Últimas

Domingo, 31 de Dezembro de 2006, 11h:22 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:15

Artigo

Mudança e cidadania

     O professor universitário Lourembergue Alves destaca, em artigo assinado em A Gazeta nesta sexta (31) que é hora de "avaliar o que se conquistou ao longo dos últimos 365 dias e, ao mesmo tempo, de pesar o que não se realizou no referido período".

Confira reprodução abaixo.

Lourembergue Alves

      Hoje, derradeiro dia de 2006, data de balanço, ou seja, de avaliar o que se conquistou ao longo dos últimos trezentos e sessenta e cinco dias e, ao mesmo tempo, de pesar o que não se realizou no referido período. Nem sempre o pêndulo pende para o lado dos prós, mas nada de desânimo, afinal o país não alcançou o crescimento tão propalado pelo presidente, ainda mais durante a campanha político-eleitoral, muito embora o mercado mundial tenha contribuído bastante com a balança comercial, denunciando assim a falta de planejamento tão necessário para "agüentar as pontas", particularmente quando o dólar elevava-se, encarecendo sobremaneira o custo da produção agropecuária, ou quando ele caia de valor, em relação ao real, obrigando os produtores a comercializar o resultado da safra por um preço muito aquém do esperado, acarretando-lhes prejuízos, pois havia contraído dívidas no momento de alta. Tanto nesta, quanto naquela, vale repetir-se, o planejar é fundamental, e isso, evidentemente, se estende ao cotidiano individual, familiar e grupos sociais, alcançando assim a vida societária, pois é na esfera do Estado que se dá à plena realização humana, por meio é claro da política.

     Acontece que para se alcançar a plena realização humana é imprescindível uma mudança de postura e de atitude daqueles que se investem, via eleição, no papel de representante da população na Câmara Municipal, Assembléia Legislativa, Congresso Nacional e no Executivo local, regional e federal. Tal mudança, porém, ainda está muito longe de vir a ocorrer, particularmente em um país como o Brasil, no qual predominam o patrimonialismo, cartorialismo e o "jeitinho", cujos alicerces educacionais formaram e continuam a formar o conjunto de políticos da nação. Daí toda a prática de fazer do público uma extensão do privado, sob as mais variadas formas, desde o nepotismo até a utilização do erário para proveito próprio, de um grupo ou de uma facção partidária, via intercâmbio empresa particular e o Estado, com a prestação de serviços superfaturados, tal como se viu com o chamado "valerioduto". Por isso, não se deve esperar iniciativas "revolucionárias" na forma de "fazer e ver a política" por parte desses senhores em 2007. Nada disso. Porém, não é por essa razão que se deve desesperar, deixar de acreditar no futuro, pois o amanhã pode não estar tão distante assim, mesmo que o tão falado futuro permaneça incerto.

     Assim, se os políticos não mudam, mudem então os brasileiros, os comuns, e não há momento melhor que a passagem de ano para carimbar o passaporte para uma nova era, o da conquista da cidadania. Não é esta uma tarefa fácil, bem sabe o (e)leitor, pois requer um comportamento diferente do até então utilizado, tais como o de recorrer aos parlamentares para conseguir empregos em um órgão público, o de valer-se de parentesco ou amizade com alguma autoridade para pleitear privilégios ou atendimento vip e o de utilizar-se do famoso "jeitinho" para dirigir sem habilitação, deixar de pagar as taxas e os tributos e, por fim, que não é a etapa final, mas o começo de tudo, ignorar o direito de outrem em proveito próprio.

     Mudar, na esfera da sociedade política é ver a coletividade primeira e a "res publica", como um bem precioso, e nada, nem ninguém, nem mesmo a importância de determinadas figuras públicas, do prefeito ao presidente do país, passando por membros do Judiciário e do Parlamento, deve sobrepor aos demais cidadãos, independentemente onde estejam, até mesmo no trânsito, no qual o chefe de Estado ou o ministro do Supremo deve aguardar a sua vez, e não se utilizar à força policial ou do cargo para pegar a dianteira. Cidadania requer respeito a quem está do lado ou à frente, mesmo que seja o mais simples dos integrantes do Estado brasileiro. 2007 pode ser o começo de tudo, depende de você (e)leitor. Portanto, boa passagem de ano, que o vindouro seja de fato bem melhor do que agora se vai.

    Lourembergue Alves é professor da Unic e articulista de A Gazeta, escrevendo neste espaço às terças-feiras, sextas-feiras e aos domingos. (lou.alves@uol.com.br)

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

Uma perna no muro e dicas indiretas

eduardo botelho 400 curtinha   O presidente da Assembleia, Eduardo Botelho (foto), chega ao final deste 2º turno das eleicões em Cuiabá com uma perna no muro. Ele liberou toda sua equipe para votar em quem quiser e todos pedem voto para Emanuel. Já Botelho, particulamente, preferiu não assumir publicamente o seu...

Nezinho, nova derrota e aposentadoria

nezinho 400   Aos 69 anos, o petebista Carlos Roberto da Costa, o Nezinho (foto), considerado da velha guarda política, tentou, mas foi reprovado nas urnas em Nossa Senhora do Livramento. Ele concorreu a prefeito em quatro pleitos. E já exerceu dois mandatos. Nezinho já foi secretário-adjunto de Fazenda do Estado,...

EP cresce 5; Abílio perde 3, diz Ibope

emanuel pinheiro 400 curtinha   Pelos números do Ibope, revelados nesta sexta à noite pela TV Centro América (Globo), Abílio Júnior (Podemos) oscilou negativamente 3 pontos percentuais em menos de uma semana, de 48% para 45% das intenções de voto. Já o emedebista Emanuel Pinheiro (foto)...

Sob arrogância, ataque e desrespeito

abilio junior 400 curtinha   O candidato Abílio Junior (foto), que disputa o segundo turno em Cuiabá com o prefeito Emanuel, chegou bastante nervoso e irritado para o debate nesta sexta, na TV Vila Real (Record). Demonstrando arrogância, ignorou o superintendente do Grupo Gazeta de Comunicação, Dorileo Leal, na...

Candidatos, tensão, debate e bate boca

antoniocarlos   Em debate tenso, na TV Vila Real (do grupo Gazeta) e, após troca de acusações sobre atos de corrupção e servidores fantasmas, os candidatos à Prefeitura de Cuiabá Abílio Júnior (Pode) e Emanuel Pinheiro (MDB) protagonizaram bate boca por mais de uma vez. O clima ficou...

Abílio contrata 400 fiscais para eleição

A campanha do candidato Abílio Júnior (Pode) decidiu contratar 400 fiscais para atuar nesta eleição de domingo. Isso derruba o discurso do candidato do Podemos de que todos atuam de forma voluntária em prol da sua vitória. Aliás, quando questionado sobre a grande estrutura que montou neste segundo turno, inclusive sobre a equipe de marketing, disse que todos são colaboradores. Na sua versão, ninguém recebe pelo trabalho,...