Últimas

Domingo, 04 de Fevereiro de 2007, 08h:07 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:15

Artigo

O PT e os 27 anos de democracia petista

  O presidente nacional do PT, deputado Ricardo Berzoini, que tenta recompor sua imagem depois do desgaste sofrido com a investigação sobre compra do dossiê antitucanos, afirma, em artigo na Folha de S. Paulo deste domingo (4), que 'há muito por fazer'. Segundo ele, o PT tem o desafio de realizar um balanço de sua atuação e atualizar o programa político. Confira abaixo.

   HÁ 27 anos, quando crescia a luta pelo fim da ditadura, sindicalistas, militantes de organizações de esquerda, estudantes, intelectuais e religiosos se uniram no colégio Sion, em São Paulo, para fundar uma nova alternativa partidária para o Brasil.
   Nascia assim o Partido dos Trabalhadores, em 10 de fevereiro de 1980. A idéia era oferecer uma opção política aos novos tempos, opção que tivesse por princípio básico a luta por uma sociedade justa e democrática, "sem exploradores e sem explorados".  Os participantes desse histórico encontro estavam plantando as sementes do que viria a se transformar no maior e mais representativo partido de esquerda da história do Brasil.
   As greves nas fábricas do ABC e a prisão do então líder sindical Lula serviram de estopim para que o Partido dos Trabalhadores ganhasse projeção, fosse às ruas e se tornasse um dos principais porta-vozes das liberdades no Brasil. Pode-se dizer que o PT ajudou a aglutinar insatisfações populares, traduzindo uma pauta trabalhista e de direitos civis para o fim da ditadura. Durante duas décadas, o PT construiu lideranças que passaram a disputar não só os movimentos sociais mas também os espaços políticos do Legislativo e do Executivo.
   O partido tem hoje cerca de 1 milhão de filiados espalhados em todas as regiões, cresceu, amadureceu, se organizou em todos os Estados brasileiros. Mais que isso, multiplicou sua representatividade nas diferentes esferas de poder.  No último pleito eleitoral, por exemplo, além de ajudar a reeleger o presidente Lula, o PT elegeu cinco governadores de Estado, participou de alianças vitoriosas em vários Estados e garantiu a eleição da segunda maior bancada de deputados na Câmara. Não é pouca coisa.
   É sempre bom lembrar que o PT colheu esses resultados enfrentando um enorme e beligerante cerco político. Mas a dinâmica de um partido plural e democrático -o único no Brasil, aliás, que escolhe sua direção por meio de eleições diretas entre seus filiados- ajudou a superar as dificuldades. Isso explica parte da decepção de alguns setores conservadores que não se cansam de sonhar com o fim do PT.
    Enfrentar crises sempre foi um duro desafio para o partido, que utiliza o debate democrático como regra. Do operário ao professor, do militante de base ao presidente da legenda, todos discutem e opinam, assim como todos estão submetidos às regras e às penalidades de um mesmo estatuto.
    É esse modelo de democracia petista que, após 27 anos, continua dando voz e vez para muita gente, incluindo grupos sub-representados na política tradicional: negros, mulheres, deficientes, homossexuais, índios, remanescentes de quilombos e outros que sempre tiveram no PT um canal de luta para a defesa de seus direitos. Sabemos que há muito por fazer.
    Da ideologia à prática. Os próprios conceitos de socialismo democrático, que inspiraram a criação do partido, exigem aprofundamento nesse momento de desafios políticos, econômicos, culturais, sociais e ambientais.
    No próximo período, o PT tem o desafio de realizar um balanço de sua atuação, atualizar seu programa político e traçar metas e estratégias de crescimento.  O terceiro congresso será o espaço que pode consolidar nosso projeto, especialmente no que tange ao seu funcionamento democrático.
    Um partido como o PT não pode se burocratizar e se distanciar dos movimentos sociais ao galgar novos espaços políticos da estrutura do país.
    O PT defende uma reforma política que amplie o controle social do povo sobre seus instrumentos de representação política. E queremos apoiar e aperfeiçoar as iniciativas do governo Lula. A começar pelo pacote de medidas do PAC (Programa de Aceleração do Crescimento). Por meio dele, governo e iniciativa privada, em parceria, poderão somar esforços e colocar o Brasil no rumo do crescimento sustentável e socialmente justo.
    Os avanços do primeiro mandato bem comprovam o acerto político. A estabilização da moeda, a redução da taxa de juros, a queda vertiginosa do risco-país e o aumento progressivo dos investimentos e da balança comercial mostram que o país está pronto e pode crescer até mais de 5% ao ano. A ampliação dos programas sociais e a recuperação do emprego e do salário mínimo provaram, por outro lado, que é possível crescer distribuindo renda e garantindo direitos. 
    Esse processo proporciona geração de mais emprego e renda, desenvolvimento sustentável da economia e melhoria das condições para que o Brasil seja uma nação justa e soberana, como defende a nossa militância.

RICARDO BERZOINI , 46, deputado federal (PT-SP), é presidente nacional do PT. Foi ministro da Previdência (2003) e do Trabalho (2004-2005).

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

Ricardo atuando pela reeleição de EP

ricardo adriane 400 curtinha   O ex-vereador Ricardo Adriane (foto), um dos dirigentes do Republicanos da Capital e do quadro de assessores do presidente da Assembleia, deputado Eduardo Botelho, está fazendo campanha pela reeleição do prefeito cuiabano Emanuel Pinheiro. Numa reunião ampliada, Ricardo deixou claro que...

Única petista eleita define apoio a EP

edna sampaio 400 curtinha   Única vereadora eleita pelo PT na Capital, a professora Edna Sampaio (foto) resolveu declarar apoio à reeleição do prefeito Emanuel Pinheiro (MDB). E mandou mensagens aos servidores públicos, que passarão a ter a petista como espécie de porta-voz na Câmara Municipal....

Batista agora aparece pra pedir voto

joao batista 400 curtinha   Único deputado do Pros com assento na Assembleia e presidente estadual do partido, João Batista (foto) resolveu aparecer nestas eleições em Cuiabá, mas no segundo turno. No primeiro, foi escondido pela candidata do Pros, Gisela Simona, que ficou em terceiro lugar. Nos bastidores,...

Derrotado a vereador se junta a Abílio

elias santos 400   O irmão do deputado estadual Wilson Santos, Elias Santos (foto), que concorreu a vereador por Cuiabá e só conseguiu 1.143 votos, agora faz campanha para Abílio neste segundo turno, no confronto entre o candidato do Podemos e o prefeito Emanuel. Elias estava no PSDB e correu para o DEM do governador...

Surra de votos no prefeito e no irmão

meraldo sa 400 curtinha   Na pequena Acorizal, com menos de seis mil habitantes, o ex-prefeito de dois mandatos, ex-presidente da AMM e ex-deputado estadual Meraldo Figueiredo Sá (foto) garantiu mesmo, nas urnas, o seu retorno ao cargo. Concorrendo pelo PSD e agora sem ajuda do antigo padrinho político José Riva, Meraldo...

Ato de Gisela por Abílio na prefeitura

gisela simona 400 curtinha   Gisela Simona (foto), que agora virou Abílio desde criancinha, mesmo depois de sofrer ataques e críticas deste no 1º turno, convocou correligionários para um "ato contra corrupção", neste domingo, na praça Alencastro, em frente à Prefeitura da Capital. A plateia de...

MAIS LIDAS