Últimas

Sexta-Feira, 04 de Maio de 2007, 09h:51 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:15

Artigo

Novas estratégias

 

   No jogo político-eleitoral brasileiro, as alianças são imprescindíveis. O estar só ou concorrer sozinho em eleição à chefia do Executivo municipal, estadual e federal não é uma boa estratégia política, o que pode resultar em derrotas. Razões pelas quais os partidos políticos fazem acordos, negociam e, enfim, coligam-se, afinal, está em jogo o poder de mando local, estadual ou nacional, ou os três de uma só vez. Predominam-se, aqui, interesses particulares, individuais e grupais, menos os da coletividade.
   Talvez seja por isso que o Partido dos Trabalhadores somente se aproximava do PC do B e PCB, seus parceiros fiéis e quase permanentes em qualquer briga político-eleitoral. Pelo menos é isso que transparecia ser verdade, ou se comprava como tal. Realidade ou não, o certo é que as campanhas eleitorais para Presidência da República, por exemplo, se sucederam, e o PT sempre saía delas com derrotas. Foram assim contra Fernando Collor de Mello e Fernando Henrique Cardoso, sendo três ao todo. Levando as lideranças petistas a pensarem como todas as outras siglas e a se valerem de velhos instrumentos de conquistas e manutenção de poder. As alianças concretizadas nas disputas eleitorais de 2002 e 2006 encaixam-se, fortemente, como exemplos. A candidatura Lula da Silva se fortaleceu com o apoio tanto da considerada ala direita, quanto da esquerda. Esta e aquela se entrelaçam e se entrecruzam, perdendo suas próprias raízes, não ocorreu de modo diferente com o PT, e, nessa metamorfose toda, formam um mesmo tronco, do qual saem braços que, nos dias de hoje, controlam os principais cargos da administração pública federal. A partir desta, outras aproximações são realizadas, desta feita nas unidades da federação, onde um dos partidos lulistas tem o leme. Trata-se, assim, de uma nova estratégia, distinta daquela que gerou o "valerioduto" e o "mensalão", é verdade, mas tão ou mais planejada quanto esta, com objetivos bem definidos, o fortalecimento do grupo nas esferas de poder, com vistas às eleições vindouras.
   A partir desse cenário é que se deve discutir a participação do PT no governo de Mato Grosso. O assumir a pasta da educação estadual por parte de um dos membros desse partido e, em contrapartida, a indicação de um amigo do governador na chefia do Dnit, órgão federal, diga-se de passagem, estabelece a bem da verdade o toma-lá-dá-cá; além, é claro, de costurar uma forte aliança com vistas à briga pela prefeitura de Cuiabá, administrada atualmente pelo PSDB, que se faz passar por oposição tanto do presidente Lula quanto do governador mato-grossense. Não foi por acaso, nem uma decisão solitária, a manifestação pública do deputado Carlos Abicalil em concorrer ao Executivo da Capital. Tudo faz parte de uma mesma engrenagem política, até mesmo as brigas internas petistas no que tange a participação ou não na administração do senhor Blairo Maggi, o que retardou um pouco a despedida do deputado Saguás da Assembléia Legislativa, para a qual fora eleito pela população. Não é de se estranhar, (e)leitor ou (e)leitora, caso o PMDB venha também fazer parte dela; até porque essa agremiação é o elo mais forte da chamada bancada governista no Congresso Nacional, tem a chefia de cinco ministérios e uma porção de cargos de segundo e terceiro escalões, e, no âmbito mato-grossense, tem o posto de vice-governador.

Lourembergue Alves é professor universitário, cientista político e articulista de A Gazeta.

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

Eleição ao Senado junto com municipal

carlos favaro 400 curtinha   A eleição suplementar para uma vaga ao Senado deve ocorrer em MT junto com o pleito municipal, em 15 de novembro. A definição oficial partirá do TSE até o final deste mês. Em princípio, a suplementar estava marcada para abril, mas, por causa da pandemia, foi...

Wellington tem 47 lotados no Senado

wellington 400 curtinha   Com dois meses e meio na cadeira de senador, Carlos Fávaro tem hoje 18 assessores lotados no gabinete, muito aquém do quadro dos colegas Jayme Campos e Wellington Fagundes. O chefe de gabinete de Fávaro é o advogado Irajá Rezende de Lacerda, filho do primeiro-suplente Zé Lacerda....

Cáceres, lockdown e frases de alerta

francis maris 400 curtinha   Em Cáceres, o prefeito Francis Maris (foto) decretou lockdown desde a última segunda, dia 29, como forma de forçar os moradores a permanecer em casa para conter o avanço da Covid-19. Mas as medidas restritivas não estão surtindo tanto efeito na prática. Muitos continuam...

4 prefeitos de MT com coronavírus

luiz binotti 400 curtinha   Pelo menos quatro prefeitos em Mato Grosso já foram diagnosticados com Covid-19. O caso mais recente envolve Luiz Binotti (foto), de Lucas do Rio Verde. Ele aguarda resultado de exames, mas já se encontra em isolamento domiciliar. Com sintomas do novo coronavírus, Binotti decidiu ficar em casa. De um...

Forçando cuiabanos a ficar em casa

emanuel pinheiro 400 curtinha   Acuado por causa do avanço dos casos de Covid-19, o que tem provocado colapso na rede pública de saúde, principalmente em Cuiabá, o prefeito Emanuel Pinheiro (foto) decidiu adotar medidas mais restritivas para conter circulação e aglomerações de pessoas,...

Relação tensa e agora sem assessores

niuan ribeiro 400 curtinha   A relação política entre o prefeito Emanuel Pinheiro e o vice Niuan Ribeiro (foto), em Cuiabá, deve azedar ainda mais. Ambos estão rompidos politicamente desde o ano passado. Niuan, que atua no 6º andar do Palácio Alencastro de olho nas ações de Emanuel, que...

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

Até dezembro, o IFMT terá eleição para Reitoria. Quem você acha que será eleito dos candidatos abaixos?

Deiver Alessandro

Julio Santos

Nenhum deles

Não tenho ideia

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.