Últimas

Sábado, 03 de Março de 2007, 07h:05 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:15

Artigo

O maxistério de Lula

   Em artigo neste sábado (3) em A Gazeta, o professor Gaudêncio Torquato comenta sobre equipe do presidente Lula e considera que o Brasil é um país democrático, mas ineficiente. Confira reprodução abaixo.

    O Brasil é um país aproximativo, costumava dizer o embaixador Gilberto Amado. A precisão, a pontualidade, a clareza não combinam com a índole nacional. Em compensação, sobra generosidade nos elogios, no gosto pela imprecisão e no juízo de valor sobre fatos e pessoas. Por aqui se costuma dizer que fulano está "empurrando com a barriga" ou que não há perigo de as coisas melhorarem. Indagado, o interlocutor garante que trabalha "mais ou menos 40 horas por semana". Para confessar a fé, afirma ser "católico, mas não praticante", concluindo a conversa com um "até logo", que quer dizer "até outro dia". Por ser o território do tempo relativo, não é de admirar que o ano-novo só comece agora, depois da estafante folgança carnavalesca. O país tem usado suas estruturas de consolação para purgar as agruras do cotidiano. Mas comete o desatino de freqüentemente dar o dito pelo não dito e esconder suas tragédias sob o cobertor. Exemplo: a barbárie que vitimou o pequeno João Hélio, no Rio de Janeiro, parece ter entrado no rol dos feitos vistos e chorados e rapidamente arquivados no baú da memória.

    Não há motivo para perplexidade. Esse é o preço pago por nossa curvilínea democracia, elogiada porque suas instituições funcionam, mesmo que exibam um passivo incomum em matéria de ineficiência. Não deve causar estranheza o fato de que, após 120 dias, o presidente reeleito pareça perdido, perambulando como um dândi na escuridão, prometendo mundos e fundos e até brandindo um ambicioso programa-símbolo para coroar o segundo mandato, desconsiderando que o marketing do primeiro criou um antivírus contra planos espetaculosos. Além disso, como tantas outras propostas, o PAC, com sua textura de improvisação, só obterá sucesso caso pague a fatura franciscana cobrada pelo Congresso sob o lema inflexível "é dando que se recebe". Ora, o atendimento das demandas de senadores e deputados implica acertos na composição ministerial. E assim se chega à ponta do iceberg: enquanto Lula não nomear o time do segundo mandato, tudo permanece na estaca zero. Como o ex-metalúrgico se gaba de conhecer a "alma brasileira", dá tempo ao tempo, esperando uma ajudazinha da Providência, sem dar ouvidos à crítica de que o ministério está desmotivado ou que a disputa entre partidos romperá a fortaleza da base governista.

     Recorramos à lenda. O guerreiro que conseguisse desatar o nó que atava a canga à lança do carro Górdio, rei da Frígia, dominaria a Ásia. Alexandre, o Grande, tinha duas opções: desatá-lo ou cortá-lo. Optou pela segunda. Como Lula não é guerreiro, não se parece com Alexandre e deve achar historinhas como essa "conversa mole pra boi dormir", escolhe o método mais recorrente na trajetória dos governantes, o da tentativa e erro. Prefere desatar a cortar o nó que liga o apoio parlamentar ao Palácio do Planalto. Deve ter as suas razões. O exercício do poder, no Estado republicano, carece de maiorias legislativas, até porque partido nenhum consegue eleger mais que 20% dos representantes ao Parlamento. Para formar base majoritária, o Executivo há de partilhar o poder entre aliados. Mas há uma condição pregada por Montesquieu: a partilha deve ser controlada, evitando-se perpetuidade de comandos. Luiz Inácio conta com 11 partidos na base, aos quais precisa ceder entre 15 a 20 ministérios. Terá pela frente um dilema. Antes do PT, os governantes adotavam a partilha vertical, consistindo na entrega completa da pasta, no sistema "porteira fechada", pelo qual o partido ganhava os cargos principais e secundários.

    Lula mudou o costume, promovendo a partilha horizontal, deixando o filé dos ministérios com o PT e os ossos com os aliados. Deu no mensalão. Vacinados, os partidos afiaram a faca das ambições na lâmina de promessas malsucedidas. E ainda há um grupo à espera de benefícios: os financiadores de campanha. Não desapareceram, apenas refluíram por temerem denúncias de favorecimento. Como a partilha vertical propicia domínio pleno de estruturas, vantagem na disputa por obras e discrição na distribuição dos serviços, o que reanima os financiadores, tudo indica que essa será a metodologia para formar o Maxistério. Maxistério? A palavra inexiste, mas podemos aceitar o neologismo em contraponto a uma organização enxuta, que a fonética de "ministério" sugere. Nesse ponto, convém aduzir que o governo Lula é o mais generoso da História em matéria de gordura ministerial. Há 34 pastas, com amplas estruturas, subestruturas, empresas, autarquias, grupos de trabalho, formando uma gigantesca cadeia burocrática, fonte que alimenta a fome do Estado. Eis uma modesta amostra do Brasil aproximativo para abrir o ano de trabalho.

Gaudêncio Torquato é jornalista, professor titular da USP, consultor político e escreve em A Gazeta aos sábados

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

PGR monitora delação de ex-deputado

jose riva 400 curtinha   Membros do alto escalão da Procuradoria-Geral da República, que rejeitou a proposta de delação de José Riva (foto) na esfera federal por causa de omissão de crimes, estão monitorando os bastidores do acordo de colaboração, agora entre o Ministério...

Fritado no PDT e buscando o Aliança

antonio galvan 400 curtinha   Fritado no PDT, o presidente da Aprosoja, Antonio Galvan (foto), pretende agora procurar espaço em um partido considerado de direita. E está se movimentando para assumir em MT o comando do Aliança pelo Brasil, partido que está sendo criado pelo presidente Bolsonaro. O sojicultor se mostra,...

Lúdio e incógnita sobre quem apoiar

ludio cabral 400 curtinha   Em 2010, com PT rachado, o hoje deputado estadual Lúdio Cabral (foto) não apoiou Carlos Abicalil, do seu partido, para o Senado. Preferiu virar cabo eleitoral de Pedro Taques, que se elegeu. Agora, para este pleito suplementar ao Senado marcado para 26 de abril, para preencher a vacância devido...

Cotado à cadeira de desembargador

francisco faiad 400 curtinha   É forte o movimento nos bastidores entre os juristas, dentro e fora da OAB/MT, pela indicação do nome de Francisco Faiad (foto) pela classe Quinto Constitucional à cadeira de desembargador. Bem articulado e com bom conceito no meio jurídico, Faiad foi presidente da OAB/MT por dois...

Pivetta promete permanecer no PDT

allan kardec 400 curtinha   O empresário Otaviano Pivetta, que se tornou o mais badalado nesta fase de pré-campanha ao Senado por causa da grande logística em torno do seu nome, se encontra numa saia-justa. Para líderes do Podemos com os quais passou a ter afinidade política, como os senadores Álvaro Dias e...

Ao Senado, 2 partidos e apoio para EP

elizeu nascimento 400 curtinha   Elizeu Nascimento (foto), terceiro-sargento PM licenciado, não é nada bobo. Ex-vereador pela Capital e no mandato de deputado estadual, Elizeu hoje controla o DC-MT e ainda levou aliados de confiança para o PSL-MT, partido que ainda está ligado ao presidente Bolsonaro e que só de...

MAIS LIDAS

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

Na sua opinião, como está indo o Governo Bolsonaro...

excelente

bom

razoável

ruim

péssimo

não sei

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.