Últimas

Quarta-Feira, 15 de Agosto de 2007, 08h:58 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:16

Artigo

O Maranhão do Sul na Wikipédia

     A mágica de criar estados é boa para vender ilusões enquanto se assalta o contribuinte

     A Comissão de Constituição e Justiça do Senado aprovou, em março, projeto que prevê a realização de plebiscito para a criação do estado do Maranhão do Sul. O plebiscito junto à população interessada, manda a Constituição, é o primeiro passo para a criação de um novo estado. Fazia apenas um mês que o senador Edison Lobão apresentara o projeto. A idéia é que a nova unidade federativa, com capital em Imperatriz, tenha 120.000 quilômetros quadrados (quase metade dos 331.000 do atual Maranhão), 1 milhão de habitantes e 49 municípios (o Maranhão atual tem 6 milhões de habitantes e 217 municípios). Tão rápida quanto a aprovação do projeto – subscrito, numa demonstração de força, pelos dois outros senadores do Maranhão, Roseana Sarney e Epitácio Cafeteira, e 38 outros colegas – foi a ascensão do Maranhão do Sul à glória da Wikipédia, a enciclopédia da internet. Ali se informa, entre outras coisas, no verbete respectivo: "Há fortes indícios de que o Maranhão do Sul seria uma entidade plenamente viável: a região possui abundantes recursos naturais, não é sujeita a estiagens, e tem forte potencial para o ecoturismo".
     É curioso o conceito de viabilidade da Wikipédia. O Maranhão é o mais pobre estado brasileiro. O sul do Maranhão é a metade mais pobre do Maranhão. A conclusão inevitável é que o Maranhão do Sul, se e quando for criado, irá direto para a rabeira, como o mais pobre estado brasileiro. Antes de culpar a Wikipédia pela afirmação, no entanto, atente-se para o caráter dessa enciclopédia: ela é aberta a colaborações. Qualquer um pode criar verbetes ou mexer nos já existentes. Não foi uma equipe de doutos enciclopedistas, pode-se concluir sem erro, que redigiu o verbete "Maranhão do Sul". Em favor da Wikipédia, acrescente-se que ela costuma pespegar avisos nos verbetes de duvidosa procedência e suspeito conteúdo. É o caso do "Maranhão do Sul". Ali está escrito: "Este artigo ou seção possui passagens que não respeitam o princípio da imparcialidade. Tenha algum cuidado ao ler as informações contidas nele. Se puder, tente tornar o artigo mais imparcial".
     Esta página não é da Wikipédia, mas tentemos ajudá-la. O senador Edison Lobão é do grupo do senador José Sarney. No ano passado, o grupo, que concorria com Roseana Sarney, perdeu o governo do Maranhão para o rival Jackson Lago. A derrota representou o fim de quatro décadas de hegemonia de Sarney e companhia na província. A eleição foi em fins de outubro. A posse do novo governador, em janeiro. Em fevereiro, sem perder tempo, Lobão apresentava seu projeto no Senado. A conclusão é elementar, minha cara Wikipédia. Já que não dava para tirar o governo de Lago, tentava-se arrancar metade do estado de seu governo. Eis um esplêndido caso de política à brasileira. Enriquecido com tais dados, o verbete da Wikipédia seria muito útil a todos quantos se interessam em entender como funciona o país.
     Projetos de criação de novos estados existem às dezenas no Congresso. O ex-senador Francisco Escórcio teve como principal bandeira, durante anos, a criação do estado do Planalto Central, reunindo o entorno de Brasília. Mais interessante ainda era o projeto do deputado Wanderval dos Santos, o "bispo Wanderval" da Igreja Universal: o Rio Tietê passaria a dividir o atual estado de São Paulo em dois. De um lado ficariam Campinas e Ribeirão Preto, entre outros municípios. Do outro, a cidade de São Paulo. Como São Paulo é cortada pelo Tietê, presumivelmente perderia alguns bairros para a outra unidade federativa. Tais projetos acabaram no arquivo do folclore legislativo. Mas é preciso atenção, pois às vezes escapa e um deles emplaca. O então deputado Siqueira Campos tanto insistiu que a Constituinte de 1988 acabou criando um estado só para ele – o Tocantins. Siqueira Campos foi governador do novo estado três vezes, mantendo-se no posto durante onze dos dezenove anos da gloriosa história tocantinense.
      Criar um novo estado é, como se sabe, um investimento político-burocrático de rentabilidade sem par. É ganhar um cargo de governador, dez de secretário de estado, uma Assembléia Legislativa novinha, com 24 deputados, sete cargos de desembargador, para começar – tudo isso está na Constituição –, e sabe-se lá quantos funcionários públicos. Além disso, ganha-se o direito de enviar a Brasília no mínimo oito deputados federais e três senadores. A despesa fica por conta da União. Numa recente edição do jornal O Estado de S. Paulo, o repórter Ricardo Brandt contou seis projetos de criação de estados que, aprovados nas comissões de Justiça do Senado ou da Câmara, estão prontos para ir a plenário. Além do Maranhão do Sul, a lista inclui os estados do Tapajós e de Carajás (ambos desmembrados do Pará), o do Gurguéia (desmembrado do Piauí), o de Mato Grosso do Norte (de Mato Grosso) e o do Rio São Francisco (da Bahia). Esses ainda não estão na Wikipédia, mas é bom ficar atento. A mágica de criar estado é muito boa para vender ilusões com uma mão enquanto se assalta o bolso do contribuinte com a outra.


Roberto Pompeu de Toledo é articulista de Veja

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

PEC da Previdência na pauta nesta 5ª

dilmar dal bosco 400 curtinha   A polêmica e controversa PEC da Previdência, apresentada pelo governador Mauro, deve ser apreciada nesta quinta, em primeira votação, pelos deputados. O Executivo conseguiu os votos mínimos necessários para conseguir aprovação. Deputados da oposição...

Caminho bem consolidado à reeleição

leonardo 400 curtinha   Dos prefeitos que podem ir à reeleição de cidades pólos, o que encontra situação mais confortável é Leonardo Bortolini, o Léo (foto), de Primavera do Leste. Bem articulado e habilidoso politicamente e com uma relação extensa de obras e...

PSDB e balão de ensaio para prefeito

paulo borges 400 curtinha   Bastante enfraquecido e fragilizado, após perda do comando do Executivo estadual e de quadro de filiados, o PSDB anuncia que terá candidato a prefeito de Cuiabá. E até lista três "prefeitáveis", sendo eles os empresários Luiz Carlos Nigro e Dorileo Leal, além do...

Grupo de Fabinho ávido pelo poder

fabio tardin 400 vereador   Uma ala do DEM de Várzea Grande, que se sente excluída do Paço Couto Magalhães, está torcendo pela cassação da prefeita Lucimar e do vice Hazama. O placar do julgamento no TSE está em 2 a 1 pela manutenção do mandato. Esse bloco anti-Lucimar é...

Vereadores oficializam 2 férias por ano

emerson 400 alta floresta curtinha   Os vereadores de Alta Floresta, no Nortão, aproveitaram este período de pandemia, com as atividades presenciais suspensas, para garantir dois períodos de "férias" por ano. Em decisão desta segunda, a Câmara Municipal, presidida por Emerson Sais Machado (foto), alterou o...

Comissão da Câmara sob efeito-Covid

renivaldo 400 curtinha   Em meio às discussões sobre transparência e compras emergenciais de medicamento, insumos e equipamentos às unidades de saúde, na luta contra a pandemia da Covid-19, a Câmara de Cuiabá criou uma Comissão Especial, composta por três vereadores. Tem a...

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

Até dezembro, o IFMT terá eleição para Reitoria. Quem você acha que será eleito dos candidatos abaixos?

Deiver Alessandro

Julio Santos

Nenhum deles

Não tenho ideia

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.