Últimas

Domingo, 29 de Abril de 2007, 08h:00 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:15

MINISTÉRIO PÚBLICO

Nova chefe do PSF está envolvida em escândalo

Simplício, que no PPS se diz o "símbolo da ética", é acusado no processo por tráfico de influência 

  Um caso de impunidade, alicerçado por tráfico de influência, fraudes e perseguições, vem assustando servidores da saúde pública de Cuiabá. A enfermeira Maria Andrietti Canhetti, contra a qual pesa uma série de denúncias desde 2000, foi nomeada pelo secretário de Saúde, Guilherme Maluf, chefe do Programa Saúde da Família.

  No processo seletivo de recrutamento de profissionais para o PSF, ela foi acusada de clonar certificados e diplomas. De quebra, ainda teve acesso, com antecedência, à prova de um concurso público, tudo com ajuda, segundo denúncias, do então diretor-executivo da Fundação de Saúde de Cuiabá (Fusc), Wagner Simplício. Como integrante da ala histórica do PPS em Mato Grosso, o fiscal sanitarista Simplício ainda carrega, na prática, o discurso da ética, transparência e honestidade. O processo envolvendo a enfermeira que virou chefe do PSF acusa, porém, Simplício de ter praticado tráfico de influência.

   O escândalo sobre Maria Canhetti e Simplício está sob investigação do Ministério Público. O problema é que Maria Canhetti, "aprovada" em primeiro lugar, assumiu a chefia do PSF e, de acordo com servidores, começou a perseguir pessoas que depuseram contra ela no processo na condição de testemunhas.

   Há sete anos, a então coordenadora do PSF/Fusc, Rosângela Aparecida Padilha, abriu sindicância para apurar a denúncia de que Maria Canhetti, com forte ligação com Simplício, teria apresentado certificados e diplomados falsificados com vistas a ser contratada como enfermeira do PSF. Os documentos apresentados por ela consistiam em clonagem dos de Nalzita Paixão Martins, que também havia feito inscrição para a mesma vaga.

   Verificou-se em 10 documentos fotocopiados a oposição de forma grosseira do nome da hoje chefe do PSF. Sobre o local onde estaria grafado o nome de Nalzita na cópia dos certificados, nota-se ainda que a tipologia empregada é divergente da constante dos documentos apresentados. Nos certificados e diplomas datilografados foi aposto o nome de Maria Canhetti com letras de computador e, já os demais certificados, foram feitos em impressoras e a grafia onde aparece o nome "Maria Andrietti Canhetti" é diferente da original no mesmo documento. Outra prova cabal da falsificação detectada no trabalho de reconferência foi o fato das numerações de registros dos documentos nas instituições que o expediram serem idênticas. Toda essa situação acabou induzindo a erro a banca examinadora, que aprovou o nome de Maria Canhetti para os quadros do PSF.

   Posteiormente, ela fez concurso público e foi classificada em primeiro lugar. Nesse caso, pesa sobre Maria Canhetti outra denúncia: a de ter sido beneficiada por Wagner Simplício, com quem tinha bastante afinidade, do resultado da prova antes da realização do concurso.

   Suspeição

    Em novembro de 2000, Wagner Simplício foi intimado a depor na comissão de sindicância na qualidade de testemunha. Revelou que, como diretor-executivo da Fusc, participou da avaliação do processo seletivo. Disse que analisou documentos apresentados por Maria Canhetti, assim como dos demais candidatos.

   Perguntado se tinha conhecimento de que a denunciada apresentou fotocópias junto com os originais no ato da inscrição, Simplício respondeu que não podia afirmar especificamente quanto aos documentos dela. Os membros da comissão de sindicância, então, mostraram ao então diretor-executivo os documentos para sua percepção, a olho nu, de eventual diferença entre originais e falsificados. Concluiu que, de fato, era possível identificar os documentos falsos.

   Por fim, a comissão perguntou se Wagner Simplício fazia parte da equipe com a intenção de proteger alguém. Em resposta, ele argumentou o seguinte: "Sempre atuei com transparência, lisura com probidade e não ia me sujar toda uma carreira profissional por um ato de proteção a quem quer que seja para favorecer ou criar tráfico de influência para que funcionário, pessoa ou cidadão seja beneficiado por ato administrativo ou pelas ações do poder público de formas ilícitas ou torpe".

Postar um novo comentário

Comentários (3)

  • Benedito Queiroz Malungo | Quarta-Feira, 31 de Dezembro de 1969, 20h00
    0
    0

    Bastante afinidade? Por um acaso o senhor não queria dizer que o tal Suplício, perdão, Simplício era amante da Maria e depois que ambos largaram de seus respectivo cônjuges acabaram se casando?

  • Carlos Roberto de Aguiar | Quarta-Feira, 31 de Dezembro de 1969, 20h00
    0
    0

    Se na sindicancia de 2000, ficou constatado que a funcionaria usou de falsidade ideologica, ao clonar documentos, por que não foi demitida. Será que prazo para a conclusão não expirou; Pois se foi concluida alguem tá segurando o pepino. "É como diz o ditado Jabuti não sobe em arvore, se está lá é por que alguem colocou. E olha esta segurando o bicho à tempo em malandro.

  • Carlos Roberto de Aguiar | Quarta-Feira, 31 de Dezembro de 1969, 20h00
    0
    0

    Se na sindicancia de 2000, ficou constatado que a funcionaria usou de falsidade ideologica, ao clonar documentos, por que não foi demitida. Será que prazo para a conclusão não expirou; Pois se foi concluida alguem tá segurando o pepino. "É como diz o ditado Jabuti não sobe em arvore, se está lá é por que alguem colocou. E olha esta segurando o bicho à tempo em malandro.

Fazendeiro deve disputar em Tangará

chico clemente 400 curtinha   Chico Clemente (foto), que está determinado a disputar a Prefeitura de Tangará da Serra pelo PSD, é fazendeiro e não precisa de política praticamente para nada. Mesmo assim, é conhecido por gostar muito dos bastidores, o que o levou a estar na direção de campanhas...

Vander sufocado em Tangará da Serra

vander masson 400 curtinha   Se até há poucos dias tudo indicava para uma possível eleição de Vander Masson (foto) em Tangará da Serra, agora a situação ganha novos rumos e se complica para o tucano. O filho do ex-deputado Saturnino vem perdendo o controle do cenário. Nos últimos...

IFMT e novo laboratório pra testagem

deiver 400 curtinha   Numa iniciativa inédita, o Campus do IFMT Cuiabá - Bela Vista, sob o diretor-geral Deiver Alessandro Teixeira (foto), terá um novo laboratório a ser utilizado para análise sorológica da Covid-19, através da pesquisa de IgG e IgM. A obra, orçada em R$ 1 milhão,...

Comitê chama órgãos fiscalizadores

emanuel pinheiro 400 curtinha   Para colocar fim às críticas sobre suposta falta de transparência na aplicação dos recursos transferidos a Cuiabá pelo governo federal com vistas ao enfrentamento à pandemia, o prefeito Emanuel Pinheiro (foto) determinou que seu secretário de Saúde, Luiz...

PT sob risco de não eleger ninguém

marcos viana 400 curtinha   Mesmo tendo cabeça de chapa para prefeito, no caso o ex-juiz federal Julier Sebastião da Silva, o PT dificilmente elege um vereador em Cuiabá no pleito deste ano. A chapa de pré-candidatos proporcionais é fraquíssima. O "grande" nome do partido é da professora Edna...

Único da família Oliveira pra vereador

luluca 400 curtinha   Na queda-de-braço entre irmãos, venceu, por enquanto, Luiz Arthur Oliveira Ribeiro, o Luluca (foto), que será candidato a vereador pelo MDB em Cuiabá, carregando o espólio político da família Oliveira. Irmão de Luluca, o ex-vereador Leonardo Oliveira, que procurou e...

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

Em Cuiabá, o prefeito suspendeu a decisão de implantar rodízio de veículos entre placas pares e ímpares devido à Covid-19. Mas quer debater a ideia. Você concorda com rodízio?

concordo

discordo

tanto faz

não sei

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.