Últimas

Segunda-Feira, 25 de Dezembro de 2006, 08h:46 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:15

Artigo

Missa do Galo

 

     Frei Betto, frade dominicano e escritor, escreve nesta segunda (25), na Folha de S. Paulo, que  "O Natal é uma festa rara no mais profundo de si mesmo, na qual as pessoas se fazem presentes umas às outras e entre as quais o amor refulge como uma estrela".

Confira abaixo a íntegra do artigo:

             Missa do Galo

            Frei Betto


            NATAL É uma festa polissêmica. De certo modo, desconfortável. Para os cristãos, comemoração do nascimento de Jesus, Deus feito homem. Para a indústria e o comércio, privilegiada ocasião de promissoras vendas. Para uns tantos, miniférias de fim de ano. Para o peru, Dia de Finados.
          O desconforto resulta da obrigatoriedade de dar presentes a quem não amamos, mal conhecemos ou fingimos amizade. Transferido o presépio de Belém para o balcão das lojas, substituído Jesus por Papai Noel, a festa perde progressivamente seu caráter religioso. O Menino da manjedoura, que evoca o sentido da existência, cede lugar ao velho barbudo e barrigudo, que simboliza o fetiche da mercadoria.
         O olhar desavisado diria que o consumismo hedonista nos despe da religiosidade. A Missa do Galo, outrora à meia-noite de 25/12, reduz-se ao galeto das celebrações, às 20h ou 21h, antecipando-se à madrugada que favorece a violência urbana. O apetite da ceia e a curiosidade de abrir presentes falam mais alto que bons e velhos costumes: a oração em família, os cânticos litúrgicos, as narrativas bíblicas e a memória dos eventos paradigmáticos de Belém da Judéia.
        Uma atualização dos eventos bíblicos permite-nos imaginar, a partir do contexto brasileiro, o leitor do "Diário de Belém", edição de 26/12/1, perante a seguinte notícia: "Família de sem-terra ocupou ontem a fazenda Estrela de Davi, em cujo curral uma tal Maria, esposa do carpinteiro José, deu à luz o filho Jesus. A polícia de Herodes está no encalço dos sem-terra, que se encontram foragidos".
          A abstração da linguagem, contudo, faz do pseudolirismo natalino o inverso do que o fato histórico significa -o Verbo encarnado perde sua contundência e cede lugar ao presépio descontextualizado, mero adorno à festa papainoélica.
         Em "Memórias de Adriano", Marguerite Yourcenar capta um momento singular da história do Ocidente, o século 2 -os deuses gregos e romanos declinavam, e a moral cristã, impregnada de platonismo, ainda não se impunha às consciências.
          Vivemos hoje algo parecido. Assolados por fortes ventos esotéricos, numa época epifânica, em que as religiões tendem a ocupar o lugar deixado pelas ideologias messiânicas, assistimos à crise das igrejas tradicionais, encerradas num monólogo ininteligível para o contexto de pluralismo e tolerância com o diferente. A perplexidade assemelha-se à da professora de piano clássico que vê seus alunos preferirem os metaleiros.
          Proliferam-se novas modalidades de aspirar ao transcendente, da aeróbica litúrgica às meditações orientais. Nunca houve, na expressão de Rimbaud, tanta "gula de Deus". "I Ching", astrologia, búzios, tarô etc. são vias pelas quais se busca segurança ante o futuro imprevisível. Já não há tanto interesse pelas religiões das grandes narrativas bíblicas, da santidade ascética, da autoridade sacralizada, da moral coercitiva, da escatologia que nos faz trafegar, titubeantes, sobre o fio invisível que liga o céu ao inferno.
           Predominam as religiões do consolo subjetivo, da alegria d'alma, da cura imediata, dos fenômenos paranormais, da comunidade que se sente resgatada do anonimato, de bênçãos e graças que jorram tal juro de quem crê na versão pós-moderna do dilema "a bolsa ou a vida". Vigora a religiosidade "prêt-à-porter", sem culpa, macroecumênica, fundada na crença em um Deus que dispensa hierarquias, manifesta-se pelas regras de ouro do marketing e tolera as incoerências.
            Talvez não haja, na literatura brasileira, quem melhor tenha captado o sentido do Natal que Machado de Assis, no clássico conto "Missa do Galo". Não há propriamente missa, apenas a espera ansiosa num serão que progressivamente transmuta, aos olhos de Nogueira, rapaz de 17 anos, a anfitriã Conceição, que atingira os 30. 
          Machado faz do coração do jovem narrador um profundo e aquiescente presépio, onde a vida renasce no sutil milagre do amor desinteressado. Um gosto de eternidade. De eterna idade.
          No entanto, quebrado pelo tempo que flui incoercível ao ritmo implacável das horas. Na sala, a missa em torno da musa antecede e realiza a comunhão, eclodindo na beleza de um singelo encontro entre duas pessoas.
          Isso é Natal. Uma festa rara no mais profundo de si mesmo, na qual as pessoas se fazem presentes umas às outras e entre as quais o amor refulge como uma estrela. Essa festa não tem data e é celebrada, repete-se sempre que há encontro em clima de afeto e sabor de comunhão. Ali, as palavras são como barbante de presente desfeito pelas mãos de uma criança: a cada nó desfeito, uma expectativa de surpreendente revelação. 
 


 

CARLOS ALBERTO LIBÂNIO CHRISTO , o Frei Betto, 62, frade dominicano e escritor, é autor de, entre outras obras, "Comer como um Frade - Divinas Receitas para Quem Sabe por que Temos um Céu na Boca". Foi assessor especial da Presidência da República (2003-2004).

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

DEM consulta sobre regras ao Senado

julio campos 400 curtinha   Atendendo orientação da Nacional do DEM, na luta para ampliar bancada no Congresso, o diretório regional do partido vai apostar todas as fichas na disputa suplementar ao Senado. E, antes de avançar na definição de nome, o partido decidiu encaminhar consulta ao TSE para saber se...

Expediente suspenso e posse no TCE

guilherme maluf 400 curtinha   O expediente no TCE-MT será suspenso na segunda, a partir das 12 horas. É que às 15 horas acontece a sessão especial na Escola Superior de Contas, marcando a posse de Guilherme Maluf (foto) na presidência do órgão fiscalizador. O hoje presidente Domingos Neto passa ao...

Túlio, desgaste e disputa em Cáceres

tulio 400 caceres   Derrotado a deputado estadual duas vezes, a última em 2018, Túlio Fontes (foto) não sustenta mais o que declarou há três meses, quando anunciou que ficaria de fora da corrida à Prefeitura de Cáceres. Mesmo tendo abandonado o município por um bom tempo, desde quando concluiu...

Disputa em Sinop e vaga na Câmara

juarez costa 400 curtinha   O deputado federal Juarez Costa (foto) tem espalhado que será candidato a prefeito de Sinop, posto já ocupado por ele por dois mandatos. No fundo, o emedebista espera que Rosana Martinelli (PL), que foi sua vice e depois se elegeu prefeita nas urnas de 2016, desista do projeto de reeleição...

Francis forçando a barra ao Senado

francis maris 400 curtinha   Francis Maris (foto), empresário e prefeito de Cáceres, é mesmo corajoso. Ele anunciou que vai reunir colegas prefeitos da região Oeste para discutir a ideia de entrar na disputa ao Senado, na eleição suplementar para a vaga de Selma, cassada esta semana. Francis se acha "o...

Sindal repudia postura de "indicado"

O presidente do Sindal Jovanildo da Silva se diz traído por Osmar Capilé, representante dos segurados da AL e que exerce cargo de diretor dos Aposentados, que votou favorável a nova alíquota de 14% no Conselho da Previdência. O apoio ao aumento da cobrança gerou revolta entre os servidores do Legislativo, que partiram para cima de Jovanildo cobrando explicações. Em nota de repúdio, o sindicato, que o indicou como representante no...

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

Como você avalia a decisão do Supremo de suspender prisão imediata após julgamento em segunda instância?

Concordo

Discordo

Tanto faz

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.