Últimas

Sexta-Feira, 04 de Maio de 2007, 09h:51 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:15

Artigo

Novas estratégias

 

   No jogo político-eleitoral brasileiro, as alianças são imprescindíveis. O estar só ou concorrer sozinho em eleição à chefia do Executivo municipal, estadual e federal não é uma boa estratégia política, o que pode resultar em derrotas. Razões pelas quais os partidos políticos fazem acordos, negociam e, enfim, coligam-se, afinal, está em jogo o poder de mando local, estadual ou nacional, ou os três de uma só vez. Predominam-se, aqui, interesses particulares, individuais e grupais, menos os da coletividade.
   Talvez seja por isso que o Partido dos Trabalhadores somente se aproximava do PC do B e PCB, seus parceiros fiéis e quase permanentes em qualquer briga político-eleitoral. Pelo menos é isso que transparecia ser verdade, ou se comprava como tal. Realidade ou não, o certo é que as campanhas eleitorais para Presidência da República, por exemplo, se sucederam, e o PT sempre saía delas com derrotas. Foram assim contra Fernando Collor de Mello e Fernando Henrique Cardoso, sendo três ao todo. Levando as lideranças petistas a pensarem como todas as outras siglas e a se valerem de velhos instrumentos de conquistas e manutenção de poder. As alianças concretizadas nas disputas eleitorais de 2002 e 2006 encaixam-se, fortemente, como exemplos. A candidatura Lula da Silva se fortaleceu com o apoio tanto da considerada ala direita, quanto da esquerda. Esta e aquela se entrelaçam e se entrecruzam, perdendo suas próprias raízes, não ocorreu de modo diferente com o PT, e, nessa metamorfose toda, formam um mesmo tronco, do qual saem braços que, nos dias de hoje, controlam os principais cargos da administração pública federal. A partir desta, outras aproximações são realizadas, desta feita nas unidades da federação, onde um dos partidos lulistas tem o leme. Trata-se, assim, de uma nova estratégia, distinta daquela que gerou o "valerioduto" e o "mensalão", é verdade, mas tão ou mais planejada quanto esta, com objetivos bem definidos, o fortalecimento do grupo nas esferas de poder, com vistas às eleições vindouras.
   A partir desse cenário é que se deve discutir a participação do PT no governo de Mato Grosso. O assumir a pasta da educação estadual por parte de um dos membros desse partido e, em contrapartida, a indicação de um amigo do governador na chefia do Dnit, órgão federal, diga-se de passagem, estabelece a bem da verdade o toma-lá-dá-cá; além, é claro, de costurar uma forte aliança com vistas à briga pela prefeitura de Cuiabá, administrada atualmente pelo PSDB, que se faz passar por oposição tanto do presidente Lula quanto do governador mato-grossense. Não foi por acaso, nem uma decisão solitária, a manifestação pública do deputado Carlos Abicalil em concorrer ao Executivo da Capital. Tudo faz parte de uma mesma engrenagem política, até mesmo as brigas internas petistas no que tange a participação ou não na administração do senhor Blairo Maggi, o que retardou um pouco a despedida do deputado Saguás da Assembléia Legislativa, para a qual fora eleito pela população. Não é de se estranhar, (e)leitor ou (e)leitora, caso o PMDB venha também fazer parte dela; até porque essa agremiação é o elo mais forte da chamada bancada governista no Congresso Nacional, tem a chefia de cinco ministérios e uma porção de cargos de segundo e terceiro escalões, e, no âmbito mato-grossense, tem o posto de vice-governador.

Lourembergue Alves é professor universitário, cientista político e articulista de A Gazeta.

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

Nezinho, nova derrota e aposentadoria

nezinho 400   Aos 69 anos, o petebista Carlos Roberto da Costa, o Nezinho (foto), considerado da velha guarda política, tentou, mas foi reprovado nas urnas em Nossa Senhora do Livramento. Ele concorreu a prefeito em quatro pleitos. E já exerceu dois mandatos. Nezinho já foi secretário-adjunto de Fazenda do Estado,...

EP cresce 5; Abílio perde 3, diz Ibope

emanuel pinheiro 400 curtinha   Pelos números do Ibope, revelados nesta sexta à noite pela TV Centro América (Globo), Abílio Júnior (Podemos) oscilou negativamente 3 pontos percentuais em menos de uma semana, de 48% para 45% das intenções de voto. Já o emedebista Emanuel Pinheiro (foto)...

Sob arrogância, ataque e desrespeito

abilio junior 400 curtinha   O candidato Abílio Junior (foto), que disputa o segundo turno em Cuiabá com o prefeito Emanuel, chegou bastante nervoso e irritado para o debate nesta sexta, na TV Vila Real (Record). Demonstrando arrogância, ignorou o superintendente do Grupo Gazeta de Comunicação, Dorileo Leal, na...

Candidatos, tensão, debate e bate boca

antoniocarlos   Em debate tenso, na TV Vila Real (do grupo Gazeta) e, após troca de acusações sobre atos de corrupção e servidores fantasmas, os candidatos à Prefeitura de Cuiabá Abílio Júnior (Pode) e Emanuel Pinheiro (MDB) protagonizaram bate boca por mais de uma vez. O clima ficou...

Abílio contrata 400 fiscais para eleição

A campanha do candidato Abílio Júnior (Pode) decidiu contratar 400 fiscais para atuar nesta eleição de domingo. Isso derruba o discurso do candidato do Podemos de que todos atuam de forma voluntária em prol da sua vitória. Aliás, quando questionado sobre a grande estrutura que montou neste segundo turno, inclusive sobre a equipe de marketing, disse que todos são colaboradores. Na sua versão, ninguém recebe pelo trabalho,...

Entrando na briga à AMM muito tarde

maurao curtinha 400   Mauro Rosa, o Maurão (foto), que está encerrando o segundo mandato como prefeito de Água Boa, é o único candidato no duelo com Neurilan Fraga, que busca mais um mandato no comando da AMM, entidade que representa as prefeituras mato-grossenses. O problema é que Maurão entrou...