Últimas

Domingo, 31 de Dezembro de 2006, 11h:22 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:15

Artigo

Mudança e cidadania

     O professor universitário Lourembergue Alves destaca, em artigo assinado em A Gazeta nesta sexta (31) que é hora de "avaliar o que se conquistou ao longo dos últimos 365 dias e, ao mesmo tempo, de pesar o que não se realizou no referido período".

Confira reprodução abaixo.

Lourembergue Alves

      Hoje, derradeiro dia de 2006, data de balanço, ou seja, de avaliar o que se conquistou ao longo dos últimos trezentos e sessenta e cinco dias e, ao mesmo tempo, de pesar o que não se realizou no referido período. Nem sempre o pêndulo pende para o lado dos prós, mas nada de desânimo, afinal o país não alcançou o crescimento tão propalado pelo presidente, ainda mais durante a campanha político-eleitoral, muito embora o mercado mundial tenha contribuído bastante com a balança comercial, denunciando assim a falta de planejamento tão necessário para "agüentar as pontas", particularmente quando o dólar elevava-se, encarecendo sobremaneira o custo da produção agropecuária, ou quando ele caia de valor, em relação ao real, obrigando os produtores a comercializar o resultado da safra por um preço muito aquém do esperado, acarretando-lhes prejuízos, pois havia contraído dívidas no momento de alta. Tanto nesta, quanto naquela, vale repetir-se, o planejar é fundamental, e isso, evidentemente, se estende ao cotidiano individual, familiar e grupos sociais, alcançando assim a vida societária, pois é na esfera do Estado que se dá à plena realização humana, por meio é claro da política.

     Acontece que para se alcançar a plena realização humana é imprescindível uma mudança de postura e de atitude daqueles que se investem, via eleição, no papel de representante da população na Câmara Municipal, Assembléia Legislativa, Congresso Nacional e no Executivo local, regional e federal. Tal mudança, porém, ainda está muito longe de vir a ocorrer, particularmente em um país como o Brasil, no qual predominam o patrimonialismo, cartorialismo e o "jeitinho", cujos alicerces educacionais formaram e continuam a formar o conjunto de políticos da nação. Daí toda a prática de fazer do público uma extensão do privado, sob as mais variadas formas, desde o nepotismo até a utilização do erário para proveito próprio, de um grupo ou de uma facção partidária, via intercâmbio empresa particular e o Estado, com a prestação de serviços superfaturados, tal como se viu com o chamado "valerioduto". Por isso, não se deve esperar iniciativas "revolucionárias" na forma de "fazer e ver a política" por parte desses senhores em 2007. Nada disso. Porém, não é por essa razão que se deve desesperar, deixar de acreditar no futuro, pois o amanhã pode não estar tão distante assim, mesmo que o tão falado futuro permaneça incerto.

     Assim, se os políticos não mudam, mudem então os brasileiros, os comuns, e não há momento melhor que a passagem de ano para carimbar o passaporte para uma nova era, o da conquista da cidadania. Não é esta uma tarefa fácil, bem sabe o (e)leitor, pois requer um comportamento diferente do até então utilizado, tais como o de recorrer aos parlamentares para conseguir empregos em um órgão público, o de valer-se de parentesco ou amizade com alguma autoridade para pleitear privilégios ou atendimento vip e o de utilizar-se do famoso "jeitinho" para dirigir sem habilitação, deixar de pagar as taxas e os tributos e, por fim, que não é a etapa final, mas o começo de tudo, ignorar o direito de outrem em proveito próprio.

     Mudar, na esfera da sociedade política é ver a coletividade primeira e a "res publica", como um bem precioso, e nada, nem ninguém, nem mesmo a importância de determinadas figuras públicas, do prefeito ao presidente do país, passando por membros do Judiciário e do Parlamento, deve sobrepor aos demais cidadãos, independentemente onde estejam, até mesmo no trânsito, no qual o chefe de Estado ou o ministro do Supremo deve aguardar a sua vez, e não se utilizar à força policial ou do cargo para pegar a dianteira. Cidadania requer respeito a quem está do lado ou à frente, mesmo que seja o mais simples dos integrantes do Estado brasileiro. 2007 pode ser o começo de tudo, depende de você (e)leitor. Portanto, boa passagem de ano, que o vindouro seja de fato bem melhor do que agora se vai.

    Lourembergue Alves é professor da Unic e articulista de A Gazeta, escrevendo neste espaço às terças-feiras, sextas-feiras e aos domingos. (lou.alves@uol.com.br)

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

Câmara de Barra devolve R$ 100 mil

joao rodrigues 400 presidente c�mara barra do gar�as   A Câmara Municipal de Barra do Garças devolveu à prefeitura R$ 100 mil para serem investidos em medidas de combate ao novo coronavírus. O presidente do Legislativo, vereador João Rodrigues de Souza, o doutor...

Auditor assume Secretaria de Controle

demilson nogueira 400   O auditor Newton Gomes Evangelista, servidor de carreira, é o novo secretário de Controle Interno da Assembleia. Ele já respondeu também pela Auditoria-Geral da Casa. Newton assumiu a Controladoria Interna no lugar do ex-prefeito de Ponte Branca, Demilson Nogueira (foto), que deixou o posto...

Cuiabá é a unica com tudo fechado

emanuel pinheiro curtinha   A pressão sobre o prefeito Emanuel Pinheiro (foto) fica agora mais forte para flexibilizar logo o decreto restrito por causa do coronavírus. Ele é o único dos gestores das maiores cidades mato-grossenses que ainda mantém decisão de fechar praticamente tudo na Capital, com...

Deputado põe aliado no lugar do irmão

ronaldo taveira 400 curtinha   Coube ao próprio deputado Wilson Santos indicar um nome para o lugar do irmão Elias Santos, que na última sexta (3) deixou a secretaria de Gestão de Pessoas da Assembleia para concorrer a vereador em Cuiabá. E o ex-prefeito emplacou no cargo que rende R$ 19,9 mil mensais o velho...

Sem alarde, vereador muda de partido

viniciys clovito curtinha   De última hora e sem alarde, o vereador pela Capital Vinicyus Hugueney (foto) resolveu deixar o PP e se filiou ao Solidariedade. Com isso, o PP não se torna o único com a maior bancada. Está com três vereadores, assim como o PV e o PSDB. No SD, Vinicyus vai concorrer internamente com...

Irmão de Thelma na lista dos traidores

ronaldo pimentel 400 curtinha   Na carta aberta assinada por Ricardo Saad, que preside o PSDB cuiabano, ele reclama de dívidas milionárias herdadas de antecessores, inclusive dos R$ 4 milhões de pendências somente do pleito de 2016, e menciona, entre outras coisas, que "(...) há correligionários, que estavam...

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

Você concorda com a decisão de prefeitos, que começam a decretar estado de emergência, fechando comércio, serviços públicos e o transporte coletivo?

sim

não

sei lá!

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.