Últimas

Sexta-Feira, 01 de Junho de 2007, 11h:59 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:15

Artigo

O crucifixo fica

     O Conselho Nacional de Justiça, na sessão do dia 29 de maio, decidiu sobre reclamações da ONG Brasil para todos, com referência à característica laica do Estado brasileiro. As reclamações questionavam a presença de crucifixos pelos plenários e dependências dos juízos e tribunais do Ceará, Santa Catarina e do Rio Grande do Sul, afirmando que essa prática colide com o princípio republicano da separação entre o Estado e a Igreja. Diziam também que, por ser laico o nosso Estado, foi concedida tacitamente ao cristianismo romano a manutenção do privilégio de exibir seus símbolos nos lugares mais proeminentes de dependências dos Três Poderes, de hospitais de municípios do interior até a Câmara, Senado, Supremo Tribunal Federal e Palácio do Planalto.
     A questão posta para apreciação do Conselho Nacional de Justiça não é nova, pois no ano passado o jornal Folha de São Paulo noticiou que o Ministério Público paulista enviou ofício à Universidade de São Paulo, cobrando a retirada de um crucifixo colocado na sala de espera da clínica odontológica, após receber queixa de uma pessoa que alegou ter ficado incomodada com o objeto ali exposto. O detalhe é que, segundo informações, pela referida clínica passam mais de 1.500 pessoas por dia e apenas uma pessoa fez a reclamação ao Ministério Público, sendo expedida a notificação recomendatória no sentido de que, se o crucifixo continuasse exposto na clínica, a universidade seria acionada pelo promotor de Justiça responsável pelo caso, haja vista a possibilidade de eventual desprestígio a outras crenças religiosas. Essas informações podem ser encontradas e conferidas no Informativo Cidadania nº 09, de 04/08/2006, do Ministério Público do Estado de São Paulo (www. mp.sp.gov.br).
     Não questiono o direito da pessoa incomodada com a imagem do Cristo na clínica, pois quero apenas demonstrar que, tanto no caso do CNJ como no da USP, as reclamações se embasam no princípio constitucional da laicidade do Estado, ou seja, de que o Estado brasileiro não pode ostentar nem demonstrar nenhuma preferência religiosa, como diz a Constituição Federal. A USP e os juízos e tribunais, por serem órgãos públicos, não poderiam, em tese, manter o crucifixo nas suas dependências.
     Numa primeira análise a afirmação tem razão e merece ser melhor analisada, ainda mais porque o CNJ decidiu com interpretação diferenciada e inovadora o comando constitucional, afirmando que esse costume é de natureza cultural e não colide com o princípio da separação da Igreja e do Estado. Essa discussão é motivo de divergência até mesmo no Supremo Tribunal Federal, tendo o ministro Marco Aurélio Mello proferido a seguinte manifestação para a Revista Época (Ed. 470, de 21/05/2007), quando questionado sobre a reforma de uma decisão liminar que deferiu um aborto anencefálico: "Apesar de ainda existir um Cristo entre nós, há muito houve a separação Estado-Igreja. Temos de nos basear em parâmetros técnicos, constitucionais, e não em visões fundamentalistas, morais e religiosas sobre o tema".
     Não custa lembrar que ao alto da mesa do presidente do Supremo Tribunal Federal está afixado um Cristo pregado na cruz. A ligação do Estado com a Igreja Católica constava da Constituição Imperial de 1824, sendo abolida na Constituição Republicana de 1890. Essa abolição remanesceu em todas as demais constituições brasileiras, mostrando a disposição da nossa sociedade em permanecer dissociada de qualquer fusão com as igrejas e religiões existentes. Assim sendo, a decisão proferida pelo Conselho Nacional de Justiça, que num primeiro momento parece definir apenas a colocação de um objeto a mais no cenário das salas de audiências e julgamentos dos nossos tribunais, parece tocar numa situação jurídica que jazia silente na nossa sociedade. Esse fato pode trazer à tona outras situações, como o caso dos feriados religiosos, consagrados nos calendários oficiais, o que levaria fatalmente a futuro ajuizamento de ação direta de inconstitucionalidade ou de ação de argüição de descumprimento de preceito fundamental para que o Supremo Tribunal Federal estabeleça qual é o limite da separação entre o Estado e a Igreja. Até que isso ocorra, com todo o respeito aos reclamantes, o crucifixo fica onde se encontra.

Antônio Horácio da Silva Neto é juiz de direito e presidente da Associação Mato-grossense de Magistrados (Amam). E-mail: ahsneto@terra.com.br

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

PT na oposição independente do eleito

edna sampaio 400   Independente de quem ocupar o Palácio Alencastro, a partir de janeiro, a professora Edna Sampaio (foto), única eleita pelo PT à Câmara de Cuiabá, fará oposição ao prefeito. E dá sinais de que será uma parlamentar bastante atuante. Neste segundo turno, como o seu...

Secretário não consegue eleger Fred

fred gahyva 400 curtinha   O vereador licenciado e secretário estadual de Saúde, Gilberto Figueiredo, foi um cabo eleitoral incansável pela candidatura de Fred Gahyva (foto) a vereador pela Capital. Ele liderou reuniões nas unidades de saúde, reforçando pedido de voto para o aliado e amigo de...

Deputado agora pula de palanque

elizeu nascimento 400 curtinha   O ex-vereador e hoje deputado estadual Elizeu Nascimento (foto), que amargou a oitava colocação na disputa ao Senado na eleição suplementar do último dia 15, mudou de lado, como se troca de camisa. Em princípio, era apoiador do projeto de reeleição do prefeito...

Ex-aliado, Sales lembra quem é Abílio

coronel sales 400   Em mensagem enviada aos amigos, reforçando pedido de voto para Emanuel Pinheiro, o coronel PM da reserva e secretário de Ordem Pública da Capital, Leovaldo Sales (foto), diz conhecer bem os dois candidatos que disputam, neste segundo turno, o Palácio Alencastro. Sobre Emanuel, lembra que este tem...

Uma perna no muro e dicas indiretas

eduardo botelho 400 curtinha   O presidente da Assembleia, Eduardo Botelho (foto), chega ao final deste 2º turno das eleicões em Cuiabá com uma perna no muro. Ele liberou toda sua equipe para votar em quem quiser e todos pedem voto para Emanuel. Já Botelho, particulamente, preferiu não assumir publicamente o seu...

Nezinho, nova derrota e aposentadoria

nezinho 400   Aos 69 anos, o petebista Carlos Roberto da Costa, o Nezinho (foto), considerado da velha guarda política, tentou, mas foi reprovado nas urnas em Nossa Senhora do Livramento. Ele concorreu a prefeito em quatro pleitos. E já exerceu dois mandatos. Nezinho já foi secretário-adjunto de Fazenda do Estado,...

MAIS LIDAS