Últimas

Quarta-Feira, 28 de Fevereiro de 2007, 07h:19 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:15

Artigo

O novo rei da soja

   O economista Amado de Oliveira Filho, em artigo em A Gazeta desta quarta (28), comenta o que classifica de equívoco do presidente do Grupo Bom Futuro, que soltou a célebre frase: "A crise separou o joio do trigo. Só vão ficar os bons". Confira reprodução abaixo.

  O Brasil já viveu sua experiência monárquica, naquele período tomou força o movimento político denominado Coronelismo. Esta forma de poder era manifestada pela força ou pelo carisma e liderança do tipo salvador da pátria. Tanto a monarquia como o coronelismo passaram. Até porque o que seria da sociedade se de tempos em tempos tivéssemos que reinventar a roda? Jamais teríamos alcançado a modernidade.

Não é o caso de Mato Grosso, estamos reinventando algo meio monarquista coronelista. Trata-se de uma corrida inócua onde a revista Dinheiro Rural de vez em quando tenta coroar o "rei da soja". Este mês, com direito a foto de capa, tentou demonstrar ao Brasil e ao mundo o carisma, a liderança e a competência do presidente do Grupo Bom Futuro, com a célebre frase: "A crise separou o joio do trigo. Só vão ficar os bons".

Os equívocos não param por aí. A matéria considera que o dólar a R$ 2,10 não impacta os custos de produção, mas não avalia seu impacto na comercialização e ainda afirma que as chuvas estão na medida certa em toda a região Centro-Oeste. Centro-Oeste de onde? Não disseram. Porém, fizeram uma profecia que não interessa a ninguém, a de que esta safra deve marcar a volta por cima dos grandes produtores que ficarão maiores assumindo áreas de produtores menos eficientes.

É bom que o novo rei da soja avalie que se um produtor colher 160 mil hectares de soja nesta safra estará colhendo apenas 3,0% dos mais de 5 milhões de hectares plantados. Se considerarmos que o Estado de Mato Grosso este ano estará colhendo 15,0% menos soja que na safra passada, e não quebrará por isto, quem são mais importantes para a economia mato-grossense, um rei ou uma média-burguesia que planta, colhe e consome o fruto da produção dentro do próprio Estado?

Segue a matéria, no entanto, tenho a sensação de que um demônio continua soprando em meus ouvidos a frase "Só vão ficar os bons"! O que é ser bom numa atividade de altos riscos como a sojicultura? Quem é melhor, um produtor que planta 160 mil hectares ou um de apenas 1 mil hectares, que veio para Mato Grosso e aqui criou sua família, educou seus filhos e também sofre as conseqüências do câmbio, do clima e das pragas?

Paradoxalmente, na mesma matéria são citados outros grandes produtores que mesmo mantendo o otimismo, informam que houve a necessidade de venderem carros e fazendas para amenizar as dívidas. Puro bom senso! Afinal, quando o mercado estiver mais favorável, podem voltar à plena atividade. Afirmam ainda que a médio e longo prazos as possibilidades de ganhos são reais, inclusive com uma boa dosagem de diversificação.

Virando a página da fatídica matéria, a Revista Dinheiro publica com o título "Há luz no buraco" a realidade da sojicultura no Brasil e em Mato Grosso. Segundo o conceituado Consultor André Pessoa da Agroconsult, "produtores da região Sul e Sudeste já podem comemorar o fim da crise. Já os do Centro-Oeste vão levar mais tempo para a fase de lucros". Em Mato Grosso, os produtores terão um lucro de R$ 1,5 bilhão para fazer frente a uma dívida de R$ 4,3 bilhões.

É certo que os produtores de soja de menor porte não desaparecerão, é certo também que todos sairão da crise e que as políticas públicas já utilizadas e as que virão para a cadeia da soja e a própria lógica do mercado garantem isto. Também é certo que precisamos de mais produtores e menos reis, afinal, esta é a melhor característica do capitalismo, mesmo com certa dose de mais-valia absoluta, no caso do arrendamento de terras.

Amado de Oliveira Filho é economista em Cuiabá e escreve às quartas-feiras em A Gazeta. E-mail: amadoofilho@ig.com.br

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

Contrato para tocar eventos do TCE

O presidente do Tribunal de Contas do Estado, conselheiro Guilherme Maluf, fechou um contrato anual com a Infortouch Agência e Comunicação, Eventos e Produtos Alimentícios, aproveitando ata de registro de preços  do Tribunal de Justiça de MT, com adesão-carona num processo de 2019. A empresa vai faturar R$ 376,9 mil para atender demandas do TCE em toda logística de eventos, envolvendo as etapas de planejamento,...

Ação de promotor e volta de restrições

Adalberto Ferreira   O promotor de Justiça Adalberto Ferreira garante que prefeito de Juscimeira Moisés dos Santos não havia editado nenhum decreto endurecendo as regras de restrições à pandemia do coronavírus antes do MPE propor ação na Justiça. Ao falar sobre nota publicada...

Oséas agora está nas mãos de Abílio

oseas machado 400 curtinha   Oséas Machado (foto) conseguiu derrubar Abílio Júnior, a quem denunciou por quebra de decoro parlamentar, e assumiu a cadeira deste na Câmara da Capital. Agora, o cassado se articula para dar o troco. O problema é que ambos estão no PSC. Oséas quer buscar a...

Decreto "anula" o MPE em Juscimeira

moises 400 juscimeira curtinha   Em Juscimeira, o promotor de Justiça Adalberto Ferreira recorreu à Justiça de forma desnecessária. Pleiteou e conseguiu uma liminar para suspender um decreto do prefeito Moisés dos Santos que, segundo a ação, havia reduzido as medidas de isolamento social, permitindo...

Kero-Kero quer levar Abílio para Pode

wilson kero kero 400 curtinha   Na contagam regressiva do prazo para o troca-troca partidário - vence em 3 de abril para quem pretende ser candidato em outubro deste ano -, o vereador Wilson Kero-Kero (foto), do PSL e um dos opositores à gestão Emanuel Pinheiro em Cuiabá, está fortalecendo o Podemos. E se...

ECSP explica confusão com Marcrean

marcrean 400 curtinha   A Empresa Cuiabana de Saúde Pública (ECSP) emitiu nota sobre a suposta “carteirada” do vereador Marcrean Santos (foto) no HMC. Ele foi pivô de confusão e um vídeo viralizou nas redes sociais. Segundo a ECSP, o parlamentar foi até o local pedir informações...

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

Você concorda com a decisão de prefeitos, que começam a decretar estado de emergência, fechando comércio, serviços públicos e o transporte coletivo?

sim

não

sei lá!

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.