Últimas

Sexta-Feira, 20 de Abril de 2007, 00h:53 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:15

EDUCAÇÃO

Obra levanta razões da morte de ex-governador

   O mato-grossense de Poxoréo, Alfredo da Mota Menezes, professor, escritor e articulista do jornal A Gazeta desde 1991, lança na próxima quarta (24), às 18h30, na Assembléia Legislativa, mais uma obra. Será a primeira sobre a questão política em Mato Grosso. Está sendo lançada pela editora Tanta Tinta/Carlini & Caniato. Custará R$ 35.

   Intitulado a Morte de Totó Paes - Política do Interior do Brasil -, o livro levanta os motivos que levaram à morte Antonio Paes de Barros, o Totó Paes. Ele morreu em 1906, em pleno exercício do cargo de governador de Mato Grosso.

   Segundo Menezes, não há bandidos ou heróis no palco de disputas em que se transformou Mato Grosso naquele período. "Talvez o mais trepidante e instigante momento político que o Estado já passou. O livro mostra o que estava por trás disso tudo".

   Totó Paes possuía a usina de açúcar Itaicy, com grande estrutura à época. Sua morte é até hoje motivos de acesos debates, destaca o autor. O livro procura entender por que se chegou àquele desfecho. Menezes busca os fatos políticos nos quais o Estado estava envolvido desde a proclamação na República em 1889 até a morte do governador.

  "Não dá para separar aquele acontecimento das várias disputas políticas que viveu o Etado". Os grupos e partidos políticos procuram preencher espaços surgidos com o novo regime no país. E nessa tentativa, Mato Grosso passou por três “revoluções”: uma em 1892, outra em 1899 e a última, em que resultou na morte4 do governador Totó Paes.

   O autor observa que fatos ocorridos nos governos dos presidentes Deodoro da Fonseca, Floriano Peixoto, Campos Sales e Rodrigues Alves ajudam a empurrar a política em Mato Grosso em direções diferentes. Segundo a obra, o que acontecia no Estado não eram fatos isolados, pois estava conectado com os acontecimentos nacionais e internacionais.

     Menezes discorre sobre o Tratado de Petrópolis de 1903, com a cessão do Acre ao Brasil pela Bolívia. Afirma que trata-se de um dos fatores que ajudaram a botar fogo nas relações políticas do Estado. Impressiona também como a força militar federal sediada em MT interferia nos assuntos políticos locais. Chama atenção ainda a estreita ligação do Estado com os países da Bacia do Prata. A hidrovia Paraguai-Paraná unia os diferentes interesses.

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

Três derrotas do marqueteiro Antero

antero de barros curtinha 400   O ex-senador, jornalista e marqueteiro Antero de Barros (foto) não levou sorte nas campanhas eleitorais as quais coordenou nestas eleições. Em Lucas do Rio Verde, empurrou à reeleição o prefeito Luiz Binotti que, mesmo com o poder da máquina, perdeu para o...

Lideranças jogaram duro contra EP

carlos favaro 400 curtinha   Emanuel Pinheiro teve uma reeleição sofrida em Cuiabá. Lutou contra os principais líderes políticos, que se juntaram em torno da candidatura de Abílio, uns publicamente, outros nos bastidores. O governador Mauro Mendes, por exemplo, jogou pesado para tentar derrotá-lo....

Bezerra ignora filiado do seu filiado

carlos bezerra 400   Carlos Bezerra (foto), o "cacicão" do MDB, abandonou antes da hora o palanque de Emanuel Pinheiro, mesmo se tratando do filiado mais importante em representatividade partidária no Estado. Bastou a pesquisa Ibope mostrar que o prefeito da Capital estava atrás de Abílio nas intenções de...

Sob ataques e humilhação e vitorioso

emanuel pinheiro 400 curtinha   Emanuel Pinheiro (foto) se emocionou ao falar com a imprensa neste domingo, pela primeira vez como prefeito reeleito. Lembrou que foi atacado não só neste período eleitoral, mas desde o início do mandato. Destacou a aprovação popular, com 86% de avaliação...

PT na oposição independente do eleito

edna sampaio 400   Independente de quem ocupar o Palácio Alencastro, a partir de janeiro, a professora Edna Sampaio (foto), única eleita pelo PT à Câmara de Cuiabá, fará oposição ao prefeito. E dá sinais de que será uma parlamentar bastante atuante. Neste segundo turno, como o seu...

Secretário não consegue eleger Fred

fred gahyva 400 curtinha   O vereador licenciado e secretário estadual de Saúde, Gilberto Figueiredo, foi um cabo eleitoral incansável pela candidatura de Fred Gahyva (foto) a vereador pela Capital. Ele liderou reuniões nas unidades de saúde, reforçando pedido de voto para o aliado e amigo de...

MAIS LIDAS