Últimas

Sábado, 10 de Março de 2007, 00h:00 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:15

Artigo

O povo - refém dos donos do poder

    Em artigo, O servidor público estadual e e acadêmico de Direito, Agnaldo da Silva Campos, revela sua decepção com a classe política, para quem "não se importa com a vontade do povo". Confira abaixo.

    A titularidade do poder político pertence ao povo, pois o Estado decorre da soberania popular. Assim, à vontade dos nossos representantes político, seja na esfera municipal, estadual ou federal é à vontade do povo, expressa por meio dos nossos representantes, aos quais, o povo outorga procuração no momento do voto.

     Mas, infelizmente a classe política não se importa com a vontade do povo, pois ao serem eleitos se esquecem do compromisso de lutar pela melhoria da coletividade. A classe política está desprestigiada, pois já se tornou rotina escândalos onde os políticos são acusados de corrupção. Esses acontecimentos colocam-na em situação de total descrédito perante a população, pois os políticos tomam decisões que é um verdadeiro atentado a moral e a lei. A falta de crédito da classe política em sua maioria, faz com que toda a sociedade brasileira seja atingida.

    A atitude desses pseudo-sábios administradores e/ou legisladores que imaginam serem indispensáveis na condução política, cultivam a mesquinhez de julgarem proprietários da administração e/ou parlamento, esquecem de quem realmente é o legitimo proprietário: o povo. Se, já não bastasse o descrédito da classe política, eis que o Poder Judiciário, em sua corte suprema, ou seja, o Supremo Tribunal Federal, que, diga-se de passagem, os seus membros são nomeados pelo Rei (Presidente da República) o que torna aquela Corte eminentemente política, em razão disso as suas decisões são políticas e não jurídicas. Aquela Corte que é a guardiã da Constituição Federal, ou seja, é ela quem declara se a lei é constitucional ou inconstitucional, através do voto deus membros.

   O STF está preste a livras os políticos da aplicação da Lei que pune os gestores públicos que lançaram mão do cargo para obter vantagem de ordem pessoal. O processo é de 2002 e contou na época com cinco votos de ministros que já não estão mais na Corte.

    Ficaram faltando mais cinco votos, além do voto da presidente do STF. Atendendo o pedido de vista do ministro Eros Grau, o Supremo Tribunal Federal adiou a discussão da aplicação da Lei sobre Improbidade Administrativa. Mas, pelo andar da carruagem o STF se posicionará a favor da liberação dos gestores públicos que se locupletaram do dinheiro público.

      Então, prezados colegas. Em quem nós devemos acreditar. A classe política que elabora as leis, não se importam com os nossos direitos e garantias, editando normas inconstitucionais a bel prazer, assim, só nos resta recorrer ao Supremo Tribunal Federal -STF que é o guardião da Constituição para ter os nossos direitos garantidos.

   Mas, infelizmente referida Corte, por ser eminentemente política decide de acordo com a vontade do Rei (Presidente da República). Assim, as decisões do STF são meramente políticas e não jurídicas. Por isso se já não bastasse o descrédito da classe política, o Corte Suprema que era a esperança do povo está caindo na vala comum, ou seja, perdendo o seu credito perante a população, pois todas as decisões do judiciário em sua instância superior são a favor do Rei.

     Essa é a triste realidade da população brasileira.

     A verdade é que somos reféns dos donos do poder e só nos resta acreditar e esperar a justiça divina que é certa, pois a justiça dos homens é só ilusão.

 

 Agnaldo da Silva Campos é servidor público estadual e acadêmico de Direito

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

Pivetta promete permanecer no PDT

allan kardec 400 curtinha   O empresário Otaviano Pivetta, que se tornou o mais badalado nesta fase de pré-campanha ao Senado por causa da grande logística em torno do seu nome, se encontra numa saia-justa. Para líderes do Podemos com os quais passou a ter afinidade política, como os senadores Álvaro Dias e...

Ao Senado, 2 partidos e apoio para EP

elizeu nascimento 400 curtinha   Elizeu Nascimento (foto), terceiro-sargento PM licenciado, não é nada bobo. Ex-vereador pela Capital e no mandato de deputado estadual, Elizeu hoje controla o DC-MT e ainda levou aliados de confiança para o PSL-MT, partido que ainda está ligado ao presidente Bolsonaro e que só de...

Digital de Selma no apoio para Pivetta

olga lustosa curtinha 400   Mesmo com laços antigos de amizade com Otaviano Pivetta, Olga Lustosa, que está se desligando do cargo de assessora do gabinete da senadora cassada Selma Arruda em Brasília, causou aquele climão dentro do Podemos quando apareceu no encontro do PDT, neste sábado. O ato marcou o...

Fritado ao Senado, Galvan deixará PDT

antonio galvan 400 curtinha   Como já esperado, o presidente da Aprosoja, Antonio Galvan (foto), foi mesmo patrolado dentro do PDT estadual na tentativa de concorrer ao Senado na suplementar de abril. Com a decisão oficial do partido de lançar o vice-governador Otaviano Pivetta à disputa, Galvan agora pensa em sair da...

Contratos suspensos de 7 prefeituras

domingos neto 400 curtinha   O conselheiro do TCE-MT, Domingos Neto, determinou, até julgamento do mérito, a suspensão de pagamento por sete prefeituras à Oscip Tupã. Ele é relator de uma representação feita pelo Ministério Público de Contas contra as prefeituras de Vera,...

Contrariando estatística do governador

silvano amaral 400 curtinha   Mais um secretário de Estado contraria a estatística do governador Mauro, que no ano passado se orgulhou de anunciar que nenhum dos integrantes do primeiro escalão respondia por condenação judicial. O emedebista Silvano Amaral (foto), ex-deputado, ex-secretário de...

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

Na sua opinião, como está indo o Governo Bolsonaro...

excelente

bom

razoável

ruim

péssimo

não sei

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.