Últimas

Segunda-Feira, 17 de Setembro de 2007, 09h:02 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:16

Artigo

Mercado de trabalho e suas dificuldades

   Diariamente presenciamos por meio dos veículos de comunicação o caos da saúde pública, com hospitais lotados, sem equipamentos nem suprimentos, com falta de profissionais e pacientes sofrendo. Nos últimos tempos, o foco tem sido a desordem do sistema na região Nordeste, onde muitos médicos entraram em greve e outros mais fizeram uma demissão em massa. Contudo, a situação em Mato Grosso não é diferente de estados como Ceará, Pernambuco, Alagoas e Paraíba.
     Entre 2003 e 2005, o Conselho Federal de Medicina (CFM) realizou um estudo para identificar a realidade vivida pelos profissionais em todo o Brasil. Intitulado "O Médico e seu Trabalho", os resultados das entrevistas com 14 mil médicos foram publicados numa coletânea de cinco livros, divididos por região. Ao final, as constatações não são nenhuma novidade.
     Apenas 17% dos médicos têm um único emprego. Os 83% restantes têm que dividir seu tempo entre pelo menos três serviços, enfrentar plantões de até 14 horas e sobreviver com a média salarial de R$ 1,5 mil pago pelo Sistema Único de Saúde (SUS).
     O baixo salário e intensa carga horária de trabalho acarretam graves conseqüências tanto para o profissional como para a população. O médico mal pago e cansado não tem condições de investir na atualização de seus conhecimentos e as péssimas condições oferecidas não o atraem para o interior, onde a necessidade é maior. De acordo com a pesquisa, no Centro-Oeste apenas um pouco mais de 20% dos médicos atuam em cidades fora da capital, sendo a maioria deles jovens recém-formados que partem em busca de experiência, mas com planos de voltar para a cidade grande.
     Prova desta falta de condições para investir no aperfeiçoamento profissional está nos números levantados pelo CFM. Em Mato Grosso, quase 65% dos médicos não tiveram a oportunidade de freqüentar algum curso reconhecido de especialização em Medicina. Esse dado não envolve a especialização por meio da Residência Médica, que no nosso Estado não contempla aproximadamente 40% do total.
     O desempenho do profissional em diversas atividades também é comprovado pela pesquisa. Metade dos médicos (51,1%) divide seu tempo entre dois ou três empregos e apenas 12,8% deles se dedicam a somente um. Cerca de 36% do restante tem mais de quatro ocupações, que podem variar entre consultório, setores públicos, privados, filantrópicos e docência. Há ainda 15% de médicos que não tem a Medicina como única fonte de renda.
     Dos médicos que atendem no serviço público, quase 70% deles avaliaram as condições de trabalho como péssimas ou regular. O trabalho é considerado desgastantes por 58% e para 66% nada mudou ou só piorou a qualidade dos serviços em saúde.
     Os dados apresentados não são muito diferentes de lugares como o Norte ou Nordeste e muito ainda precisa ser feito pela melhoria dos serviços em assistência à saúde. A pesquisa completa do Centro Oeste e das demais regiões do Brasil está disponível na Biblioteca Virtual do site do CFM:
     Aguiar target=_blank>www.portalmedico.com.br.

Aguiar Farina é médico ginecologista e mastologista, presidente do Conselho Regional de Medicina de Mato Grosso (CRM-MT) escreve em A Gazeta às segundas-feiras

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

Sexto suplente na Câmara por um mês

aluizio leite 400 curtinha   Aluízio Leite (foto), filiado histórico do PV, tomou posse como vereador pela Capital na último dia 2. Mas vai ficar na cadeira por somente 31 dias, até o retorno do titular, delegado Marcos Veloso, que se afastou para cuidar de assuntos pessoais e hoje se encontra hospitalizado com...

No TCE pra tentar receber da prefeitura

flavia mesquita 400 curtinha   Flávia Mesquita (foto), da Luppa Administração de Serviços, pediu socorro ao TCE para tentar receber por serviços prestados à secretaria de Saúde de Cuiabá, alegando que o município está inadimplente há oito meses. E apontou quebra da ordem...

Pai e filho pré-candidatos em Poconé

henrique santos 400 curtinha pocone   Em Poconé, pai e filho estão animados para o teste das urnas deste ano. Um a prefeito e, outro, para vereador. Euclides Santos, que já foi vereador (89/92) e prefeito por duas vezes (93/96 e 2001/2004), além de secretário de Infraestrutura e Serviços Urbanos em...

Expectativa de tocar a Cultura de MT

paulo traven 400 curtinha   Um dos três adjuntos da pasta de Cultura, Esporte e Lazer do Estado, José Paulo da Mota Traven (foto) vem se articulando para assumir de forma efetiva o comando da secretaria. Ele conta com apoio de alguns membros do staff, como do secretário de Governo, Alberto (Beto) Machado. O governador...

Poconé tem hoje vários "prefeitáveis"

euclides santos 400 curtinha   O ex-vereador e ex-prefeito de dois mandatos de Poconé, Euclides Santos (foto), que era do MDB e agora está no PSDB, vem se movimentando nos bastidores para concorrer novamente à sucessão municipal. Seria um dos nomes de oposição ao prefeito Tatá Amaral, que vai tentar...

Apostas do PTB para vereador em VG

silvio fidelis 400 curtinha   Detentor da segunda maior bancada na Câmara de Várzea Grande, com cinco assentos, atrás somente do DEM da prefeita Lucimar, que conta com sete vereadores, o PTB aposta na hipótese de ao menos manter as cinco vagas. E todos os seus vereadores vão à reeleição, sendo...

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

Em Cuiabá, o prefeito suspendeu a decisão de implantar rodízio de veículos entre placas pares e ímpares devido à Covid-19. Mas quer debater a ideia. Você concorda com rodízio?

concordo

discordo

tanto faz

não sei

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.