Últimas

Segunda-Feira, 27 de Agosto de 2007, 09h:06 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:16

Artigo

Mato Grosso e o 'Pacto pela Saúde'

     As filas intermináveis nos prontos-socorros municipais, a demora de meses para se fazer um exame de saúde e as greves de profissionais por aumento de salário demonstram, claramente, que há um caos na 'saúde nacional'. Esta situação gravíssima pretende ser amenizada com o chamado 'Pacto pela Saúde' uma iniciativa que atribui aos municípios o papel central de planejamento e execução de suas demandas. Parece um avanço. Mas quando analisado profundamente, como está previsto para ser realizado, preocupa pelas conseqüências que poderá trazer para municípios pólos, como Cuiabá.
     E de conhecimento público que nossa capital é um grande centro de atendimento hospitalar e médico, atendendo a pessoas de outros municípios, Estados e até países. Por falta de estruturas naquelas regiões, pacientes todos os dias chegam a Cuiabá à procura de solução, causando excesso de demanda para estrutura e recursos existentes atualmente.
     O Governo do Estado, por sua vez, ao criar alguns hospitais regionais não o abasteceu com estruturas e equipamentos adequados e por isso não atende, da forma esperada, aos casos de alta complexidade. Os investimentos no setor são ínfimos, e como exemplo, vemos o hospital regional de Várzea Grande sem receber os recursos necessários. Os municípios, por sua vez, não têm sozinhos, condições de ampliar ou melhorar sua estrutura, e por isso acabam transportando seus cidadãos para os municípios referência.
     Com o Pacto da Saúde, pretende-se ampliar a autonomia dos municípios para diagnosticar seus problemas e responder às necessidades apresentadas, com o objetivo de promover ações pactuadas e integradas entre a União, os Estados e os Municípios para atender ao princípio da eficiência na Administração Pública.  Será o chamado papel solidário: cada um terá que oferecer sua parcela de contribuição, sem penalizar ninguém.
     Mas hoje, percebemos claramente que os governos estadual e federal estão aproveitando o 'Pacto' e querendo transferir responsabilidades para os municípios, sem haver um entendimento prévio quanto à forma de desembolso dos recursos necessários para garantir a oferta dos serviços prestados. O que se percebe é que há um 'desespero' para se 'livrar' de serviços e deixar que os municípios, sozinhos, resolvam o problema.
     No Pacto, os municípios não podem estar sozinhos. A Saúde não é apenas responsabilidade destes. É de cada componente da organização político-administrativa brasileira, ou seja: União, Estados e Municípios. Precisamos pensar e discutir melhor qual será o papel de cada um no 'Pacto da Saúde', para não penalizar os municípios pela falta de 'gestão pública na saúde' dos Estados.
     Entendo que é preciso muito mais do que um pacto para a saúde brasileira. Na realidade, o país precisa de um 'Projeto para a Saúde', com linhas de ação claras, metas e responsabilidades. O atendimento nos hospitais precisa ser mais 'humano'. Não há contato com o paciente, informação e atenção. São seres humanos, com direitos resguardados pela Constituição Federal.  
     A preocupação com o atendimento é importante, mas o é também a prevenção. Os agentes de saúde da família - médicos, enfermeiros, técnicos - precisam ser qualificados. A educação para e na saúde deve ser valorizada.  Se não tomarmos a Saúde como prioridade, em Mato Grosso e no Brasil, teremos uma das mais sérias crises brasileiras.

Carlos Avalone é Deputado Estadual, líder da bancada do PSDB na Assembléia Legislativa de Mato Grosso.

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

Nomes do DEM para vereador de VG

pablo 400 curtinha   O DEM do casal Jayme-Lucimar, senador e prefeita, respectivamente, é dono da maior bancada na Câmara de Várzea Grande, com sete dos 21 vereadores. Destes, cinco já estão trabalhando projeto de reeleição, sendo eles Gisa Barros, que era do PSB; Valdemir Bernadino, o Nana; Pedro...

Flerte com candidato de outro partido

selma arruda 400 curtinha   Apesar de estar filiada ao Podemos, a ex-senadora Selma Arruda, que teve o mandato cassado por crimes eleitorais e deixou a cadeira neste ano, continua flertando com o pedetista, empresário e vice-governador Otaviano Pivetta, que não demonstra mais tanto ânimo para continuar com o projeto de disputa...

Joelson e as traições política e familiar

joelson 400   Dos 23 vereadores pela Capital que vão à reeleição, o que mais deve enfrentar dificuldades para obter êxito nas urnas é o sargento Joelson (foto), que aproveitou a janela de março e trocou o PSC pelo Solidariedade. Primeiro, por causa da atuação pífia. Trata-se de um...

Calistro, dúvida à reeleição e Sumaia

sumaia leite 400 curtinha   Jânio Calistro, reeleito para o 2º mandato de vereador em 2016 e como o mais votado em Várzea Grande, com 3.658 votos pelo PSD, se mudou para o DEM dos Campos, mas ainda avalia se vai encarar o teste das urnas deste ano. Ele se mostra um tanto baqueado, após ficar preso por três meses. E...

Grupos convergem para Emanuelzinho

emanuelzinho 400   O jovem deputado federal Emanuelzinho (foto) está cada vez mais empolgado com a possibilidade de disputar a Prefeitura de Várzea Grande. Até se mudou da Capital para a cidade vizinha, onde montou apartamento no Edifício Maktub. Uma das revelações políticas do PTB, Emanuelzinho tem...

Câmara de ROO e pasta de Controle

orestes miraglia 400 curtinha   A Câmara de Rondonópolis deu de ombros para uma decisão do Tribunal de Justiça e, em primeira votação, aprovou mensagem do prefeito Zé do Pátio, criando a secretaria de Transparência Pública e Controle Interno (SETRACI) em...

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

Em Cuiabá, o prefeito suspendeu a decisão de implantar rodízio de veículos entre placas pares e ímpares devido à Covid-19. Mas quer debater a ideia. Você concorda com rodízio?

concordo

discordo

tanto faz

não sei

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.