Últimas

Quinta-Feira, 24 de Maio de 2007, 09h:22 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:15

Artigo

O apagão da CPI

         Esta semana certamente ainda será lembrada por muito tempo no Congresso Nacional. É a semana em que, como num passe de mágica, oposicionistas e governistas apareceram simbolicamente abraçados, unidos por algum laço invisível que as divergências do dia-a-dia e a obrigação do antagonismo de cartilha não conseguiram romper. Pelo menos nesta semana, oposição e governo parecem cultivar uma afinidade vinda da infância.
     Evaporou-se como por milagre aquela indignação com que certos políticos costumavam aparecer à frente das câmeras de TV e dos microfones, sempre que era revelado mais um escândalo administrativo ou feita mais uma denúncia de corrupção. De repente, os mensalões e os dossiês começaram a parecer coisa de um passado remoto. Tudo isso deu lugar a uma surpreendente prudência e a doses maciças de bom senso da parte da oposição.
     Por exemplo: foi difícil acreditar quando um líder oposicionista, conhecido pela virulência dos seus ataques ao trabalho da Polícia Federal e ao governo Lula, passou a elogiar, sem mais nem menos, a forma competente como aquela corporação conduziu as investigações que resultaram na chamada Operação Navalha e na conseqüente prisão de 47 pessoas, acusadas de organizar a quadrilha que fraudava licitações de programas governamentais.
     É isso mesmo. A Polícia Federal brasileira, sistematicamente crucificada em tantas outras ocasiões, passou a merecer a inteira confiança de alguns parlamentares da oposição. Também da noite para o dia, deputados e senadores que nos últimos meses andaram se engalfinhando pela criação de mais uma CPI, apareceram como cândidos modelos de comedimento, não há motivo algum para se pensar em CPI; aliás, quem falou em CPI? Para que CPI?
     Durante vários anos, em passado mais ou menos recente, a primeira pedra, perdão, o primeiro pedido de CPI, era sempre atirado pelos políticos do PT. O presidente espirrou duas vezes seguidas, deu motivo para CPI. O ministro fez implante capilar, CPI nele! Claro, havia também os motivos mais sérios para se pedir a instalação de CPI e os petistas não se faziam de rogados: pediam no ato. É verdade que quase nenhuma das comissões deu em nada, mas elas sempre se constituíram em ótimos palanques. Portanto, produziram resultados. Pelo menos eleitorais.
     Mais recentemente, a mania ganhou força de novo, agora pelas mãos de deputados e senadores do PSDB e do PFL (no momento Democratas). Aliás, ganhou tanta força que por pouco uma delas não derrubou o presidente da República em 2005/2006. Passadas as eleições, reeleito o alvo preferido das CPIs recentes, eis que os aeroportos do país entram em colapso, os controladores de vôo fazem greve e os aviões de carreira teimam em permanecer mais tempo em terra do que no ar. Chama a CPI! Idas e vindas, marchas e contramarchas, o plenário da Comissão de Justiça da Câmara vira um quase campo de batalha, recorre-se ao Supremo e finalmente saem não uma, mas duas CPIs, ambas incumbidas de investigar o mesmo assunto, o chamado apagão aéreo.
     Bem, esse era o cenário até a semana passada. De segunda-feira para cá, o que houve foi um apagão da CPI. O assunto é quase proibido e certamente constrangedor nas duas Casas do Congresso Nacional. De repente, quase todo mundo descobriu que tem coisas mais importantes a fazer do que apoiar pedido de CPI. Governo e oposição finalmente falam a mesma língua. Ou até preferem não falar. O próprio governo anda confuso: já não sabe exatamente com quantos aliados pode contar no Senado e na Câmara.   Afinal, a partir de agora a chamada base aliada deve ou não incluir os parlamentares do PSDB e do Democratas?

Carlos Monforte é jornalista em Brasília e escreve em A Gazeta às quintas-feiras

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

Governador tenta constranger prefeito

mauro mendes 400 curtinha   Mauro Mendes (foto) tentou constranger o prefeito Emanuel, nesta segunda, na festa da entrega para funcionamento pleno do Hospital Municipal de Cuiabá. Na presença de diversas autoridades, inclusive dos últimos cinco governadores, com exceção de Silval, o atual chefe do Executivo, em...

3 vereadores cuiabanos no Cidadania

diego guimaraes 400 curtinha   O Cidadania, hoje sem voz na Câmara de Cuiabá, poderá ter três vereadores a partir de março de 2020, com abertura da janela. Na dança das cadeiras, Felipe Wellaton sairá do PV para aderir ao Cidadania, que já é presidido em Cuiabá pelo seu chefe de...

6 na Câmara tentam barrar projetos

francis maris 400 curtinha   O prefeito cacerense Francis Maris (foto) luta junto aos vereadores, para, enfim, concretizar todas as etapas de um financiamento milionário para projetos na área de saneamento. São R$ 130 milhões para abastecimento de água e cobertura de rede de esgoto, com juros de 6% ao ano e 20...

3 ex-prefeitos se juntam em Poconé

meire pocone 400 curtinha   Em Poconé, o prefeito Tatá Amaral, filiado ao DEM do governador Mauro e apoiado pelo ex-federal Fábio Garcia, está disposto a buscar a reeleição, mesmo com uma gestão pífia, isolado politicamente e com alto índice de rejeição. Enquanto isso, as...

Máquinas para reciclar garrafas pets

maquina 400 curtinha   Sob iniciativa da secretaria de Inovação e Comunicação da Capital, dentro dos projetos que buscam a sustentabilidade, a prefeitura vai colocar máquinas de reciclagem de garrafas pets em 15 pontos da cidade e com possibilidade de ampliar os locais de recolhimento. Em troca, o cidadão...

4 fora da reeleição em Rondonópolis

jailton 400 vereador curtinha   Em Rondonópolis, quatro dos 21 vereadores não devem ir à reeleição, sendo eles Thiago Muniz (DEM), Rodrigo da Zaeli (PSDB), Hélio Pichioni (PSD) e Jailton do Pesque e Pague (foto), do PSDB. Thiago e Rodrigo têm esperanças de concorrer a...

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

Como você avalia a decisão do Supremo de suspender prisão imediata após julgamento em segunda instância?

Concordo

Discordo

Tanto faz

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.