir de março de 2020, com abertura da janela. Na dança das cadeiras, Felipe Wellaton sairá do PV para aderir ao Cidadania, que já é presidido em Cuiabá pelo seu chefe de...

6 na Câmara tentam barrar projetos

francis maris 400 curtinha   O prefeito cacerense Francis Maris (foto) luta junto aos vereadores, para, enfim, concretizar todas as etapas de um financiamento milionário para projetos na área de saneamento. São R$ 130 milhões para abastecimento de água e cobertura de rede de esgoto, com juros de 6% ao ano e 20...

3 ex-prefeitos se juntam em Poconé

meire pocone 400 curtinha   Em Poconé, o prefeito Tatá Amaral, filiado ao DEM do governador Mauro e apoiado pelo ex-federal Fábio Garcia, está disposto a buscar a reeleição, mesmo com uma gestão pífia, isolado politicamente e com alto índice de rejeição. Enquanto isso, as...

Máquinas para reciclar garrafas pets

maquina 400 curtinha   Sob iniciativa da secretaria de Inovação e Comunicação da Capital, dentro dos projetos que buscam a sustentabilidade, a prefeitura vai colocar máquinas de reciclagem de garrafas pets em 15 pontos da cidade e com possibilidade de ampliar os locais de recolhimento. Em troca, o cidadão...

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

Como você avalia a decisão do Supremo de suspender prisão imediata após julgamento em segunda instância?

Concordo

Discordo

Tanto faz

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.