Últimas

Terça-Feira, 03 de Abril de 2007, 10h:05 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:15

Artigo

Números sobre Mato Grosso

     O professor Alfredo da Mota Menezes comenta, em artigo nesta terça (3) em A Gazeta, sobre a questão ambiental, ONGs e o governo Blairo Maggi. Confira abaixo a íntegra.

     Segundo se comenta, Blairo Maggi deve ir aos EUA ainda neste semestre para falar sobre meio ambiente e produção econômica em Mato Grosso e na Amazônia.

     Esta coluna defende isso faz tempo. Ficar só na defensiva não é o caminho correto. Aparecem seguidas matérias sobre a realidade do estado apresentadas por algumas ONGs. Tem que haver um contraponto. Deve-se ir lá fora e mostrar números que talvez não sejam conhecidos.

     E existem números que mostram que Mato Grosso não está assim tão feio na foto. Trago alguns números de um par de anos atrás. Se houver mesmo a tal apresentação no exterior, imagino que esses números devem ser atualizados. Uma citação errada daria margem para novas críticas.

     Os números mostravam que a área total do estado é de quase 91 milhões de hectares. Já se desmatou cerca de 27 milhões de hectares. Deste total, a pecuária usaria algo como 18 milhões de hectares ou aproximados 65% do que fora desmatado.

     A agricultura cobriria cerca de cinco milhões de hectares ou uns 18% do total desmatado. Havia um estoque de terras de 4,2 milhões de hectares que são considerados subutilizados. Chega-se então àqueles aproximados 27 milhões de hectares.

     Os números mostravam ainda que o estado possuía ainda algo como nove milhões de hectares para serem desmatados. Se somarmos este número com os cerca de 27 milhões de hectares já desmatados tem-se um total de 36 milhões de hectares.

     Se as contas estiverem corretas, isso daria cerca de 40% do total de terras do estado. Estariam incluídos nesse número, portanto, os 27 milhões de hectares usados pela agricultura e pecuária, mais os noves milhões ainda para ser explorados.

     O estado é hoje campeão nacional de grãos e carne usando aqueles 27 milhões de hectares. Se usasse o restante, nove milhões de hectares (e ainda encontrasse meios para trabalhar nas terras subutilizadas), chegaria a números enormes no campo. Ficariam sem serem tocadas perto de 60% das terras estaduais, portanto.

     Existem números também para essas terras. Os mesmos, como no caso anterior, são colocados sempre de forma aproximada. As reservas indígenas, parques e reservas permanentes teriam algo como 18 milhões de hectares. Quase um milhão de hectares seria de áreas não exploráveis, como encosta de montanhas, beira de rios e outras unidades de preservação desse tipo.

     A chamada reserva legal tem perto de 37 milhões de hectares. Na nossa Amazônia só se pode desmatar, no corte raso, 20% da selva. Os restantes 80% são reserva e só podem ser trabalhados por manejo florestal. No cerrado, pode-se desmatar 65%, os 35% restantes fazem parte também da reserva legal. Isso tudo dá cerca de 56 milhões de hectares ou algo como 60% do total das terras do estado.

     Outros dados existem sobre a realidade do campo no estado que dá para fazer uma defesa tranqüila em qualquer fórum mundial.

     O que não parece correto seria tentar afrontar o exterior num debate desses. Ouvi falar que tem gente propondo que o governador mostre o tanto que foi destruído das florestas no exterior ao longo dos séculos. Que o Brasil fez muito menos estragos que eles. Que a plantação de soja nossa obedece a normas que as deles não obedecem. Que mais isso e aquilo.

     Pode ser tudo verdade, mas o bom senso recomenda não usar esse estratagema na explanação inicial de ninguém. Não provocar a audiência seria uma atitude inteligente. Se a exposição e o debate forem de forma civilizada será um equívoco se alguém entrar por esse tipo de apresentação.

     Uma palavra mal colocada seria a manchete que o mundo tomaria conhecimento. E numa apresentação, em país de língua diferente, envolvendo ataques e defesas, pode haver algum escorregão. Se ocorrer, não teria sido útil a tal viagem em defesa do estado.

Alfredo da Mota Menezes escreve em A Gazeta às terças, quintas e aos domingos. (pox@terra.com.br)


Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

Misal é reeleito para o 10º mandato

misael galv�o 400 curtinha   Após dois anos fora do comando do Shopping Popular, período em que respondeu pela presidência da Câmara da Capital, o ex-vereador Misael Galvão (foto) voltou à direção do empreendimento, que abriga 500 lojas. E, sob forte...

Oscarlino, Pros e "nocaute" em Gisela

oscarlino 400   Na queda-de-braço dentro do Pros por espaço político, o ex-sindicalista Oscarlino Alves (foto) nocauteou a ex-superintendente do Procon-MT, Gisela Simona. Ele foi um dos filiados que não aceitaram apoio a Abílio na disputa de segundo turno para prefeito de Cuiabá, se aliou ao projeto de...

Promotor recebe medalha do Exército

Mauro Zaque curtinha   O promotor de Justiça Mauro Zaque (foto) foi condecorado com a medalha do Exército Brasileiro na manhã desta segunda (19), no dia da instituição. A solenidade é considerada a segunda maior do Exército Brasileiro, foi reservada por conta da pandemia e contou com a...

Sema reabre os parques em Cuiabá

mauren lazzaretti sema 400   Fechados desde 1º de abril, em obediência às regras de decreto municipal, que suspendiam as atividades coletivas, os parques estaduais urbanos de Cuiabá reabrem nesta segunda (19) para utilização pelo público. Será possível acessar as tradicionais trilhas...

Pilha em Jayme pra disputar o Governo

jayme campos 400   Mesmo sabendo que Jayme Campos (foto) não entra em disputa onde percebe dificuldades para vencê-la e militando no mesmo partido de Mauro Mendes, o DEM, algumas lideranças políticas têm instigado o senador a se lançar ao governo estadual. Para tentar convencer Jayme, lançam...

Scheila assume APDM e cita projetos

scheila pedroso 400   Esposa do prefeito sinopense Roberto Dorner, Scheila Pedroso (foto), primeira-dama e secretária municipal de Assistência Social, passa a tocar, pelos próximos dois anos, a Associação para o Desenvolvimento Social dos Municípios de MT (APDM/MT). Ela promete juntar força com os...