Últimas

Sábado, 02 de Fevereiro de 2008, 07h:30 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:19

ARTICULAÇÃO

Malheiros volta à AL em junho; Sachetti é cotado

  Com uma atuação pífia, o deputado João Malheiros (PR) está com os dias contados na Casa Civil. O governador Blairo Maggi decidiu que em junho vai dispensá-lo. Em seu lugar assumirá o atual secretário especial do gabinete do Palácio Paiaguás, Moisés Sachetti. Assim, Malheiros retorna à Assembléia. Até lá, Maggi espera que o embate jurídico envolvendo o deputado Gilmar Fabris (DEM), que está cassado pela Justiça Eleitoral, já esteja encerrado. Assim que Fabris deixar a cadeira de vez na AL, quem se efetiva é o suplente  Roberto França (sem partido), que já vem legislando por causa do licenciamento do próprio Fabris.

    Em princípio, o governador tinha intenção de contemplar Sachetti na Casa Civil já nesta reforma do secretariado que anunciará logo após o Carnaval. Ocorre que a exoneração de Malheiros alteraria também o quadro na AL. Preferiu, então, postergar essa decisão. Maggi quer aproveitar estes próximos seis meses para testar Sachetti como presidente regional do PR. Muitos criticam-no por achar que não possui habilidade política para comandar o maior partido do Estado, com 67 prefeitos, mais de 200 vereadores, cinco deputados estaduais, dois federais, além do governador. Maggi quer ver na prática como será a atuação de Sachetti, ex-presidente do Detran.

   Quanto a Malheiros, o chefe do Executivo estadual concluiu, segundo comentou para aliados mais próximos, que este não tem contribuído muito para amenizar crises e sua letargia o incomoda, tanto que nem assume linha de frente das articulações. Após a saída do trator Luiz Antonio Pagot, essa missão ficou com o vice-governador Silval Barbosa (PMDB).

   Malheiros sobrevive na função por conjuntura política e pela acomodação de suplentes na Assembléia. Ele é daqueles que não dispensam uma sesta diariamente e usufruem das benesses do poder. Mesmo fora, mantém sua estrutura no Legislativo, com servidores no quadro de pessoal e só não usa o Corolla destinado ao gabinete porque o Paiaguás também disponibiliza um veículo para atendê-lo.

    No começo, a saída de Malheiros contemplou Wagner Ramos, que se efetivou no final do ano passado com a renúncia de Humberto Bosaipo, novo conselheiro do Tribunal de Contas. Agora, na vaga de Malheiros está Pedro Satélite (PPS), que, sob incentivo do colega Percival Muniz, começou a fazer oposição ao governo Maggi. França, por sua vez, ocupa a cadeira do já cassado Gilmar Fabris, que não saiu de vez por causa dos trâmites burocráticos.

Postar um novo comentário

Comentários (4)

  • marcos | Quarta-Feira, 31 de Dezembro de 1969, 20h00
    0
    0

    Vetado por conter expressões agressivas, ofensas e/ou denúncias sem provas.
    Queira, por gentileza, refazer o seu comentário.

  • Cesar Oiveira | Quarta-Feira, 31 de Dezembro de 1969, 20h00
    0
    0

    FAER o QUÊ?

    Esse sim tem o perfil de um secretário de Casa civil para um governo que defende a concentração de renda. É "simpático" igual ao irmão que é prefeito de Rondonópolis, desconhece os problemas sociais do povo, mas em compensação é afinado com a turma que devasta o meio ambiente e, domina as questões relacionadas, tão somente, aos grandes sojicultores e pecuaristas.É uma pena! a sua administração a frente do DETRAN, que poderia ser o seu cartão de visita, foi um desastre.

    A nomeação de Saquetti é chute nos que tem ssensibildade social e política. E Vem mais uma vez comprovar que MAGGI governa tão somente para os seus interesses. Na concepção dos "botinudos" os seus aliados políticos tem apaenas que bater palma em troca de migalhas.

    Ao povo não resta outra alternativa, senão evocar Bóris: "Isso é uma vergonha".

  • Fernando José de Barros | Quarta-Feira, 31 de Dezembro de 1969, 20h00
    0
    0

    Acho que deve-se ter mais respeito com o atual secretário, João Malheiros. Tratá-lo como o dono deste blog (Que de blog não tem nada) o trata é falta de respeito com um homem que foi escolhido a dedo pelo governador Blairo Maggi. A sua ida à Casa Civil não foi para sanar os problemas da Casa, mas para amenizá-los.

  • valdemi alves filho | Quarta-Feira, 31 de Dezembro de 1969, 20h00
    0
    0

    o sec malheiros e sempre bem humorado atencioso, merece mais consideraçao deste site e ja tem muito prestigio no interior do estado. por tanto e um cuiabano que da orgulho ao povo de cuiaba e tambem de mato grosso. alem de ser um dos pooucos de cuiaba que faz parte do bom governo de blairo. deveria ter de voces de cuiaba mais apoio . principalmente da imprensa cuiabana . devo dizer que este site tem muita acessibilidad no interior e ja esta claro que deve ter algum problema entre o dono e o malheiros. porque sempre falam mao dele aqui!

Pode abandona Raye e pune Saggin

sandro saggin curtinha 400   Sandro Saggin (foto) amargou outra derrota em Barra do Garças. Inicialmente, seria candidato a prefeito pelo Podemos. Mas resolveu, por conta própria, levar o partido para uma coligação com partidos de esquerda que lançaram o ex-prefeito Paulo Raye, apoiado pelo PC do B, PT e Pros. A...

Ex-vereador recua para apoiar primo

divino 400 barra do bugres   Ex-vereador, ex-presidente da Câmara e empresário bem sucedido, Chico Guarnieri (PTB) não será candidato a prefeito de Barra do Bugres nas eleições deste ano. Guarnieri, que disputou a prefeitura em 2016, até ensaiou, mas recuou ao ver que o primo, pedetista Doutor Divino...

3 ex-prefeitos viram cabos eleitorais

percival muniz 400 curtinha   Dois candidatos de oposição em Rondonópolis têm ex-prefeitos como principais cabos eleitorais. O empresário Luiz Fernando, o Luizão (Republicanos), conta com apoio de Adilton Sachetti, que já comandou o município e perdeu na tentativa de reeleição, e...

3 candidatos competitivos em Sinop

roberto dorner 400   Apesar da "inflação" de candidatos a prefeito de Sinop, com cinco no páreo, a disputa tende a se acirrar mesmo entre o empresário Roberto Dorner (foto), do Republicanos e apoiado pela prefeita Rosana Martinelli (PL), o ex-prefeito e deputado Juarez Costa, que atraiu 10 partidos para o palanque, e o...

Ex-prefeito no páreo em Alta Floresta

robson silva 400 curtinha   Alta Floresta, uma das cidades pólos do Nortão, tem sete candidatos a prefeito. Um deles é Robson Silva (foto), empresário, ex-prefeito entre 93 e 96 e que concorre pelo MDB, mesmo partido do prefeito Asiel Bezerra, que está encerrando o segundo mandato e se tornou um dos principais...

Vice sinopense quer retornar à Câmara

gilson de oliveira 400 curtinha   O vice-prefeito de Sinop e apresentador de TV, Gilson de Oliveira (foto), resolveu concorrer a vereador, cadeira já ocupada por ele por dois mandatos, o primeiro pelo PSDB, entre 2005 e 2008, e, depois, pelo PSD (2009/2012). Foi candidato a deputado estadual duas vezes (2006 e 2010) e, como suplente da...

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

Você acha que o efeito-Bolsonaro terá impacto no resultado das eleições de novembro em MT?

sim - onda Bolsonaro continua

não - efeito não influencia mais

sei lá!

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.