Últimas

Sexta-Feira, 04 de Maio de 2007, 09h:51 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:15

Artigo

Novas estratégias

 

   No jogo político-eleitoral brasileiro, as alianças são imprescindíveis. O estar só ou concorrer sozinho em eleição à chefia do Executivo municipal, estadual e federal não é uma boa estratégia política, o que pode resultar em derrotas. Razões pelas quais os partidos políticos fazem acordos, negociam e, enfim, coligam-se, afinal, está em jogo o poder de mando local, estadual ou nacional, ou os três de uma só vez. Predominam-se, aqui, interesses particulares, individuais e grupais, menos os da coletividade.
   Talvez seja por isso que o Partido dos Trabalhadores somente se aproximava do PC do B e PCB, seus parceiros fiéis e quase permanentes em qualquer briga político-eleitoral. Pelo menos é isso que transparecia ser verdade, ou se comprava como tal. Realidade ou não, o certo é que as campanhas eleitorais para Presidência da República, por exemplo, se sucederam, e o PT sempre saía delas com derrotas. Foram assim contra Fernando Collor de Mello e Fernando Henrique Cardoso, sendo três ao todo. Levando as lideranças petistas a pensarem como todas as outras siglas e a se valerem de velhos instrumentos de conquistas e manutenção de poder. As alianças concretizadas nas disputas eleitorais de 2002 e 2006 encaixam-se, fortemente, como exemplos. A candidatura Lula da Silva se fortaleceu com o apoio tanto da considerada ala direita, quanto da esquerda. Esta e aquela se entrelaçam e se entrecruzam, perdendo suas próprias raízes, não ocorreu de modo diferente com o PT, e, nessa metamorfose toda, formam um mesmo tronco, do qual saem braços que, nos dias de hoje, controlam os principais cargos da administração pública federal. A partir desta, outras aproximações são realizadas, desta feita nas unidades da federação, onde um dos partidos lulistas tem o leme. Trata-se, assim, de uma nova estratégia, distinta daquela que gerou o "valerioduto" e o "mensalão", é verdade, mas tão ou mais planejada quanto esta, com objetivos bem definidos, o fortalecimento do grupo nas esferas de poder, com vistas às eleições vindouras.
   A partir desse cenário é que se deve discutir a participação do PT no governo de Mato Grosso. O assumir a pasta da educação estadual por parte de um dos membros desse partido e, em contrapartida, a indicação de um amigo do governador na chefia do Dnit, órgão federal, diga-se de passagem, estabelece a bem da verdade o toma-lá-dá-cá; além, é claro, de costurar uma forte aliança com vistas à briga pela prefeitura de Cuiabá, administrada atualmente pelo PSDB, que se faz passar por oposição tanto do presidente Lula quanto do governador mato-grossense. Não foi por acaso, nem uma decisão solitária, a manifestação pública do deputado Carlos Abicalil em concorrer ao Executivo da Capital. Tudo faz parte de uma mesma engrenagem política, até mesmo as brigas internas petistas no que tange a participação ou não na administração do senhor Blairo Maggi, o que retardou um pouco a despedida do deputado Saguás da Assembléia Legislativa, para a qual fora eleito pela população. Não é de se estranhar, (e)leitor ou (e)leitora, caso o PMDB venha também fazer parte dela; até porque essa agremiação é o elo mais forte da chamada bancada governista no Congresso Nacional, tem a chefia de cinco ministérios e uma porção de cargos de segundo e terceiro escalões, e, no âmbito mato-grossense, tem o posto de vice-governador.

Lourembergue Alves é professor universitário, cientista político e articulista de A Gazeta.

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

Fritado no PDT e buscando o Aliança

antonio galvan 400 curtinha   Fritado no PDT, o presidente da Aprosoja, Antonio Galvan (foto), pretende agora procurar espaço em um partido considerado de direita. E está se movimentando para assumir em MT o comando do Aliança pelo Brasil, partido que está sendo criado pelo presidente Bolsonaro. O sojicultor se mostra,...

Lúdio e incógnita sobre quem apoiar

ludio cabral 400 curtinha   Em 2010, com PT rachado, o hoje deputado estadual Lúdio Cabral (foto) não apoiou Carlos Abicalil, do seu partido, para o Senado. Preferiu virar cabo eleitoral de Pedro Taques, que se elegeu. Agora, para este pleito suplementar ao Senado marcado para 26 de abril, para preencher a vacância devido...

Cotado à cadeira de desembargador

francisco faiad 400 curtinha   É forte o movimento nos bastidores entre os juristas, dentro e fora da OAB/MT, pela indicação do nome de Francisco Faiad (foto) pela classe Quinto Constitucional à cadeira de desembargador. Bem articulado e com bom conceito no meio jurídico, Faiad foi presidente da OAB/MT por dois...

Pivetta promete permanecer no PDT

allan kardec 400 curtinha   O empresário Otaviano Pivetta, que se tornou o mais badalado nesta fase de pré-campanha ao Senado por causa da grande logística em torno do seu nome, se encontra numa saia-justa. Para líderes do Podemos com os quais passou a ter afinidade política, como os senadores Álvaro Dias e...

Ao Senado, 2 partidos e apoio para EP

elizeu nascimento 400 curtinha   Elizeu Nascimento (foto), terceiro-sargento PM licenciado, não é nada bobo. Ex-vereador pela Capital e no mandato de deputado estadual, Elizeu hoje controla o DC-MT e ainda levou aliados de confiança para o PSL-MT, partido que ainda está ligado ao presidente Bolsonaro e que só de...

Digital de Selma no apoio para Pivetta

olga lustosa curtinha 400   Mesmo com laços antigos de amizade com Otaviano Pivetta, Olga Lustosa, que está se desligando do cargo de assessora do gabinete da senadora cassada Selma Arruda em Brasília, causou aquele climão dentro do Podemos quando apareceu no encontro do PDT, neste sábado. O ato marcou o...

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

Na sua opinião, como está indo o Governo Bolsonaro...

excelente

bom

razoável

ruim

péssimo

não sei

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.