Últimas

Terça-Feira, 18 de Setembro de 2007, 09h:36 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:16

Artigo

(O)caso dos cursinhos?

    "Parece irreversível a perda de espaço e de prestígio dos cursinhos. Vários fecharam, e os que sobraram tendem a ter menor distinção.Mas os melhores empresários do setor migraram para o ensino regular, em que tiveram enorme êxito"

     Nos idos de 1950, ensino superior era a universidade pública mais próxima – além de uma PUC ou outra. Competiam todos os alunos pelas poucas vagas. Na guerra pela aprovação, apareceram os cursinhos pré-vestibulares. Seus trunfos eram professores extraordinários demonstrando seu virtuosismo no quadro-negro e preparando apostilas para seus alunos. Fui aluno de um e lá aprendi mais do que em todo o curso médio. O vestibular unificado e as provas de múltipla escolha dos anos 60 permitiram a expansão dos cursinhos mais bem-sucedidos, pois, com uma prova única, o mesmo programa servia para todos. Alguns viraram grandes sistemas, preparando milhares de alunos para passar nos cursos mais difíceis.
     Mas os tempos mudaram. As melhores escolas adotaram o método dos cursinhos, nas séries finais do ensino médio. Ainda mais devastadores para eles, os vestibulares competitivos passaram a ser uma proporção cada vez menor das vagas oferecidas. Com tamanha expansão do ensino privado superior, passou a entrar quem quer (e pode pagar). De fato, chegam a existir tantas vagas quantos são os alunos se formando no ensino médio. Metade delas permanece sem preenchimento.
     Será o ocaso dos cursinhos? Parece irreversível sua perda de espaço e de prestígio. Vários fecharam. Sobraram muitos, mas esses tendem a ter menor distinção – alguns são voltados para alunos mais pobres. Contudo, se definharam os cursinhos, seus melhores empresários migraram para o ensino regular, no qual tiveram enorme êxito e passaram a operar muitas escolas. Mais adiante, criaram as redes (objeto de meu último ensaio). Mais adiante, expandiu-se o ensino público médio e a clientela do ensino privado perdeu poder de compra. Buscando novos mercados, esses empresários migraram para o ensino superior. Lá encontraram terreno fértil para sua expansão acelerada. Nos dias que correm, entre as cinco maiores instituições educacionais privadas, apenas uma não começou como cursinho. Na origem de todas as demais estão cursinhos para engenharia, direito e medicina. O cursinho opera em um mercado aberto. Não há reservas de mercado nem proteções legais. Os mais bem colocados em vestibulares de engenharia e medicina costumavam ser logo selecionados para virar professores dos cursinhos em que estudavam (não se exigem diplomas, só talento). A mensalidade precisava ser competitiva, os super-teachers eram disputados entre os cursinhos e os materiais eram avaliados pelos alunos. A transparência de resultados é total: no dia seguinte, os jornais mostram quem passou onde. É o caldo de cultura do empreendedorismo: oportunidades e liberdade. Quem sabe Darwin diga algo interessante sobre uma trajetória tão meteórica? Gato que cai do muro deixa espaço para outros mais equilibristas. Samurai de reflexos lentos é decapitado pela katana de seu adversário. Os gatos e os samurais sobreviventes são mais aptos. A sobrevivência dos cursinhos mais aptos foi um processo de seleção natural, competindo no mercado mais difícil de quantos há em educação.
     Só para sobreviverem já era preciso competência superior. E, para se expandirem, tinham de ser melhores do que os melhores, com foco cirúrgico em resultados. Era necessária grande competência gerencial para operarem em um mercado tão brutalmente competitivo. Poucos conseguiram. Venceram os de DNA superior. Ao migrarem para a educação acadêmica, encontraram uma concorrência muito menos acirrada. Isso foi verdade tanto no ensino básico como no superior, para onde se moveram mais adiante. Ou seja, ao entrarem no ensino acadêmico, os DNAs sobreviventes já haviam sido postos à prova em condições mais árduas. Onde puseram o pé, tiveram sucesso, seja competindo com ensino mais barato, seja com mais qualidade. Houve até migração para parques gráficos e produção de computadores. Não é comum em outros países a migração do ensino informal para o formal. Como a jabuticaba, o DNA dos cursinhos sobreviventes parece ser algo idiossincraticamente brasileiro.

Claudio de Moura Castro é economista (Claudio&Moura&Castro@attglobal.net)

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

2 suplentes já estreiam em Cuiabá

alex rodrigues 400   Com menos de quatro meses de mandato, dois dos 25 vereadores cuiabanos reeleitos no ano passado já pediram licença para abrir espaço a suplentes. Diego Guimarães (Cidadania) se afastou por 30 dias. Em sua cadeira está Maysa Leão, do mesmo partido. Marcrean Santos (PP) pediu afastamento...

Governista 2 e o desafio da reeleição

wilson santos 400 curtinha   Wilson Santos (foto), que conseguiu retornar à Assembleia "sangrando" nas urnas de 2018, impactado pelo desgaste pela defesa intransigente do Governo Pedro Taques, se prepara para atravessar outro purgatório no próximo ano, em busca de mais um mandato. O deputado tucano carrega desgaste...

Nobres chora a morte de ex-prefeito

flavio dalmolin 400   A pequena e turística Nobres, de 16 mil habitantes, parou neste Feriado de Tiradentes em comoção pela morte, por Covid-19, do ex-prefeito Flávio Dalmolin (foto). Um cortejo percorreu ruas e avenidas, parou em frente ao estádio municipal Balizão e à prefeitura, onde...

Derrotado ensaia disputa ao Governo

reinaldo morais 400 curtinha   O empresário Reinaldo Morais (foto), o rei dos porcos, está disposto a gastar mais uns milhões com nova candidatura majoritária, agora para governador. No ano passado, concorreu ao Senado e obteve votação decepcionante. Foi o penúltimo colocado numa corrida com 11...

Sicredi recua de comprar praça pública

enilson rios 400 prefeito araputanga   A diretoria do Sicredi nem esperou ser votado na Câmara Municipal o polêmico projeto sobre negociação de uma praça pública no centro de Araputanga para cancelar o negócio. A cooperativa havia "amarrado" entendimento com o prefeito Enilson de Araújo...

Sessão, voto e namoro com cantora

ulysses moraes 400   Na sessão virtual da Assembleia desta segunda, o deputado Ulysses Moraes (foto), do PSL, estava demorando para computar o voto na apreciação de um veto do governador. O presidente Max Russi (PSB), então, cobrou agilidade do colega e brincou, dizendo que agora ele só tem olhos para a Maraisa....