Últimas

Terça-Feira, 19 de Dezembro de 2006, 05h:06 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:15

Artigo

O barulho das ongs

   

    Renato de Paiva, em artigo no Diário de Cuiabá (www.diariodecuiaba.com.br) chama 'os fanáticos e barulhentos 'ongueiros' de levianos.

Leia a seguir a reprodução do artigo do empresário.

     O barulho das ongs

     Os fanáticos e barulhentos “ongueiros” gritam nos jornais, nas emissoras de rádio e TV e nos sites da internet que o Brasil é um dos campeões do mundo em desmatamento. Pura leviandade. Os números disponíveis mostram o contrário: estudo encomendado pelo Governo Federal sobre a cobertura florestal do mundo, feito pela Embrapa, confirma que temos ainda 69% das florestas originais e que a “civilizada” Europa, ninho e criatório das maiores “ongs preservacionistas” do mundo, conservaram apenas 0,3% de suas matas originais. 
     Pois é, são estes europeus que devastaram 99,7% de suas florestas que se colocam como modelos do mundo, exigindo que outros paguem pela sua ganância destruidora.

       A pressão mundial pela preservação ambiental é muito grande. Entretanto não devemos nos iludir sobre a verdadeira causa de tanto zelo. O maior interesse é econômico, sem nenhuma dúvida. As “ongs” internacionais que atuam no Brasil, algumas inocentemente creio, são braços do capitalismo concorrente, dedicados a aliciar os próprios brasileiros para impedirem o progresso do país, principalmente do nosso agronegócio, sabidamente dos mais competitivos do mundo.

        Aqui no Brasil, às vezes até com apoio de alguns políticos inconseqüentes, como é o caso do governador do Paraná, os militantes de tais “ongs” invadem instalações particulares de pesquisa de sementes, destruindo trabalho de muitos anos e atrasando estudos de organismos geneticamente modificados. Também, através de protestos ruidosos que a mídia reproduz, dificultam ao máximo a aprovação de projetos de rodovias, ferrovias e hidrovias. Enquanto isso países de agricultura desenvolvida como Estados Unidos, Canadá e Argentina plantam transgênicos, muito mais produtivos e rentáveis e os transportam de trens e navios, que são os meios mais baratos. Nós, pressionados por “ongueiros” sonhadores, cultivamos grãos tradicionais e os transportamos em caminhões, que congestionam estradas e portos encarecendo o produto. 
        Há casos de interferência de “ongs” que poderiam ser classificados como anedota, se não causassem tanto transtorno à população: aqui mesmo em Mato Grosso o gasoduto Brasil/Bolívia, sofreu um atraso considerável porque teve seu traçado alterado por causa de um “condomínio de morcegos” em uma caverna por onde deveria passar a tubulação. Ouvi dizer que também aqui, foi alterado o estudo da ferrovia que passava originalmente a 2 km de uma aldeia indígena o que poderia perturbar o sono dos bravos guerreiros. No Paraná, “ongs” impediram temporariamente a construção da duplicação da Rodovia Regis Bittencourt, até que um casal de passarinhos terminasse de chocar seus ovos e tirasse sua prole da árvore que seria derrubada. Por aí dá pra ver os males que os românticos verdes podem fazer quando estimulados pelo capital internacional e principalmente custeados por ele. 
       Esta minoria estridente certamente vai intensificar suas ações neste momento em que despontamos no cenário internacional como o país de maior potencial na produção dos agroenergéticos. Além das barreiras tarifárias e sanitárias que são grandes e poderosas, certamente serão ampliadas as exigências ambientais.

         Combate a incêndio, às vezes, exige fogo de encontro. Para contrapor o discurso interesseiro e direcionado das “ongs” internacionais, creio que deveríamos criar um movimento voltado para a recuperação das florestas dos Estados Unidos e da Europa, usando nosso vasto potencial de “recursos humanos românticos”. Podemos trabalhar inicialmente exigindo a reposição de 10% das florestas originais, em um prazo de 10 anos.

         Alguns estudantes da Unemat que ainda ontem exibiam uma faixa com os dizeres “Menos grão, mais educação’ poderiam ser nossos primeiros militantes. Quem desconhece que a Universidade Estadual de Mato Grosso depende basicamente da receita de ICMS para sua manutenção e que essa receita está diretamente vinculada à produção de grãos, tem bom potencial para integrar qualquer “ong”. 
         Olha que temos moral para exigir esse pequeno sacrifício dos desenvolvidos, diante do nosso exemplo de preservação de quase 70% de nossas florestas.

        Claro que não vamos, a despeito do exemplo, conseguir repor uma só árvore na hipócrita Europa e nem nos gananciosos Estados Unidos. Também não é esse o objetivo. O que conta é o “auê” tirar o Brasil do foco dos ambientalistas e colocar os verdadeiros devastadores na berlinda. A idéia é fomentar uma luta de festivos-verdes-românticos contra românticos-verdes-festivos, enquanto os empreendedores plantam, colhem e produzem riquezas de que o país precisa e ainda gerar sobras para manter tanta gente ociosa e festeira. 

        * RENATO DE PAIVA PEREIRA, empresário

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

Calistro, dúvida à reeleição e Sumaia

sumaia leite 400 curtinha   Jânio Calistro, reeleito para o 2º mandato de vereador em 2016 e como o mais votado em Várzea Grande, com 3.658 votos pelo PSD, se mudou para o DEM dos Campos, mas ainda avalia se vai encarar o teste das urnas deste ano. Ele se mostra um tanto baqueado, após ficar preso por três meses. E...

Grupos convergem para Emanuelzinho

emanuelzinho 400   O jovem deputado federal Emanuelzinho (foto) está cada vez mais empolgado com a possibilidade de disputar a Prefeitura de Várzea Grande. Até se mudou da Capital para a cidade vizinha, onde montou apartamento no Edifício Maktub. Uma das revelações políticas do PTB, Emanuelzinho tem...

Câmara de ROO e pasta de Controle

orestes miraglia 400 curtinha   A Câmara de Rondonópolis deu de ombros para uma decisão do Tribunal de Justiça e, em primeira votação, aprovou mensagem do prefeito Zé do Pátio, criando a secretaria de Transparência Pública e Controle Interno (SETRACI) em...

Morre pai do secretário da Casa Civil

Mauro Carvalho pai   Faleceu, aos 97 anos, o pai do secretário-chefe da Casa Civil, Mauro Carvalho. O empresário, que também emprestava o nome ao filho, Mauro Carvalho, foi vítima de um infarto nesta quinta (9). A informação foi confirmada pela deputada estadual Janaina Riva (MDB) que publicou nota de...

Deucimar vence Covid-19 após 20 dias

deucimar silva 400 curtinha   Após 13 dias numa unidade intensiva e mais sete se recuperando no leito de hospital, o empresário e ex-vereador pela Capital, Deucimar Silva (foto), recebeu alta médica nesta terça. Ele está curado da Covid-19. Ex-presidente da Câmara Municipal, Deucimar ficou emocionado, fez...

Estudo sobre 13º a vereadores de VG

jaqueline jacobsen curtinha 400   A conselheira-substituta Jaqueline Jacobsen (foto) estabeleceu prazo de 120 dias, em sessão de julgamento do TCE por videoconferência no último dia 2, para que o presidente da Câmara de Várzea Grande, Fábio Tardin, realize estudo prévio de impacto...

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

Em Cuiabá, o prefeito suspendeu a decisão de implantar rodízio de veículos entre placas pares e ímpares devido à Covid-19. Mas quer debater a ideia. Você concorda com rodízio?

concordo

discordo

tanto faz

não sei

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.