Últimas

Quinta-Feira, 24 de Maio de 2007, 09h:22 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:15

Artigo

O apagão da CPI

         Esta semana certamente ainda será lembrada por muito tempo no Congresso Nacional. É a semana em que, como num passe de mágica, oposicionistas e governistas apareceram simbolicamente abraçados, unidos por algum laço invisível que as divergências do dia-a-dia e a obrigação do antagonismo de cartilha não conseguiram romper. Pelo menos nesta semana, oposição e governo parecem cultivar uma afinidade vinda da infância.
     Evaporou-se como por milagre aquela indignação com que certos políticos costumavam aparecer à frente das câmeras de TV e dos microfones, sempre que era revelado mais um escândalo administrativo ou feita mais uma denúncia de corrupção. De repente, os mensalões e os dossiês começaram a parecer coisa de um passado remoto. Tudo isso deu lugar a uma surpreendente prudência e a doses maciças de bom senso da parte da oposição.
     Por exemplo: foi difícil acreditar quando um líder oposicionista, conhecido pela virulência dos seus ataques ao trabalho da Polícia Federal e ao governo Lula, passou a elogiar, sem mais nem menos, a forma competente como aquela corporação conduziu as investigações que resultaram na chamada Operação Navalha e na conseqüente prisão de 47 pessoas, acusadas de organizar a quadrilha que fraudava licitações de programas governamentais.
     É isso mesmo. A Polícia Federal brasileira, sistematicamente crucificada em tantas outras ocasiões, passou a merecer a inteira confiança de alguns parlamentares da oposição. Também da noite para o dia, deputados e senadores que nos últimos meses andaram se engalfinhando pela criação de mais uma CPI, apareceram como cândidos modelos de comedimento, não há motivo algum para se pensar em CPI; aliás, quem falou em CPI? Para que CPI?
     Durante vários anos, em passado mais ou menos recente, a primeira pedra, perdão, o primeiro pedido de CPI, era sempre atirado pelos políticos do PT. O presidente espirrou duas vezes seguidas, deu motivo para CPI. O ministro fez implante capilar, CPI nele! Claro, havia também os motivos mais sérios para se pedir a instalação de CPI e os petistas não se faziam de rogados: pediam no ato. É verdade que quase nenhuma das comissões deu em nada, mas elas sempre se constituíram em ótimos palanques. Portanto, produziram resultados. Pelo menos eleitorais.
     Mais recentemente, a mania ganhou força de novo, agora pelas mãos de deputados e senadores do PSDB e do PFL (no momento Democratas). Aliás, ganhou tanta força que por pouco uma delas não derrubou o presidente da República em 2005/2006. Passadas as eleições, reeleito o alvo preferido das CPIs recentes, eis que os aeroportos do país entram em colapso, os controladores de vôo fazem greve e os aviões de carreira teimam em permanecer mais tempo em terra do que no ar. Chama a CPI! Idas e vindas, marchas e contramarchas, o plenário da Comissão de Justiça da Câmara vira um quase campo de batalha, recorre-se ao Supremo e finalmente saem não uma, mas duas CPIs, ambas incumbidas de investigar o mesmo assunto, o chamado apagão aéreo.
     Bem, esse era o cenário até a semana passada. De segunda-feira para cá, o que houve foi um apagão da CPI. O assunto é quase proibido e certamente constrangedor nas duas Casas do Congresso Nacional. De repente, quase todo mundo descobriu que tem coisas mais importantes a fazer do que apoiar pedido de CPI. Governo e oposição finalmente falam a mesma língua. Ou até preferem não falar. O próprio governo anda confuso: já não sabe exatamente com quantos aliados pode contar no Senado e na Câmara.   Afinal, a partir de agora a chamada base aliada deve ou não incluir os parlamentares do PSDB e do Democratas?

Carlos Monforte é jornalista em Brasília e escreve em A Gazeta às quintas-feiras

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

Poconé tem hoje vários "prefeitáveis"

euclides santos 400 curtinha   O ex-vereador e ex-prefeito de dois mandatos de Poconé, Euclides Santos (foto), que era do MDB e agora está no PSDB, vem se movimentando nos bastidores para concorrer novamente à sucessão municipal. Seria um dos nomes de oposição ao prefeito Tatá Amaral, que vai tentar...

Apostas do PTB para vereador em VG

silvio fidelis 400 curtinha   Detentor da segunda maior bancada na Câmara de Várzea Grande, com cinco assentos, atrás somente do DEM da prefeita Lucimar, que conta com sete vereadores, o PTB aposta na hipótese de ao menos manter as cinco vagas. E todos os seus vereadores vão à reeleição, sendo...

Despesas e o uso eleitoreiro de CPI

marcelo bussiki 400 curtinha   Buscando visibilidade pela reeleição em ano eleitoral, alguns vereadores da Capital, vergonhosamente, usaram e abusaram de dinheiro público para promoção pessoal na esteira da CPI do Paletó. A tendência é do relatório paralelo que pede afastamento do...

Sorriso incentiva 40 projetos culturais

ari lafin 400 curtinha   A seis meses de concluir o mandato, o prefeito de Sorriso, Ari Lafin (foto), estabeleceu, dentro do Plano Municipal de Cultura, o "PROMIC - Festival da Cultura 2020" para contemplar 40 projetos cujos valores somam R$ 340 mil, envolvendo artes visuais, artes cênicas, cultura popular, música, audiovisual,...

Quase R$ 2 mi para o Lucas Protegida

binotti 400 curtinha   A Prefeitura de Lucas do Rio Verde, sob Luiz Binotti (foto), contratou, por R$ 1,9 milhão, um consórcio formado pela Rocha Comércio de Equipamentos, que ficará com a maior "fatia" de R$ 1,4 milhão, e a Airplates Tecnologia da Comunicação, com R$ 521,7 mil, para desevolver o...

Silêncio sobre operação e elo com MBL

ulysses moraes 400 curtinha   O deputado de primeiro mandato Ulysses Moraes (foto), que deixou o DC e se filiou ao PSL, coordenador em Mato Grosso do Movimento Brasil Livre (MBL) e chamado por muitos de paladino da moralidade, mesmo sendo bastante ativo nas redes sociais, não usou a internet para comentar a operação da...

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

Em Cuiabá, o prefeito suspendeu a decisão de implantar rodízio de veículos entre placas pares e ímpares devido à Covid-19. Mas quer debater a ideia. Você concorda com rodízio?

concordo

discordo

tanto faz

não sei

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.