Últimas

Segunda-Feira, 22 de Outubro de 2007, 08h:30 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:19

Artigo

O poder de João Arcanjo

     Da leitura do episódio que marcou a Operação Arrego, na semana passada, extrai-se muito mais do que o reconhecimento da eficiência do Ministério Público, por meio do Grupo de Apoio e Combate ao Crime Organizado (Gaeco), e das Polícias Civil e Militar de Mato Grosso. Chega-se a uma conclusão imperativa: no período de um ano, sete meses e cinco dias em que João Arcanjo Ribeiro esteve preso, as autoridades subestimaram a inteligência do chefe do crime organizado no Estado.
     Aliás, o poder de fogo do “comendador” começou a ser desdenhado há umas três décadas, quando o humilde (?) policial civil trocou os “bicos” que fazia como segurança pela exploração do jogo do bicho.
     A história do sucesso do cidadão todo mundo sabe de cor, inclusive, a parte mais grotesca da sua ascensão ao comando do crime – uma das fases mais violentas do Estado -, supostamente com o apoio oficial. Consta que foi nas duas gestões do PSDB no Governo (1995-2002) que ficou evidente o temido “Poder Paralelo”, sob a chefia do famoso JAR.
     O desfecho da Operação Arrego, ao descobrir que Arcanjo comandava a jogatina de dentro de uma cela em Pascoal Ramos, na terça-feira (16), não surpreendeu. Só confirmou uma suspeita: ele recuperara o fôlego e voltara a fazer o que fazia com maestria quando se sentia dono do Estado. Ou seja, exercitar seus poderes sinistros, intimidando quem contrariasse seus “negócios” e corrompendo servidores públicos.
     É sintomática a afirmação da promotora Eliane Maranhão, uma das líderes da citada operação, numa entrevista: “O jogo do bicho nunca acabou no Estado. Teve uma queda após a Arca de Noé (operação que, em 2002, demoliu o império do ex-bicheiro), mas depois se reergueu”.
     Estranha, no entanto, era a devoção que certas pessoas tinham para com a figura de Arcanjo. Afinal, na prisão, conforme apurou o Gaeco, o “comendador” vivia como um rei: dispunha de aparelho de tevê, rádio, revistas e livros e usufruía do direito (?) de encomendar refeições delivery ou receber alimentos preparados por familiares. Como tanta mordomia assim, bancada com o meu, o seu, o nosso dinheiro, era natural que ele buscasse mover céus e terra – e, inclusive, tribunais – para permanecer no paraíso – quer dizer, no doce lar de Pascoal.
     A propósito, uma reportagem especial que este Diário publicou em março deste ano confirma que Arcanjo exerceu, de fato, poder dentro da prisão. Ao completar um ano preso, o ex-bicheiro contabilizava um saldo positivo: obtivera mais conquistas do que derrotas na Justiça. Da redução de pena à recuperação de bens, o “comendador” conseguiu afastar um juiz federal de suas causas e livrar-se da transferência para outras partes do país e de se submeter ao rigor do Regime Disciplinar Diferenciado; teve anulada uma sentença de sete anos por porte ilegal de armas. E dos crimes de mando de assassinato – nove vítimas, no total –, tivera, até então, só uma pronúncia, no caso de maior repercussão contra ele: a morte do empresário Sávio Brandão, dono do jornal “Folha do Estado”.
     Em julho, o TRF, sob o relato do desembargador Tourinho Neto, impediu a transferência de Arcanjo para o cárcere da PF de Brasília e, depois, para a Penitenciária de Catanduvas (PR), primeira federal de segurança máxima, onde todos estão inseridos no RDD. O mesmo TRF, com o relato do mesmo juiz Tourinho, no final de julho, reduziu em 25 anos (foi para 11 anos e quatro meses) a pena do ex-bicheiro pelos crimes de lavagem de dinheiro, ocultação de bens e formação de quadrilha, estipulada pela Justiça no Estado em 37 anos em regime fechado. Em março de 2006, ao voltar ao Brasil, Arcanjo tinha o total de 49 anos de prisão, mas outra vitória (no mesmo TRF) levou à redução para 16 anos e quatro meses em regime fechado, um ano depois da sua chegada.
     Hoje, JAR vive sob o rigoroso regime das prisões federais, em Campo Grande (MS): não tem mais as mordomias estatais, teve a cabeça raspada, trocou as roupas de grife pelo tradicional uniforme amarelo de presidiário e come o pão que o diabo amassou... Por aqui, entristecidas, ficam as suas notórias “viúvas”: a noiva que foi sem ter sido; colunistas sociais, que, a pretexto de bajulá-lo, faziam as vezes de assessores de Imprensa; políticos cujas campanhas foram patrocinadas pelo dinheiro sujo da contravenção – entre eles, um tucano arrogante e petulante que caminha para o limbo político;– e policiais desonestos. A propósito, é curioso como Arcanjo tem uma atração fatal por policiais. E a recíproca parece ser verdadeira.
     A pergunta que não quer calar: até quando ficaremos livres do mafioso?

Antonio de Souza é jornalista em Cuiabá (af-souza1957@uol.com.br-asouza80@hotmail.com)

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

Para presidente, BRT é ultrapassado

juca 400 curtinha   Numa sintonia política com o prefeito Emanuel, o novo presidente da Câmara de Cuiabá, vereador Juca do Guaraná (foto), disse ser contra a decisão do governo estadual de "enterrar" o projeto do VLT, cujas obras estão paralisadas desde 2014, para implantar o modal BRT na Região...

Prefeito vai homenagear 2 ex-aliados

ze do patio 400 curtinha   O ex-vereador, ex-deputado estadual e hoje prefeito de Rondonópolis, Zé do Pátio (foto), que está no terceiro mandato, vai homenagear dois aliados que faleceram recentemente, sendo eles o ex-vereador de três mandatos Juary Miranda, que foi líder do Executivo na Câmara...

Maluf deve consultar STF sobre Teis

guilherme maluf 400 curtinha   Assim que retornar de férias, o presidente do Tribunal de Contas do Estado, Guilherme Maluf (foto), dará prosseguimento à análise do pedido de aposentadoria de Waldir Teis, que está afastado do Pleno há três anos e cinco meses, assim como outros três conselheiros...

Novo líder de Pátio na Câmara de ROO

reginaldo santos 400 curtinha   Reginaldo dos Santos (foto), que assume vaga na Câmara de Rondonópolis pela quarta vez, é o novo líder do prefeito Zé do Pátio, com a missão de fazer o trabalho de articulação e defesa do Executivo junto aos colegas do Legislativo. Na legislatura passada,...

Agro sugere Daniella de volta no Indea

daniella bueno 400 indea   Representantes do setor produtivo e um grupo de servidores sugeriram ao governador Mauro o nome da médica-veterinária e servidora de carreira Daniella Bueno (foto) para reassumir a presidência do Indea-MT. Aproveitaram a vulnerabilidade no cargo do presidente Marcos Catão Dornelas, denunciado...

Aumento para vereador só em 2022

Alguns vereadores em Cuiabá, tanto novatos quanto aqueles reeleitos, ficaram surpresos quando informados pela Mesa Diretora de que o aumento salarial de R$ 15,1 mil para R$ 18,9 mil, aprovado agora no final de dezembro, só começa a valer a partir de janeiro de 2022. Não entra em vigor de imediato, mesmo se tratando de nova legislatura, por causa da pandemia, que levou o governo federal a estabelecer, em lei, veto a qualquer tipo de reajuste para servidores até...

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

O Governo de MT optou pela implantação do BRT em Cuiabá-VG em detrimento do VLT. O que você acha disso?

Estou de acordo

Discordo

Tanto faz

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.