Últimas

Sexta-Feira, 04 de Maio de 2007, 09h:51 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:15

Artigo

Novas estratégias

 

   No jogo político-eleitoral brasileiro, as alianças são imprescindíveis. O estar só ou concorrer sozinho em eleição à chefia do Executivo municipal, estadual e federal não é uma boa estratégia política, o que pode resultar em derrotas. Razões pelas quais os partidos políticos fazem acordos, negociam e, enfim, coligam-se, afinal, está em jogo o poder de mando local, estadual ou nacional, ou os três de uma só vez. Predominam-se, aqui, interesses particulares, individuais e grupais, menos os da coletividade.
   Talvez seja por isso que o Partido dos Trabalhadores somente se aproximava do PC do B e PCB, seus parceiros fiéis e quase permanentes em qualquer briga político-eleitoral. Pelo menos é isso que transparecia ser verdade, ou se comprava como tal. Realidade ou não, o certo é que as campanhas eleitorais para Presidência da República, por exemplo, se sucederam, e o PT sempre saía delas com derrotas. Foram assim contra Fernando Collor de Mello e Fernando Henrique Cardoso, sendo três ao todo. Levando as lideranças petistas a pensarem como todas as outras siglas e a se valerem de velhos instrumentos de conquistas e manutenção de poder. As alianças concretizadas nas disputas eleitorais de 2002 e 2006 encaixam-se, fortemente, como exemplos. A candidatura Lula da Silva se fortaleceu com o apoio tanto da considerada ala direita, quanto da esquerda. Esta e aquela se entrelaçam e se entrecruzam, perdendo suas próprias raízes, não ocorreu de modo diferente com o PT, e, nessa metamorfose toda, formam um mesmo tronco, do qual saem braços que, nos dias de hoje, controlam os principais cargos da administração pública federal. A partir desta, outras aproximações são realizadas, desta feita nas unidades da federação, onde um dos partidos lulistas tem o leme. Trata-se, assim, de uma nova estratégia, distinta daquela que gerou o "valerioduto" e o "mensalão", é verdade, mas tão ou mais planejada quanto esta, com objetivos bem definidos, o fortalecimento do grupo nas esferas de poder, com vistas às eleições vindouras.
   A partir desse cenário é que se deve discutir a participação do PT no governo de Mato Grosso. O assumir a pasta da educação estadual por parte de um dos membros desse partido e, em contrapartida, a indicação de um amigo do governador na chefia do Dnit, órgão federal, diga-se de passagem, estabelece a bem da verdade o toma-lá-dá-cá; além, é claro, de costurar uma forte aliança com vistas à briga pela prefeitura de Cuiabá, administrada atualmente pelo PSDB, que se faz passar por oposição tanto do presidente Lula quanto do governador mato-grossense. Não foi por acaso, nem uma decisão solitária, a manifestação pública do deputado Carlos Abicalil em concorrer ao Executivo da Capital. Tudo faz parte de uma mesma engrenagem política, até mesmo as brigas internas petistas no que tange a participação ou não na administração do senhor Blairo Maggi, o que retardou um pouco a despedida do deputado Saguás da Assembléia Legislativa, para a qual fora eleito pela população. Não é de se estranhar, (e)leitor ou (e)leitora, caso o PMDB venha também fazer parte dela; até porque essa agremiação é o elo mais forte da chamada bancada governista no Congresso Nacional, tem a chefia de cinco ministérios e uma porção de cargos de segundo e terceiro escalões, e, no âmbito mato-grossense, tem o posto de vice-governador.

Lourembergue Alves é professor universitário, cientista político e articulista de A Gazeta.

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

EP vira "garoto propaganda" do HMC

emanuel hmc 400 curtinha   Emanuel Pinheiro (MDB) não se conteve e gravou um vídeo de um minuto e 35 segundos em que aparece em frente ao HMC. E, imitando a passagem de um repórter de TV, convida a população a conhecer o recém-inaugurado hospital. Enquanto fala, imagens mostram salas, equipamentos e a...

DEM "esconde" candidatos a vereador

beto 2 a 1 400 curtinha   O presidente do DEM em Cuiabá, Beto 2 a 1 (foto), secretário estadual de Governo, faz mistério sobre a chapa que está sendo montada para concorrer a vagas na Câmara de Cuiabá. Não esconde apenas o nome do vereador Marcelo Bussiki que, em março, deixa o PSB aproveitando...

Fávero e peso político em novo partido

silvio favero 400   A definição pelo presidente Jair Bolsonaro para que Silvio Fávero conduza a Comissão Provisória em MT da Aliança pelo Brasil, partido que só será criado oficialmente no próximo ano ou em 2021, representa peso político importante para o deputado de primeiro...

Prefeito estoura limite e TCE faz vetos

francis maris 400 curtinha   No sétimo e penúltimo ano de mandato, o prefeito cacerense Francis Maris (foto) segue na mesma toada, de que a administração precisa continuar "enxugando" a máquina, embora já tenha conseguido o equilíbrio fiscal e que quem o suceder receberá uma gestão...

Vice muda de partido e vai a prefeito

leandro felix 400 curtinha   O vice-prefeito de Nova Mutum e primeiro-suplente de deputado estadual, Leandro Félix (foto), pretende deixar o DC. Deve se filiar no Podemos ou no PRB. Vai depender da orientação política dos irmãos Adriano (Podemos) e Otaviano Pivetta (PDT), respectivamente, prefeito de Mutum e...

Câmara só regulamenta salário de EP

misael partido 400 curtinha   Ao fixar o salário do prefeito de Cuiabá Emanuel Pinheiro em R$ 27 mil, a Câmara de Cuiabá, sob Misael Galvão (foto) não aumenta o subsídio de Emanuel de imediato, mas sim regulamenta o valor que já era pago desde dezembro de 2018. O imbróglio começou...

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

Como você avalia a decisão do Supremo de suspender prisão imediata após julgamento em segunda instância?

Concordo

Discordo

Tanto faz

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.