Últimas

Terça-Feira, 03 de Abril de 2007, 10h:05 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:15

Artigo

Números sobre Mato Grosso

     O professor Alfredo da Mota Menezes comenta, em artigo nesta terça (3) em A Gazeta, sobre a questão ambiental, ONGs e o governo Blairo Maggi. Confira abaixo a íntegra.

     Segundo se comenta, Blairo Maggi deve ir aos EUA ainda neste semestre para falar sobre meio ambiente e produção econômica em Mato Grosso e na Amazônia.

     Esta coluna defende isso faz tempo. Ficar só na defensiva não é o caminho correto. Aparecem seguidas matérias sobre a realidade do estado apresentadas por algumas ONGs. Tem que haver um contraponto. Deve-se ir lá fora e mostrar números que talvez não sejam conhecidos.

     E existem números que mostram que Mato Grosso não está assim tão feio na foto. Trago alguns números de um par de anos atrás. Se houver mesmo a tal apresentação no exterior, imagino que esses números devem ser atualizados. Uma citação errada daria margem para novas críticas.

     Os números mostravam que a área total do estado é de quase 91 milhões de hectares. Já se desmatou cerca de 27 milhões de hectares. Deste total, a pecuária usaria algo como 18 milhões de hectares ou aproximados 65% do que fora desmatado.

     A agricultura cobriria cerca de cinco milhões de hectares ou uns 18% do total desmatado. Havia um estoque de terras de 4,2 milhões de hectares que são considerados subutilizados. Chega-se então àqueles aproximados 27 milhões de hectares.

     Os números mostravam ainda que o estado possuía ainda algo como nove milhões de hectares para serem desmatados. Se somarmos este número com os cerca de 27 milhões de hectares já desmatados tem-se um total de 36 milhões de hectares.

     Se as contas estiverem corretas, isso daria cerca de 40% do total de terras do estado. Estariam incluídos nesse número, portanto, os 27 milhões de hectares usados pela agricultura e pecuária, mais os noves milhões ainda para ser explorados.

     O estado é hoje campeão nacional de grãos e carne usando aqueles 27 milhões de hectares. Se usasse o restante, nove milhões de hectares (e ainda encontrasse meios para trabalhar nas terras subutilizadas), chegaria a números enormes no campo. Ficariam sem serem tocadas perto de 60% das terras estaduais, portanto.

     Existem números também para essas terras. Os mesmos, como no caso anterior, são colocados sempre de forma aproximada. As reservas indígenas, parques e reservas permanentes teriam algo como 18 milhões de hectares. Quase um milhão de hectares seria de áreas não exploráveis, como encosta de montanhas, beira de rios e outras unidades de preservação desse tipo.

     A chamada reserva legal tem perto de 37 milhões de hectares. Na nossa Amazônia só se pode desmatar, no corte raso, 20% da selva. Os restantes 80% são reserva e só podem ser trabalhados por manejo florestal. No cerrado, pode-se desmatar 65%, os 35% restantes fazem parte também da reserva legal. Isso tudo dá cerca de 56 milhões de hectares ou algo como 60% do total das terras do estado.

     Outros dados existem sobre a realidade do campo no estado que dá para fazer uma defesa tranqüila em qualquer fórum mundial.

     O que não parece correto seria tentar afrontar o exterior num debate desses. Ouvi falar que tem gente propondo que o governador mostre o tanto que foi destruído das florestas no exterior ao longo dos séculos. Que o Brasil fez muito menos estragos que eles. Que a plantação de soja nossa obedece a normas que as deles não obedecem. Que mais isso e aquilo.

     Pode ser tudo verdade, mas o bom senso recomenda não usar esse estratagema na explanação inicial de ninguém. Não provocar a audiência seria uma atitude inteligente. Se a exposição e o debate forem de forma civilizada será um equívoco se alguém entrar por esse tipo de apresentação.

     Uma palavra mal colocada seria a manchete que o mundo tomaria conhecimento. E numa apresentação, em país de língua diferente, envolvendo ataques e defesas, pode haver algum escorregão. Se ocorrer, não teria sido útil a tal viagem em defesa do estado.

Alfredo da Mota Menezes escreve em A Gazeta às terças, quintas e aos domingos. (pox@terra.com.br)


Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

Opositores ganham força em Barra

adilson gon�alves 400 curtinha   Grupos de oposição estão ganhando "musculatura" em Barra do Garças, numa expectativa otimista de derrotar o candidato apoiado pelo prefeito Beto Farias (MDB), o atual vice Wellington Marcos, que está filiado ao DEM. Wellington é considerado nome "pesado"...

Cuiabá já conta com 10 "prefeitáveis"

paulo grando 400 curtinha novo   Dez partidos já possuem um ou mais pré-candidatos a prefeito de Cuiabá. E a "inflação" de nomes tende a aumentar empurrada pela necessidade de sobrevivência dessas legendas, que, lançando nome à majoritária, ajudam seus candidatos a vereador na busca por...

Apoio de Bolsonaro é aposta de França

roberto franca 400 curtinha   Roberto França (foto) segue cheio de esperanças do apoio de Bolsonaro a seu nome como pré-candidato a prefeito de Cuiabá. Entre o sim e o não, preferiu seguir o calendário eleitoral e se afastar da apresentação do seu tradicional programa de TV Resumo do Dia, de...

Adin contra nomeação em Cáceres

angelo audicom 400 curtinha   Presidida por Ângelo Silva de Oliveira (foto), a Audicom-MT, entidade que congrega auditores e controladores internos dos municípios do Estado, ingressou com Adin no Tribunal de Justiça, pleiteando liminar para, assim como ocorreu em Rondonópolis, também derrubar uma lei em vigor...

Viúva de Adriano disputa em Cáceres

anelise silva 400 curtinha   Anelise Silva (foto), viúva do ex-reitor da Unemat e ex-deputado Adriano Silva, lançou pré-candidatura à prefeita de Cáceres pelo DEM do governador Mauro. Ela enfatiza que sofre a dor da perda e que decidiu entrar no páreo para dar continuidade ao projeto de Adriano de...

Vereador tenta barra compra de cestas

diego guimaraes 400 curtinha   O vereador pela Capital, Diego Guimarães (foto), denunciou junto à Ouvidoria do TCE o que definiu como irregular a aquisição, com dispensa de licitação, de cinco mil cestas básicas de alimentos pela secretaria municipal de Assistência Social e Desenvolvimento...

MAIS LIDAS

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

Em Cuiabá, o prefeito suspendeu a decisão de implantar rodízio de veículos entre placas pares e ímpares devido à Covid-19. Mas quer debater a ideia. Você concorda com rodízio?

concordo

discordo

tanto faz

não sei

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.