Últimas

Segunda-Feira, 18 de Dezembro de 2006, 09h:20 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:15

Artigo

Morte e vida: Severino

O colunista Fernando de Barros e Silva revela, em artigo publicado na Folha de S. Paulo desta segunda (19), considera que 'o aumento autoconcedido pelos parlamentares sacramentou o divórcio entre o Congresso e a sociedade'.

Leia reprodução abaixo:

FERNANDO DE BARROS E SILVA

Morte e vida: Severino

SÃO PAULO - O aumento autoconcedido pelos parlamentares sacramentou o divórcio entre o Congresso e a sociedade, da qual o primeiro supostamente seria a "caixa de ressonância", como reza o clichê. Essa caixa ressoa outra música.
A decisão deixa evidente -como se ainda fosse preciso- que os atuais congressistas há muito passaram do ponto em que prestar satisfações à opinião pública fazia parte de suas preocupações.
          O que Fernando Gabeira (PV-RJ) chamou de "ato de inimizade com o povo brasileiro" suscita outras questões mais amplas: o que esses parlamentares representam? Agem dessa forma em nome de quem? E estão lá, afinal, para quê? A democracia às vezes precisa de respostas.
         Diante dos R$ 24,5 mil, ficamos entre a mente iluminada de um José Múcio (PTB-PE) -segundo quem os 91% vão evitar "fuga de cérebros do Congresso" e o risco de que haja "CPI com bandidos dos dois lados"- e a omissão sem brilho do presidente da Câmara, Aldo Rebelo, cada vez mais parecido com a hiena triste do desenho animado. Ó vida, ó céus, ó azar! -dizemos nós.
É fato que o Congresso sempre foi fisiológico e corporativo. As marcas dessa legislatura são a trivialização da bandalheira e a generalização da impunidade. Entre os sanguessugas -três senadores e 69 deputados- não houve cassações, apenas duas renúncias. E só três de 19 mensaleiros foram cassados.
           A gestão Lula, que prometia mudar hábitos políticos, colaborou para o apodrecimento do Legislativo. A cúpula do PT patrocinou o maior esquema já visto de aluguel de deputados no varejo. Apanhados, governo e partido nada fizeram para punir seus mensaleiros. A mesma cultura desembocou no dossiê.
Vista em perspectiva, a eleição de Severino Cavalcanti, em 2005, foi a expressão sintomática do camelódromo em que a Câmara se transformara. A farra do baixo clero que ele representava teve vida curta. Mas o que representam hoje Aldo e Renan, senão a "severinização" do Congresso como instituição?

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

Erros estratégicos e fim de mandato

niuan ribeiro 400   Niuan Ribeiro (foto) termina melancolicamente o mandato de vice-prefeito da Capital, marcado pela ambiguidade, erros estratégicos e vacilações. Logo no início da gestão, resolveu romper politicamente com o prefeito Emanuel, a quem passou a criticar, achando que se consolidaria como...

Retorno ao TCE ou cargo no governo

marcelo bussiki 400 curtinha   A partir de 1º de janeiro, com o fim do mandato de vereador pela Capital, Marcelo Bussiki (foto) retorna ao cargo efetivo de auditor do TCE-MT. Mas é possível que ele seja convidado por Mauro Mendes para compor o quadro de principais assessores do chefe do Executivo estadual. Bussiki foi...

DEM, bate-cabeça e plano B frustrado

fabinho garcia 400 curtinha   O ex-deputado federal e empresário Fábio Garcia (foto) acabou deixando o DEM órfão de candidatura a prefeito da Capital. Numa conversa com o governador Mauro, seu padrinho político, Fabinho o assegurou que iria sim disputar o Palácio Alencastro, mesmo pedindo trégua por...

Mauro sofre 2 derrotas para Emanuel

mauro mendes 400 curtinha   Mauro Mendes (foto), principal estrela do DEM em MT, acabou amargando duas derrotas em Cuiabá para o prefeito Emanuel, neste ano, embora não tenha sido candidato nas urnas. Em princípio, buscou candidatura própria com o seu partido, mas todos os nomes possíveis, como de Gilberto, Gallo,...

Três derrotas do marqueteiro Antero

antero de barros curtinha 400   O ex-senador, jornalista e marqueteiro Antero de Barros (foto) não levou sorte nas campanhas eleitorais as quais coordenou nestas eleições. Em Lucas do Rio Verde, empurrou à reeleição o prefeito Luiz Binotti que, mesmo com o poder da máquina, perdeu para o...

Lideranças jogaram duro contra EP

carlos favaro 400 curtinha   Emanuel Pinheiro teve uma reeleição sofrida em Cuiabá. Lutou contra os principais líderes políticos, que se juntaram em torno da candidatura de Abílio, uns publicamente, outros nos bastidores. O governador Mauro Mendes, por exemplo, jogou pesado para tentar derrotá-lo....

MAIS LIDAS