Últimas

Sexta-Feira, 22 de Dezembro de 2006, 07h:33 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:15

Artigo

O mapa da violência

O professor universitário Juacy da Silva destaca, em artigo publicado por A Gazeta nesta sexta (22), que 'a violência tem aumentado (...), chegando ao que podemos caracterizar como um verdadeiro genocídio praticado de forma aberta contra jovens pobres, negros e excluídos".

Leia abaixo a reprodução na íntegra:

      O mapa da violência

       Juacy da Silva

         Há poucos dias a Organização dos Estados Ibero-americanos (OEI) para a educação, ciência e cultura trouxe a público seu relatório de 2006 denominado "Mapa da violência 2006 - Os jovens do Brasil", resultado de um estudo de 162 páginas abrangendo o período de 1994 a 2004 sobre esta importante questão.

       O que o estudo retrata é que a violência tem aumentado no Brasil em geral e de forma estarrecedora em alguns estados, capitais e regiões metropolitanas, chegando ao que podemos caracterizar como um verdadeiro genocídio praticado de forma aberta contra jovens pobres, negros e excluídos.

       O estudo deveria ser uma referência para que nossos governantes, principalmente nossos parlamentares que só se preocupam em aumentar seus salários e privilégios, para melhor discutir a questão da violência, definir politicas e estratégias para enfrentar este desafio, utilizando indicadores precisos para balizar as ações que o povo e a sociedade brasileira esperam do Estado.

      É mais do que sabido que a violência tem várias causas, incluindo econômicas, psicossociais, culturais e também políticas, na medida em que nossos governantes não conseguem implementar ações efetivas para ir fundo nesta questão.

     Na ausência de políticas públicas que atinjam as causas da violência, a sociedade clama, na maior parte das vezes, por medidas repressivas, as quais apenas minoram a questão de forma pontual ou em alguns casos podem até estimular mais violência. Daí a conclusão de que as medidas preventivas são mais importantes do que as repressivas. As primeiras são de alçada das políticas públicas e devem contar com a participação dos poderes públicos e da sociedade em geral e das instituições não governamentais também. Já as medidas repressivas devem ser implementadas pelos organismos de repressão do Estado (forças policiais e sistemas judiciário, penal e prisional).

      Apenas para demonstrar a gravidade da violência no Brasil apontamos alguns dados deste relatório que devem estarrecer quem se preocupa com o presente e o futuro de nosso país, principalmente o que está acontecendo com a juventude brasileira.

      Entre 1994 e 2004 ocorreram 476.255 assassinatos no Brasil, dos quais 175.908 (36,9%) de jovens com idade entre 15 a 24 anos. Entre 1980 e 2004 as taxas de óbitos no Brasil para cada grupo de 100 mil habitantes na população total caiu de 633 para 572; enquanto na população jovem entre 15 e 24 anos passou de 128 para 130 por 100 mil habitantes.

      O mais grave é que em 1980 as causas externas (homicídios, acidentes de transportes e suicídios) eram responsáveis por 52,9% das mortes da população jovem, passando para 72,1% em 2004. Tanto as taxas de homicídios quanto de acidentes de transporte nesta faixa etária aumentaram significativamente neste período.

     No "ranking" da violência, medido pelas taxas de homicídios por 100 mil habitantes, quando a referência é a população total, o Brasil ocupa 4ª posição, com 27 assassinatos por 100 mil habitantes, ficando atras da Colômbia, cuja taxa é de 57,1 e que ostenta a maior taxa entre 84 países estudados pela OEI; da Venezuela, 2ª posição, com taxa de 29,5 e da Rússia, 3ª, com 27,3. Quando a classificação se refere à população jovem, o Brasil passa para o terceiro lugar, com taxa de 51,7 assassinatos de jovens por 100 mil habitantes, atrás da Colômbia, com 95,6 e da Venezuela com 65,3.

      Todavia, existem situações em que os dados refletem a existência de verdadeiros bolsões de violência extrema. Entre os Estados as taxas de assassinatos para cada grupo de 100 mil habitantes estão próximas da média da Colômbia: Pernambuco com 50,9; Espírito Santo com 49,4 e Rio de Janeiro com 49,2 são campeões de violência.

     Com relação às taxas de homicídios para a população jovem, a situação é estarrecedora, próximo de um genocídio. Rio de Janeiro, 102,8; Pernambuco, 101,5; Espírito Santo, 95,4; Distrito Federal, 74,8; Amapá, 73,4 e Alagoas 72,0 são estados em que as taxas de homicídio de jovens é muito superior à da Colômbia ou até mesmo outros países que estão em guerra civil ou outra forma de guerra convencional, com Iraque, Faixa de Gaza ou alguns países da Ásia e África.

        As taxas de homicídio da população negra, tanto na população total quanto entre jovens, são muito superiores do que da população branca. Em 2004 essas taxas eram de 18,3 para brancos e 31,7 para negros; e entre jovens brancos 34,9 e jovens negros 64,7.

        A mesma conclusão pode ser observada quando a referência é a situação econômica ou de renda. A camada mais pobre e que tem menor renda, tanto em termos de população total quanto entre jovens, apresenta maiores taxas de homicídios do que nas classes média e alta da sociedade.

      Concluindo, existe um verdadeiro genocídio no Brasil praticado contra a população pobre, negra e excluída, atingindo de forma extrema os jovens. Isto representa um grande desafio para toda a sociedade, mas fundamentalmente para nossos governantes e gestores que devem usar melhor os recursos públicos antes que nosso país seja dominado totalmente pela violência generalizada.

     Juacy da Silva, professor universitário, mestre em sociologia. Colaborador do Jornal A Gazeta. E-mail: professorjuacy@yahoo.com.br

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

PSDB veta Taques e vai priorizar Leitão

paulo borges 400 curtinha   O comando regional do PSDB não vai dar chance para Pedro Taques, caso este ensaie concorrer ao Senado com a provável suplementar, já no início de 2020 com a iminente cassação do mandato de Selma. Embora tenha dito que hoje se dedica à advocacia e à vida de professor...

Histórico de não que depois vira sim

blairo maggi 400 curtinha   Mesmo Blairo Maggi (PP) falando para todos que não será candidato ao Senado, na eleição suplementar de 2020 com a provável cassação de Selma, ninguém acredita. Nem aqueles que fazem parte dos grupos criados pelo próprio ex-governador e ex-senador. Em outros...

Francis dispara contra Túlio, Adriano...

tulio fontes 400 curtinha   O prefeito de Cáceres, Francis Maris, que chegou dos EUA na última quinta, aproveitou dois eventos para, publicamente, disparar sua metralhadora verbal contra algumas pessoas. Na sexta, inaugurou uma unidade do Centro de Testagem e Aconselhamento e fez abertura do Natal de Luzes, no centro. Nas duas...

Audiência na AL em prol dos autistas

diana serpe 400 curtinha   Convidada pela Assembleia, a advogada com forte atuação em São Paulo, Diana Serpe (foto), autora do e-book Autismo Educação e especialista na defesa dos direitos das pessoas com deficiência, vai participar de uma audiência pública e proferir palestra na segunda (9),...

Folha em dia e previsão do 13º dia 20

mauro mendes 400 curtinha   É possível que no dia 20 o governo estadual consiga pagar integralmente o décimo-terceiro dos cerca de 100 mil servidores. Ao anunciar que a folha de novembro será paga na próxima terça (10), em única parcela, pela primeira vez no ano, o governador Mauro destacou que...

Cidinho é o que mais agrega ao Senado

cidinho 400 curtinha   Depois de Blairo Maggi, o nome do empresário e ex-senador Cidinho Santos (foto) seria hoje o que mais agregaria a classe política e o agronegócio em torno de uma candidatura ao Senado numa eventual eleição suplementar. Conta com simpatia do senador Jayme Campos e do governador Mauro Mendes,...

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

Como você avalia a decisão do Supremo de suspender prisão imediata após julgamento em segunda instância?

Concordo

Discordo

Tanto faz

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.