Últimas

Segunda-Feira, 25 de Dezembro de 2006, 08h:46 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:15

Artigo

Missa do Galo

 

     Frei Betto, frade dominicano e escritor, escreve nesta segunda (25), na Folha de S. Paulo, que  "O Natal é uma festa rara no mais profundo de si mesmo, na qual as pessoas se fazem presentes umas às outras e entre as quais o amor refulge como uma estrela".

Confira abaixo a íntegra do artigo:

             Missa do Galo

            Frei Betto


            NATAL É uma festa polissêmica. De certo modo, desconfortável. Para os cristãos, comemoração do nascimento de Jesus, Deus feito homem. Para a indústria e o comércio, privilegiada ocasião de promissoras vendas. Para uns tantos, miniférias de fim de ano. Para o peru, Dia de Finados.
          O desconforto resulta da obrigatoriedade de dar presentes a quem não amamos, mal conhecemos ou fingimos amizade. Transferido o presépio de Belém para o balcão das lojas, substituído Jesus por Papai Noel, a festa perde progressivamente seu caráter religioso. O Menino da manjedoura, que evoca o sentido da existência, cede lugar ao velho barbudo e barrigudo, que simboliza o fetiche da mercadoria.
         O olhar desavisado diria que o consumismo hedonista nos despe da religiosidade. A Missa do Galo, outrora à meia-noite de 25/12, reduz-se ao galeto das celebrações, às 20h ou 21h, antecipando-se à madrugada que favorece a violência urbana. O apetite da ceia e a curiosidade de abrir presentes falam mais alto que bons e velhos costumes: a oração em família, os cânticos litúrgicos, as narrativas bíblicas e a memória dos eventos paradigmáticos de Belém da Judéia.
        Uma atualização dos eventos bíblicos permite-nos imaginar, a partir do contexto brasileiro, o leitor do "Diário de Belém", edição de 26/12/1, perante a seguinte notícia: "Família de sem-terra ocupou ontem a fazenda Estrela de Davi, em cujo curral uma tal Maria, esposa do carpinteiro José, deu à luz o filho Jesus. A polícia de Herodes está no encalço dos sem-terra, que se encontram foragidos".
          A abstração da linguagem, contudo, faz do pseudolirismo natalino o inverso do que o fato histórico significa -o Verbo encarnado perde sua contundência e cede lugar ao presépio descontextualizado, mero adorno à festa papainoélica.
         Em "Memórias de Adriano", Marguerite Yourcenar capta um momento singular da história do Ocidente, o século 2 -os deuses gregos e romanos declinavam, e a moral cristã, impregnada de platonismo, ainda não se impunha às consciências.
          Vivemos hoje algo parecido. Assolados por fortes ventos esotéricos, numa época epifânica, em que as religiões tendem a ocupar o lugar deixado pelas ideologias messiânicas, assistimos à crise das igrejas tradicionais, encerradas num monólogo ininteligível para o contexto de pluralismo e tolerância com o diferente. A perplexidade assemelha-se à da professora de piano clássico que vê seus alunos preferirem os metaleiros.
          Proliferam-se novas modalidades de aspirar ao transcendente, da aeróbica litúrgica às meditações orientais. Nunca houve, na expressão de Rimbaud, tanta "gula de Deus". "I Ching", astrologia, búzios, tarô etc. são vias pelas quais se busca segurança ante o futuro imprevisível. Já não há tanto interesse pelas religiões das grandes narrativas bíblicas, da santidade ascética, da autoridade sacralizada, da moral coercitiva, da escatologia que nos faz trafegar, titubeantes, sobre o fio invisível que liga o céu ao inferno.
           Predominam as religiões do consolo subjetivo, da alegria d'alma, da cura imediata, dos fenômenos paranormais, da comunidade que se sente resgatada do anonimato, de bênçãos e graças que jorram tal juro de quem crê na versão pós-moderna do dilema "a bolsa ou a vida". Vigora a religiosidade "prêt-à-porter", sem culpa, macroecumênica, fundada na crença em um Deus que dispensa hierarquias, manifesta-se pelas regras de ouro do marketing e tolera as incoerências.
            Talvez não haja, na literatura brasileira, quem melhor tenha captado o sentido do Natal que Machado de Assis, no clássico conto "Missa do Galo". Não há propriamente missa, apenas a espera ansiosa num serão que progressivamente transmuta, aos olhos de Nogueira, rapaz de 17 anos, a anfitriã Conceição, que atingira os 30. 
          Machado faz do coração do jovem narrador um profundo e aquiescente presépio, onde a vida renasce no sutil milagre do amor desinteressado. Um gosto de eternidade. De eterna idade.
          No entanto, quebrado pelo tempo que flui incoercível ao ritmo implacável das horas. Na sala, a missa em torno da musa antecede e realiza a comunhão, eclodindo na beleza de um singelo encontro entre duas pessoas.
          Isso é Natal. Uma festa rara no mais profundo de si mesmo, na qual as pessoas se fazem presentes umas às outras e entre as quais o amor refulge como uma estrela. Essa festa não tem data e é celebrada, repete-se sempre que há encontro em clima de afeto e sabor de comunhão. Ali, as palavras são como barbante de presente desfeito pelas mãos de uma criança: a cada nó desfeito, uma expectativa de surpreendente revelação. 
 


 

CARLOS ALBERTO LIBÂNIO CHRISTO , o Frei Betto, 62, frade dominicano e escritor, é autor de, entre outras obras, "Comer como um Frade - Divinas Receitas para Quem Sabe por que Temos um Céu na Boca". Foi assessor especial da Presidência da República (2003-2004).

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

Recuo do DEM e agora no Republicano

gabriel guilherme 400 curtinha   O DEM terá de excluir da lista de pré-candidatos a vereador pela Capital o nome do jovem Gabriel Guilherme (foto), de 22 anos. Ele optou por se filiar ao Republicano. Lotado na Assembleia como assistente da Secretaria de Orçamento e Finanças e filho do ortopedista Paulo Fonseca...

Galvan vai deixar PDT e ir pra o PRTB

antonio galvan 400 curtinha   Embora não tenha perdido de vistas o Aliança pelo Brasil, partido que está sendo criado por Bolsonaro, Antonio Galvan (foto), presidente da Aprosoja e que acabou levado à frigideira dentro do PDT em meio ao embate por tentativa de candidatura ao Senado, se mostra disposto a ingressar no...

"Pátio igual gato, comendo e miando"

jose medeiros 400 curtinha   O deputado José Medeiros (Podemos), vice-líder do Governo Bolsonaro na Câmara, disse que o prefeito Zé do Pátio, de Rondonópolis, está parecendo gato, comendo e miando, pois recebe recursos federais, inclusive de programas habitacionais e, mesmo assim, ainda alardeia nos...

Adair lançará ex-vice em Alto Paraguai

adair 400 curtinha   O ex-prefeito de Alto Paraguai, advogado emedebista Adair José Alves Moreira (foto), não vai disputar novamente, apesar da insistência do seu grupo. A tendência é de apoiar o seu ex-vice Luiz Figueiredo, com quem administrou a cidade de 2013 a 2016. Luiz também é do MDB e...

Deputado bolsonarista critica prefeito

claudinei deputado curtinha 400   O deputado Claudinei Lopes (foto), morador em Rondonópolis, ficou na bronca com o discurso populista do prefeito Zé do Pátio, para quem o povo nordestino votou em massa no PT e que não tem conseguido construir mais casas populares porque, diferente dos governos petistas, o presidente...

Sem Senado e tudo pela Mesa da AL

max russi curtinha 400   Presidente regional do PSB-MT, o deputado Max Russi (foto) tem participado das discussões para definição de candidaturas ao Senado, na suplementar de abril, mas não mais como pré-candidato. Seu desafio é outro. A prioridade é a busca da reeleição como...

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

Na sua opinião, como está indo o Governo Bolsonaro...

excelente

bom

razoável

ruim

péssimo

não sei

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.