Últimas

Quinta-Feira, 28 de Dezembro de 2006, 10h:11 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:15

Artigo

O dia de amanhã

  O jornalista Carlos Monforte enfatiza, em artigo nesta quinta (28) em A Gazeta, que o presidente Lula deseja que o ano comece em fevereiro para poder ajustar o quadro de ministros.
   Confira na reprodução abaixo:
 
     O presidente Lula está inventando: quer que o ano comece em fevereiro. Pois será assim esse início de segundo mandato. Tudo será como antes e serão poucas, pouquíssimas, as novidades. Até o ministro da Justiça, que já deu como certa sua saída do governo, deixará o cargo a pedido do presidente apenas no fim de janeiro. A briga por seu cargo é grande e, afinal, o presidente precisa de um consultor jurídico à mão.

    As reuniões têm sido intensas e Lula até pediu um pouco de sossego esta semana, para poder se recompor e tirar tanta conversa do ouvido. Ele tem procurado pavimentar na medida do possível o seu próximo mandato, se encontrado com políticos e até mesmo assinou um protocolo de intenções para pôr nos eixos a recomposição do salário mínimo. São arestas que necessitam reparos e quanto mais cedo isso for feito, melhor.

     A área política, essa não tem jeito. Essa história de coalizão é apenas uma boa estratégia, mas que não comove os partidos, os políticos. Todos falam em governar juntos, em abrir mão de espaços, mas tudo fica no discurso. O PT, por exemplo, tem uma arenga para o público externo, mas em suas reuniões o bicho pega, como no encontro que tiveram seus líderes com o presidente. Ninguém quer abrir espaço algum e todos são gulosos por cargos e regalias.

    Depois das festas da posse, o dia de amanhã não será fácil para o presidente, que está obcecado pela infra-estrutura, pela recuperação das estradas e bastante contrariado com as soluções propostas, pouco ousadas e aquém de sua intenção. Mas ele, ao fim e ao cabo, tem culpa no cartório: o salário mínimo político, de R$ 380,00, vai tirar pelo menos quatro bilhões de reais do pacote de medidas para "destravar" a economia.

     A obsessão do presidente deverá se materializar pelo menos no papel no começo (ou no fim?) de janeiro. Apesar de prejudicado pelo novo mínimo e pela correção do Imposto de Renda, o pacote irá prever o corte de impostos para estimular investimentos, mas não será tão robusto quanto se pensava. As primeiras prejudicadas serão as empresas exportadoras. Mas haverá estímulo para a expansão das empresas.

     Na verdade, esse será o ponto crucial de todo o ano de 2007: o crescimento, a maior pedra no sapato de Lula e do governo, que conseguiu manter uma política econômica rígida e, com isso, segurar a inflação, botar o índice de risco-país lá embaixo e até baixar os juros. Mas o crescimento da economia foi pífio, daí o interesse do presidente. Não fala mais em números, mas quer que o país cresça a taxas menos ridículas.

     Mas as idéias, desejos e vontades do presidente terão de enfrentar as incompreensões políticas e a má vontade de quem não quer partilhar. A disputa cada vez mais firme para a eleição das Mesas da Câmara e do Senado pode prejudicar as intenções de Lula, ou pelo menos desgastar a imagem do presidente. Embora muitos queiram separar a eleição dos novos presidentes da composição do ministério de Lula, as coisas vão ficando mais próximas a cada dia. Ele vai precisar de homens de confiança no Congresso para realizar seus sonhos. E isso só deve acontecer no começo de fevereiro, quando Câmara e Senado terão suas direções renovadas. Por isso, o novo ministério vai demorar; por isso, 2007 vai perder um mês.

     Carlos Monforte é jornalista em Brasília e escreve às quintas-feiras em A Gazeta

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

Câmara de ROO e pasta de Controle

orestes miraglia 400 curtinha   A Câmara de Rondonópolis deu de ombros para uma decisão do Tribunal de Justiça e, em primeira votação, aprovou mensagem do prefeito Zé do Pátio, criando a secretaria de Transparência Pública e Controle Interno (SETRACI) em...

Morre pai do secretário da Casa Civil

Mauro Carvalho pai   Faleceu, aos 97 anos, o pai do secretário-chefe da Casa Civil, Mauro Carvalho. O empresário, que também emprestava o nome ao filho, Mauro Carvalho, foi vítima de um infarto nesta quinta (9). A informação foi confirmada pela deputada estadual Janaina Riva (MDB) que publicou nota de...

Deucimar vence Covid-19 após 20 dias

deucimar silva 400 curtinha   Após 13 dias numa unidade intensiva e mais sete se recuperando no leito de hospital, o empresário e ex-vereador pela Capital, Deucimar Silva (foto), recebeu alta médica nesta terça. Ele está curado da Covid-19. Ex-presidente da Câmara Municipal, Deucimar ficou emocionado, fez...

Estudo sobre 13º a vereadores de VG

jaqueline jacobsen curtinha 400   A conselheira-substituta Jaqueline Jacobsen (foto) estabeleceu prazo de 120 dias, em sessão de julgamento do TCE por videoconferência no último dia 2, para que o presidente da Câmara de Várzea Grande, Fábio Tardin, realize estudo prévio de impacto...

2 deputados empurrados pra oposição

allan kardec 400   Por causa da bandeira que têm carregado de defensores dos servidores públicos, dois deputados do núcleo do governo começam a caminhar para oposição. Um deles é o pedetista Allan Kardec (foto) que, de tanto ser pressionado pelas chamadas bases para reagir contra a PEC da...

Elogios à gestão proba Mauro Mendes

marcelo oliveira 400 curtinha   O secretário de Estado Marcelo de Oliveira (Infraestrutura e Logística), Marcelo de Oliveira (foto), fez questão de destacar nesta quarta, em entrevista ao vivo ao RDTV, tv web do portal Rdnews, que o governador Mauro Mendes tem se empenhado ao máximo para fazer uma boa gestão,...

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

Em Cuiabá, o prefeito suspendeu a decisão de implantar rodízio de veículos entre placas pares e ímpares devido à Covid-19. Mas quer debater a ideia. Você concorda com rodízio?

concordo

discordo

tanto faz

não sei

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.